As advertências de Deus à Europa infiel

23/09/2023

Os dois grandes desastres que atingiram o Norte de África nos últimos dias – primeiro o terramoto em Marrocos e depois o furacão que rompeu dois reservatórios na Líbia – causaram milhares de vítimas, luto e devastação de todo o tipo. 

No Ocidente, os canais de TV e as cenas de dor na internet têm servido de contraponto à voz de especialistas em meteorologia, geologia e climatologia. Mas em nenhum momento o nome de Deus foi ouvido para ser pronunciado. Ele tem sido o grande ausente nesses dramas, como se nomeá-lo ou associar seu nome a esses infortúnios fosse blasfêmia. Para a cultura dominante no Ocidente, Deus não existe e, se existe, não se importa com o mundo. Ora, se Deus é o Criador do universo, a causa primária de tudo o que existe, nada pode escapar ao Seu governo. Deus não negligencia as suas criaturas. O interesse de Deus na criação, seu governo de criaturas, são o que imprimem ordem no universo e são o que chamamos propriamente de Providência Divina. Deus provê com amor e força em todas as áreas da criação, até os mínimos detalhes. O Evangelho diz-o quando afirma que todos os cabelos da nossa cabeça estão contados. (Lc 12,1-7).

Isso não diminui Deus; pelo contrário, é a prova de sua grandeza. Precisamente porque Ele é infinito, Deus pode cuidar dos mínimos detalhes da criação sem a menor perda para Ele. Se algo escapasse de Sua ação criativa e conservadora, Ele não seria Deus.

Aqueles que negam a Deus, ateus e secularistas ferrenhos, bem como aqueles que não professam o ateísmo vivem na prática como ateus, são incapazes de conceber que existe uma Providência e substituí-la pela ciência. As catástrofes obedeceriam a forças fatais, pois dependeriam das leis da natureza. A interpretação dos eventos fica a cargo dos cientistas: médicos e virologistas, no caso de pandemias, ou geólogos e climatologistas, no caso de terremotos e furacões. Esquecem-se ou não sabem que é Deus quem organiza o mecanismo das forças e leis da natureza para produzir fenômenos de acordo com as exigências de sua justiça ou misericórdia. Como as epidemias, os terremotos estão em conformidade com as leis da natureza, que os cientistas devem investigar, mas o autor da natureza e suas leis é Deus, que mantém a ordem física e natural em perfeito equilíbrio e em seus misteriosos desígnios às vezes quer suspender esse equilíbrio, mas sempre por uma razão.

O que acontece no universo é a vontade de Deus, com exceção do mal moral, que é o único mal verdadeiro, e que Deus permite porque o homem foi criado livre para fazer o bem ou o mal, para amar a Deus ou rejeitá-Lo. O mal moral, que conhecemos como pecado, nada mais é do que nossa recusa em reconhecer Deus como nosso último começo e fim. Quanto ao mal moral, ele nada mais consiste senão no mistério da criatura que se rebela contra o seu Criador, que se proclama autossuficiente, independente, quando não tem a menor possibilidade de fazer nada, porque tudo o que somos depende de Deus e sem Ele nada podemos fazer.

Os terremotos e todos os cataclismos, que são males físicos e não morais porque são estranhos à vontade humana, dependem da vontade de Deus, e como Ele deseja apenas o bem para Suas criaturas, eles têm um significado que o homem deve procurar entender.

A Igreja e o povo cristão sempre atribuíram significado às calamidades naturais: são advertências, advertências. O que Deus diz ao homem com esses eventos? Ele quer lembrá-lo de que tudo pode terminar dramaticamente em um piscar de olhos, porque o fim último de nossa vida não é terreno, mas imortal. A Terra é um lugar de exílio, e nós facilmente esquecemos que nossa verdadeira pátria é o Céu. O mal, a dor e o sofrimento muitas vezes abrem os olhos dos homens e os conduzem a Deus. Sua razão última é resumida em uma frase de São Tomás de Aquino: "Os males que nos afligem neste mundo nos impulsionam a voltar-nos para Deus" (Summa Theologica, I, q. 21 a. 4 ad 3).

Isso pode ser aplicado ao mal físico, independentemente da vontade dos homens, mas também ao mal moral que eles cometem com seu livre arbítrio. Quando Deus pune os homens neste mundo por seus pecados individuais ou coletivos, Ele o faz para direcioná-los a Ele. Esse é o objeto dos grandes castigos divinos que sempre acompanharam a história da humanidade. Devemos nos esforçar para descobrir por trás de terremotos, doenças e guerras os desígnios de Deus escondidos sob as forças cegas da natureza. Quem não percebe a voz de Deus em tudo o que não depende da nossa vontade, a começar pelas catástrofes naturais que nos rodeiam, é frívolo. E quem não crê nos castigos divinos, ou não os teme, é frívolo e tolo, pois lhe falta o temor de Deus, que é o princípio de toda sabedoria.

As catástrofes que atingiram o Magrebe em Setembro são o resultado do terrível terramoto que atingiu a Turquia em Fevereiro deste ano. Tudo isso aconteceu do outro lado do Mediterrâneo, na borda da Europa, enquanto em sua fronteira nordeste uma guerra destrutiva está sendo travada entre a Rússia e a Ucrânia. Parece que um cerco de dor rodeia a Europa infiel. Parece ser uma das últimas advertências de Deus diante dos ultrajes a que é submetido todos os dias no mundo. É hora de refletir. O castigo não é apenas a guerra que poderia alastrar a toda a Europa, mas uma série de desastres naturais devastadores que seriam o epílogo dramático de uma obstinação humana que o Soberano do Céu e da Terra, de infinita mas também infalivelmente justa paciência e misericórdia, vem suportando há demasiado tempo. (Fonte: Adelante La Fe)