Verdades de fé silenciadas

07/03/2024
– E se aqueles que receberam verdades da fé e foram enviados para pregá-las não as pregam, sobre o que eles falam então com a equipe?
– Boa pergunta. É claro que eles pregarão mentiras vãs e disparates, incapazes de salvar o homem. Mas o que não é tão claro é que eles realmente receberam as verdades da fé. Continue lendo e agora vamos estudar o assunto.

Por Padre José María Iraburu,

Cristo salva os homens pregando a verdade. Ele veio ao mundo « para dar testemunho da verdade » (Jo 18,37). Ele quer que « todos os homens sejam salvos, e cheguem ao conhecimento da verdade » (1Tm 2,4). Cristo sabe que Ele é « a verdade » (Jo 14,6), a luz do mundo, e que quem O segue « não anda nas trevas, mas terá luz de vida » (Jo 8,12). E ele pergunta: Pai, « santifica-os na verdade » (17,17), isto é, santifica-os pela obra do Espírito Santo, que é « o Espírito da verdade » (16,13). Cristo sabe que só « a verdade nos libertará » (8.32) do diabo, do mundo e da carne, isto é, de nós mesmos. De acordo com tudo isso, portanto, qualquer silenciamento das verdades da fé que nos salva impede ou impede a salvação dos homens. É muito sério.

Os Apóstolos, enviados para pregar o Evangelho, entenderam isso perfeitamente. « Os justos vivem pela fé + a fé é pela pregação + e pela pregação pela palavra de Cristo » (Rm 1:17; 10,17). Eles sabiam bem que quando a pregação de uma verdade de fé enfraquece ou cessa, essa convicção de fé enfraquece ou cessa, e consequentemente a vida cristã que desperta « a fé que trabalha através da caridade » está arruinada (Gl 5,6).

Silêncio do Evangelho e apostasia. Tentando neste blog de reforma das Igrejas locais descristianizadas, tenho apontado em vários posts, a título de exemplo, as terríveis conseqüências de certos silêncios crônicos: sobre a salvação ou condenação (8-9), modéstia (10-12), e, pregação da conversão em missões (13), adultério (14-15), demônio e exorcismos (16-18), A vida cristã como uma batalha contra o diabo e a vitória total de Cristo na parousia (19-20). Mas, como esses exemplos considerados, mais cem poderiam ser apontados, e em muitos casos eles se referiam a verdades de fé de importância ainda maior. Agora é evidente que uma verdade da fé silenciado absolutamente por um longo tempo é igual a um negação do mesmo. E que, portanto, a principal causa da crescente apostasia entre os cristãos é precisamente o silenciamento de muitas verdades fundamentais do Evangelho.

Se um pároco, por exemplo, por vinte anos nunca afirma a presença real de Cristo no tabernáculo, e passa diante dele sem fazer o menor sinal de reverência, quer ele queira ou não, ele está pregando a seu paroquiano que Cristo não está presente no tabernáculo. Que não há ninguém lá. Além disso, há uma base real para suspeitar que este padre não acredite na presença eucarística de Cristo. Se acreditasse, pregaria e exortaria os fiéis à devoção eucarística, pois « da abundância do coração fala a boca » (Lc 6,45).

As causas do silenciamento do Evangelho, que levam o povo à apostasia da fé, é preciso que sejam conhecidos e reconhecidos, explícita ou implicitamente, para vencê-los com a graça de Deus. Vou apontar alguns dos mais importantes. Todos, obviamente, se relacionam entre si e se envolvem.

Ignorância de verdades por ignorância. Um cristão, sacerdote ou leigo não pode ensinar essas verdades desconhecidas da fé. Nos tempos antigos, em que havia uma falta de seminários, institutos de catequese, etc., que a ignorância era normalmente na forma de ignorância. Imagine, por exemplo, a situação do clero no século 9, quando, sob o impulso da reforma carolíngia, um dos concílios de Aguisgrán – Penso que de 817 – determinou que aquele que não podia ler, pelo menos os livros litúrgicos, não foi ordenado sacerdote. Ou imagine a situação do clero rural na França, antes de serem aceitos naquela Igreja em 1615! os decretos do Concílio de Trento. São Vicente de Paulo (1581-1660) não conhecia alguns casos de sacerdotes que na missa ou na confissão gaguejavam uma monserga que duvidava da própria validade do sacramento.Em tal situação, o silenciamento de muitas verdades da fé vem simplesmente de uma enorme ignorância, muitas vezes indizível.

Ignorância das verdades pela má doutrina. Mas o problema hoje é muito diferente, e certamente ainda mais grave. Atualmente existem inúmeros centros educativos para seminaristas, catequistas, religiosos, namorados, etc. A ignorância, então, e o consequente silenciamento de tantas verdades fundamentais da fé Católica é principalmente devido ao falsa doutrina que nestes centros é instilado com não infrequência. Em certas Igrejas locais, especialmente injustiçadas na doutrina, encontramos a fé católica genuína quase exclusivamente em um simples descanso dos fiéis que, pela misericórdia de Deus, foram libertados de certos aggiornamento doutrinários assustadores. Ou que, também pela graça de Deus, eles foram salvos do dilúvio universal na arca de algum movimento cristão fiel à Igreja. O que digo é muito sério, mas não estou exagerando.

João Paulo II, em um discurso aos missionários populares, também descreve uma situação em 1981 falsificação doutrinária generalizada: « É necessário admitir realisticamente, e com profunda e atormentada sensibilidade, que os cristãos de hoje, em grande medida, se sentem perdidos, confusos, perplexos e até desapontados. Ideias contrastantes com a verdade revelada e ensinada para sempre foram espalhadas pelas mãos. Heresias verdadeiras e próprias se espalharam no campo dogmático e moral, criando dúvidas, confusões, rebeliões. Até a liturgia foi manipulada. Imersos no relativismo intelectual e moral e, portanto, na permissividade, os cristãos são tentados pelo ateísmo, pelo agnosticismo, pela iluminação vagamente moralista, pelo Cristianismo sociológico, sem dogmas definidos e sem moralidade objetiva » (6-2-1981). O diagnóstico do cardeal Ratzinger em sua Relatório de Fé, ao mesmo tempo, foi exatamente coincidência.

Bem, o Papa, ao descrever esta imensa deterioração atual da doutrina católica, não está pensando, é claro, na imprensa secular, nas universidades agnósticas, nos estádios esportivos, praias e teatros. Você está pensando em seminários, noviciados, faculdades de teologia, centros catequéticos, editoriais e livrarias católicas « ». Consequentemente, devemos nos surpreender, então, que não poucos bispos, párocos, teólogos, catequistas, religiosos, grupos leigos, que foram doutrinariamente e espiritualmente formados nessa situação descrita pelo Papa, não são poucos, silenciar verdades centrais da fé? Em muitos casos, eles são silenciados, simplesmente porque não os receberam. Pelo contrário, eles receberam exatamente os erros opostos. Assim, o que é verdadeiramente admirável, o que constitui um milagre da bondade de Deus para com a sua Igreja, é que não são poucos destes povos perseverar heroicamente em seus ministérios, e mesmo tendo recebido uma formação filosófica e histórica, doutrinária e moral, espiritual e litúrgica tão terrível, ainda transmitir, mesmo que seja com deficiências graves, muitas vezes inculpáveis, alguns elementos da fé católica.

Falta de fé. « Pensei, foi por isso que falei; também acreditamos, e é por isso que falamos » (2Cor 4.13). Pelo contrário, « não acreditamos e por isso não falamos ». Os silêncios sistemáticos de tantas verdades da fé católica estão indicando que não há fé nesses mistérios revelados por Deus e ensinados pela Igreja. Um padre, um catequista, um professor católico, um pai de família, sim nunca falar da habitação da Trindade no cristão em graça, se nunca aludir à salvação eterna ou condenação, à divina Providência sobre o grande e o mínimo, ao horror do adultério ou contracepção, à urgência de evangelizar os incrédulos, etc. é porque não acredite nessas verdades da fé, ou porque a fé neles é tão fraca que não se dá a ponto de « confessá-la perante os homens » (Lc 12,8). Vejamos com um exemplo:

O silêncio quase total sobre o grave mal da contracepção Ele foi denunciado pelo bispo Victor Galeone, de Santo Agostinho (Flórida, EUA), em uma carta pastoral (11-15-2003). O fala porquê acreditar na doutrina católica. Primeiro, significa que o divórcio triplicou, as doenças sexuais aumentaram de 6 para 50, a pornografia cresce em todos os campos, aumenta a esterilização e redução extrema no número de crianças, etc. E ele declara que, em sua opinião, a principal causa de todos esses males é a contracepção generalizada. « A prática é tão difundida que afeta 90% dos casais em algum momento do seu casamento, envolvendo todas as denominações » (refere-se a todas as denominações cristãs, também aos católicos). « A grande maioria das pessoas hoje considera a contracepção uma questão fora de questão ». Descreve de forma impressionante a profunda e multiforme deterioração que a contracepção crônica produz na vida dos casamentos e das famílias.
« Receio que muito do que disse pareça muito crítico para os casais que usam contracetivos. Na verdade, não os culpo pelo que aconteceu nas últimas décadas. Não é culpa sua. Com raras exceções, bispos e padres são os culpados pelo nosso silêncio ». E termina com algumas regras práticas « para ir contra o silêncio que envolve o ensino da Igreja nesta área », pedindo em nome de Cristo, como Bispo da diocese, a aplicação de certas normas sobre o estudo da doutrina católica, confessores, homilias, cursos de preparação para o matrimônio, catequese e escolas superiores. É óbvio que não há outro caminho: reforma ou apostasia.

Falta de esperança. O que é considerado impossível não é tentado. Não é pregado tentar superar esses erros e males que são considerados irrevogáveis. Há uma falta de consciência na fé de que o mesmo Deus que auxilia com a sua graça o pregador para dizer a verdade é o Deus que auxilia o ouvinte para lhe dar crédito. E assim eles admitem como fatos consumados e irrevogáveis, contracepção, absenteísmo da Missa, polarização no enriquecimento e tantos outros pecados. E pouco ou nada será pregado e feito para vencê-los com a graça de Cristo. Sem esperança, sem esperança teológica – aquele que é colocado em Deus, e somente em Cristo: « o que é impossível para os homens é possível para Deus » (Lc 18,27) – os males da humanidade e da Igreja são sem esperança. Você nem tenta superá-los, porque eles são considerados inevitáveis. Um exemplo:

Em vastas regiões da Europa medieval, a simonia era tão geral, é a compra de Bispados, Abacias, etc., que não causou escândalo nem na Hierarquia Apostólica nem nos fiéis. Nada eficaz foi pregado ou feito para arrancá-lo, e durou com impunidade. Centenas e centenas de abades e Bispos simoniacos, reis e nobres, apoiavam-se mutuamente, unidos por interesses comuns. Inúmeros teólogos e canonistas calaram-se em silêncio, « preservando as suas vidas » (Lc 9,23-24). Apenas alguns homens santos acreditavam, como Abraão, « contra toda a esperança » (Rm 4:18) que Cristo Salvador queria purificar sua Noiva, a Igreja, de um pecado tão sério e generalizado. Nicolau II (Papa, 1059-1061), São Gregório VII (1015-1085), São Bruno (+ 1101), São Bernardo (1090-1153) e com eles outros homens de fé e de esperança, sabendo que eles foram expostos a calúnia, abuso, exílio, prisão,emboscadas mortais, pobreza, ousam começar e manter uma luta total contra a besta diabólica da simonia. Bernardo escreve a Eugenio III (Papa, 1145-1153): « se queres ser um fiel seguidor de Cristo, faz inflamar o teu zelo e exercer a tua autoridade contra esta praga universal» da simonia. Pela graça de Deus, a esperança desses homens « deixou Cristo » trabalhar em sua Igreja, e a simonia foi progressivamente superada, e a esperança de Deus foi superada, com a ajuda decisiva dos Conselhos que eles mesmos promoveram (Romano, 1060; Guastalla, 1106; Laterano II, 1139; Laterano III, 1179; etc).

Reforma ou apostasia. Homens corajosos na esperança estão faltando hoje em nossa Igreja. Muitos, mesmo entre os melhores, já se resignam a uma Igreja cada vez menor, reduzida a um Descanso, e a um Descanso dividido, no qual às vezes há mais erros do que verdades, e mais rebeliões do que obediências. Bem, sem esses homens de esperança não haverá reforma, o Senhor não a concederá, e sem reforma, a apostasia continuará a crescer. Todos os males da Igreja – falsas doutrinas, abusos disciplinares – são perfeitamente remediadores, Pois Deus ama a Igreja, a Noiva do Filho, e é onipotente. É verdade que muitas vezes não será possível superar esses males sem verdade milagres morais. Os milagres necessários são normal naquela história de salvação que a Igreja está vivendo até que Cristo volte. E o Senhor sempre opera esses milagres de salvação através de cristãos crentes e mártires. Quando Jesus estava em Nazaré, entre os seus compatriotas, numa das suas viagens evangelizadoras, « não realizou muitos milagres por causa da sua falta de fé » (Mt 13,58).(Fonte: InfoCatolica)

Comentários do Editor

1-Já pratiquei superstição ou ocultismo? Acredito sem hesitação nos ensinamentos da Igreja sem criticar seus pastores? Recebi a Comunhão em pecado mortal? Recebi a Confirmação ou o Casamento em pecado mortal? Jurei desnecessariamente ou falsamente? Eu menti ou omiti algum pecado mortal do sacerdote na Confissão? Profanei o Templo, os objetos ou as...

Desde o Concílio Vaticano II, a religiosidade popular tem sido promovida e até exaltada como expressão legítima da fé nos leigos. E é claro que não se pode, nem se deve, negar ou fazer uma alteração total de tal realidade e efeitos espirituais positivos para as almas; almas que, talvez por esse meio, tenham sido integradas à vida sacramental...