Se deve combater de dentro da Igreja. E quem realmente faz isso?

08/10/2023

"... como impostores, sendo verdadeiros " (São Paulo, 2 Coríntios 6:8)

Mostrarei neste escrito o seguinte paradoxo: que aqueles que realmente estão lutando de dentro da Igreja Católica e pela Igreja Católica, são alguns que muitos dão como certo que estão fora da referida Igreja.

PorTomás I. González Pondal 

A luta contra nós mesmos é uma questão capital e importantíssima. Mas se algum inimigo, seja ele qual for, conseguir corromper suas doutrinas e se as almas não perceberem tal corrupção e consumi-la, dificilmente conseguirão travar a batalha interior. Por exemplo, recentemente o arcebispo de La Plata, monsenhor Víctor M. Fernández, pronunciou em uma igreja as seguintes doutrinas modernistas: que devemos aceitar a todos, "de qualquer orientação", "seja como for, goste-se ou não, vale mais do que qualquer coisa nesta terra". E esta: "A Igreja em outros séculos foi em outra direção (...) Sem perceber, desenvolveu toda uma filosofia e uma moral cheias de classificações (...): 'Este pode receber a comunhão, este não pode receber a comunhão' (...). É terrível que isso tenha acontecido conosco na Igreja (...). Graças a Deus o Papa Francisco nos ajuda a nos libertar desses esquemas". Até agora algumas das palavras revolucionárias do arcebispo. Ver. Não é verdade que alguém "como vem, vale mais do que qualquer coisa nesta terra". Esse absurdo vai contra toda a doutrina católica. Cristo morreu para que, vivendo em sua graça, começássemos a valer a pena. É dentro da sua graça que valemos e sem ela não somos nada. Ele o disse: "Se alguém não permanece em Mim, é expulso como galhos e murcha; depois recolhem-nos, lançam-nos no fogo e queimam-nos» (Jo 15, 6); e "Quem não está Comigo está contra Mim" (Mt 12,30). Não é então "como vem", porque se vier sem o terno adequado não entrará nos casamentos. Mais uma vez Fernández vai contra San Pablo, que longe de dizer que "você vale mais do que qualquer coisa quando você vem, com a orientação sexual que você quer", ele disse sem rodeios: "Nem fornicadores, nem idólatras, nem adúlteros, nem afeminados, nem sodomitas (...) herdarão o reino de Deus" (1 Coríntios 6:9). Assim, o céu não admite "como vem", admite arrependidos que morrem na amizade divina. E o que é essa "outra direção"? Serra? Palavras textuais: "OUTRA DIREÇÃO": que qualquer um receba a comunhão, total é outra direção que foi tomada. É claro que São Paulo era da Igreja "de outras épocas", por isso disse: "Aquele que come e bebe, não fazendo distinção do Corpo do Senhor, como e bebe a sua própria condenação" (1 Coríntios 11:29). Que uns possam receber a comunhão e outros não, não é uma invenção da Igreja, é a Palavra de Deus. Qual é o problema? São Paulo defende algo chamado catolicismo, enquanto Monsenhor Fernández, confessando ir em "outra direção", está dentro do modernismo. Em suma, como se vê, uma doutrina maligna pode arruinar a alma. Vamos então lutar contra o modernismo com todas as nossas forças.

Ano após ano, desde um 1988 um tanto distante, ouve-se repetir, uma e outra vez, contra aqueles que realmente defendem a Tradição Católica e aqueles que são considerados separados: "Devemos lutar dentro da Igreja". A frase, como se vê, significa que a luta daqueles "expulsos obstinados e desobedientes" é errada, pois estariam travando uma batalha fora da Igreja. Quando a direção histórica dos acontecimentos é realmente conhecida, muitas surpresas começam a aparecer para muitos, e acontece que o que parecia ser um caminho não é, mas o contrário. À luz do que foi dito, ajuda incrivelmente começar por fazer esta pergunta: Quem expulsou quem e para onde está a expulsão? E a resposta torna-se mais clara dia após dia, semana após semana, ano após ano, década após década: trata-se da expulsão que o modernismo faz em relação aos seguidores da Tradição Católica, e essa expulsão então – note-se o paradoxo – é para a mesma Tradição desprezada pelo modernismo. É o modernismo jogando de seu lado a Tradição que tanto abomina, mas que continua sendo usada para preservar, com toda hipocrisia, o rótulo de "católico". Água e óleo não se misturam.

É o modernismo que se afastou da Tradição Católica, então nós temos isso: que o modernismo afastado da sã doutrina, da Verdade, há muito tempo usurpou um lugar, passou-se como o que não é, isto é, católico, e expulsa ferozmente aqueles que são realmente católicos. Muitos, tristemente enganados, acreditam que estão travando a batalha católica defendendo a Igreja de Cristo dos quadros modernistas, de modo que não só não travam nenhuma batalha verdadeiramente católica, mas são úteis à peste indicada, vindo na verdade lutar contra o que pretendem defender. E à medida que o modernismo se afasta cada vez mais grosseiramente da Tradição Católica, segue-se que os pretensos batalhadores que "travam" batalhas sob a proteção do modernismo vigente, não são aqueles que estão propriamente lutando por dentro, mas estão cada vez mais distantes da Câmara, lutando, muitos inconscientemente, contra a Casa.

Foi uma jogada de mestre de Satanás fazer com que muitos que se dizem católicos e que estão nadando nas águas do modernismo, atacassem os católicos que amam a Tradição e que hoje carregam o apelido de expulsos. Percebeu-se que a batalha dos primeiros se resume, em última análise, a martelar os segundos, uma vez que, se eles são verdadeiramente consistentes com sua "obediência", eles devem engolir limpo o ecumenismo destrutivo que prega a falsa unidade e a oração nociva com muçulmanos, luteranos, judeus, anglicanos, pachamâmios, etc.? Esses modernistas, principalmente alguns bispos, alcançaram seu objetivo liquidando a verdadeira virtude da obediência e suplantando-a por obediência viciosa ou pseudo-obediência. Não poderia ser de outra forma: o modernismo também aplicou sua maquinaria inovadora ao que era considerado virtudes, modificando-as, tornando a farsa em sua variada gama agora a coisa certa. Essa falsa obediência peca não apenas contra a razão, mas principalmente contra a fé. Era a arma mais amada pelos conhecidos bispos, pois entendiam sem muita dificuldade que tinham em sua posse o instrumento mestre para desferir o golpe preciso que levaria ao silêncio, à cumplicidade e à doma do rebanho contra qualquer possível comportamento que tentasse a revolta. Cabe aqui perfeitamente aquelas palavras que, se bem me lembro, foram escritas por G.K. Chesterton: "A falsidade nunca é tão falsa como quando é quase a verdade".

Satanás incita sua obediência cruel fazendo-o guerrear de braços dados contra a virtude da obediência, e ele conseguiu que a virtude da obediência fosse excomungada pela obediência viciosa.

Sejamos francos, vamos lá: que tipo de luta será aquela que libertará quem, infelizmente, está acuado pela pseudo-obediência gerida pelos bispos amantes do modernismo? Como alguém pode reivindicar uma verdadeira luta pela Igreja de Cristo se se deixa arrastar por aqueles que são contra a Igreja de Cristo?

Vejamos o que nos diz o bispo Atanásio em uma de suas cartas enviadas aos seus fiéis em Alexandria:

"Que Deus te conforte! (...). O que tanto vos entristece é que os inimigos ocuparam violentamente os vossos templos, enquanto vós, em todo este tempo, estais fora. É fato, que eles têm os edifícios, os templos; Mas, em vez disso, você tem fé apostólica. Eles foram capazes de manter nossos templos, mas estão fora da verdadeira fé. Você tem que ficar fora dos locais de culto, mas você permanece, em vez disso, dentro da fé.

Reflitamos: o que é mais importante, lugar ou fé? Evidentemente, a verdadeira Fé. Nessa luta, quem perdeu, quem ganhou: aquele que guardou o lugar ou aquele que guardou a fé?

O lugar, é verdade, é bom, (mas) quando a fé apostólica é pregada nele; Ele é santo, se tudo o que acontece e acontece nele é santo.

Vós tendes sorte, porque permaneceis na Igreja por causa da vossa fé, que chegou até vós através da Tradição Apostólica e se, sob pressão, um zelo execrável tentou quebrar a vossa fé, essa pressão não teve êxito. São eles que se separaram, na atual crise da Igreja.

Ninguém jamais prevalecerá contra a vossa fé, queridos irmãos. E sabemos que Deus um dia nos devolverá nossos templos.

Quanto mais insistirem em tirar nossos locais de culto, mais se separarão da Igreja. Eles fingem representar a Igreja, quando, na realidade, se expulsaram dela e se desviaram (Coll. selecta SS. Eclesiæ Patrum, Caillau et Guillou, t. 32, p. 411-412).

Aqueles fiéis à Tradição Católica e aqueles que hoje estão fora da Igreja, esses mesmos, digo, são os que estão travando uma batalha sem precedentes e de dentro da Igreja. São eles que estão realmente defendendo a Esposa do Cordeiro contra a investida do modernismo malandro.

Desde as reformas em que o modernismo foi introduzido em toda parte, nenhuma batalha verdadeiramente católica pode ser travada, e a razão é de lógica rigorosa: pois se as inovações são aceitas, é claro que não há briga; Mas quando alguém ousa dizer algo contra as introduções modernistas, logo aparece o castigo que sanciona, que expulsa, que pede silêncio, que quer padronizar as tropas, que força a adesão, tudo isso, se se vê, busca reduzir aquele que quer lutar. Então, querendo ou não, aquele lutador expulso ou reduzido que quer continuar denunciando o erro, o mal, o engano, a inovação nociva, vai se encontrar no caminho oposto àquele modernismo atacado, e é assim que, afinal, se encontra lutando fora do modernismo contra o modernismo, e dentro do catolicismo a favor do catolicismo.

Há mais de trinta anos que muitos – por qualquer motivo – insistem em "lutar" de dentro do catolicismo, mas sem querer ver – ou ver! – que na realidade o fazem imersos nas veias do modernismo. Então, eles não só nunca travaram uma luta real, mas foram gradualmente engolidos pelo movimento desastroso indicado.

Daquele pequeno grupo de católicos que amam a Tradição Católica e a quem há alguns anos estão fora da Igreja, atrevo-me a aplicar as palavras de El Cid Campeador: "Que bom vassalo seria se tivesse um bom senhor".

Naqueles que hoje muitos consideram expulsos, São Paulo está bem cumprido: "como impostores, sendo verdadeiros". (Fonte: Adelante La Fe)

A Virgen do Carmo ou Nossa Senhora do Carmo é uma das devoções mais conhecidas e veneradas da Virgem Maria na Igreja Católica. Ela é considerada a padroeira dos marinheiros, pescadores, marinheiros e todos aqueles que enfrentam situações perigosas no mar. Esta devoção mariana, cuja origem remonta ao século XII, é geralmente representada com o...