O livro do Cardeal Fernández e o seu antídoto

29/04/2024

O livro do Cardeal Víctor Manuel Fernández, Paixão Mística, Sensualidade e Espiritualidade, provavelmente teria sido colocado no Índice pela Congregação que hoje preside e sua leitura teria sido proibida aos católicos 

Por Roberto de Mattei

Nas últimas semanas, em blogs católicos de orientação tradicional, das duas Américas à Europa, tem-se falado muito de um livro escandaloso, publicado em 1998 pelo atual prefeito do Dicastério para a Doutrina da Fé, Víctor Manuel Fernández. Nesse livro, que se intitula Paixão Mística, Sensualidade e Espiritualidade, encontramos muitas páginas escabrosas que suscitam justificada indignação, mas que são divulgadas, a meu ver, de forma imprudente. O livro teve mais leitores do que quando foi publicado pela primeira vez, e a maioria desses leitores são tradicionalistas, por mais indignados que possam ficar ao lê-lo. Mas será apropriado deter-nos em páginas onde a sensualidade e a espiritualidade se fundem de forma tão mórbida?

Na epístola aos Efésios, São Paulo diz: "Quanto à fornicação e a toda espécie de impureza ou avareza, ninguém fale disso entre vós, como convém aos santos; vale o mesmo para a vulgaridade, os insultos, as trivialidades: todas essas coisas são inadequadas. Pelo contrário, ações de graça" (Efésios 5:3-4).

Por que não deveríamos falar sobre coisas impuras? Porque falar de coisas impuras, ou ler páginas imorais, mesmo que apenas para criticá-las, alimenta a imaginação que retrata as cenas descritas detalhadamente: os sentidos são inevitavelmente perturbados e a vontade é tentada. Acabamos tendo prazer naquilo que condenamos.

Por isso existia o Índice de Livros Proibidos, eliminado em 1966 durante a criação da Congregação para a Doutrina da Fé. A proibição dizia respeito à leitura de livros heréticos e imorais, e tinha como objetivo preservar as almas do perigo de cair no pecado, intelectual ou moralmente. Hoje, como no tempo de São Paulo, falamos muito livremente sobre muitas coisas que deveriam ser mantidas em segredo. Rimos e brincamos sobre assuntos mais ou menos escabrosos, deploramos os escândalos, mas ficamos intrigados com todos os seus detalhes.

Em 7 de junho de 1929, o Cardeal Rafael Merry del Val assinou o prefácio de uma nova edição do Índice de Livros Proibidos, o último publicado pelo Santo Ofício. O secretário do Santo Ofício assim se expressa:

"Ao longo dos séculos, a Santa Igreja suportou grandes e terríveis perseguições, multiplicando gradativamente os heróis que selaram com sangue a fé cristã; mas hoje, uma batalha muito mais terrível a afeta, a partir do inferno, tão insidiosa e insípida quanto deletéria, e é a imprensa maligna.

"Nenhum perigo maior do que este ameaça a integridade da fé e dos costumes, e é por isso que a Igreja nunca deixa de apontar isto aos cristãos, para que tomem cuidado.

Última edição do Índice de Livros Proibidos, publicada em 1948, durante o pontificado de Pio XII

"Livros irreligiosos e imorais são por vezes escritos num estilo cativante, muitas vezes tratando de assuntos que acariciam as paixões carnais ou lisonjeiam o orgulho do espírito, sempre então com artifícios estudados e simulacros de todos os tipos, visando capturar as mentes e os corações dos leitores incautos. É natural, portanto, que a Igreja, como mãe providencial, pelas suas proibições oportunas, advirta os fiéis para que não aproximem os lábios dos fáceis cálices do veneno.

"Portanto, não é por medo da luz que a Santa Sé proíbe a leitura de certos livros, mas por aquele zelo com que Deus a inflama e que não tolera a perda de almas, ensinando pela mesma experiência que 'o homem, caído da justiça original, é fortemente inclinado para o mal e, portanto, tem extrema necessidade de proteção e defesa'."

Em 3 de maio de 1927, o Santo Ofício condenou a chamada "literatura místico-sensual" pela Instrução Inter mala, que declarava em particular: "Entre os males mais mortais que hoje corrompem totalmente a moral cristã e causam muitos danos às almas redimidas pelo precioso Sangue de Jesus Cristo, há sobretudo literatura que promove as paixões sensuais, a luxúria e uma certa forma de misticismo lascivo. Desse caráter são especialmente os romances, os contos, os dramas, as comédias: escritos que hoje se multiplicam de maneira incrível e se espalham cada vez mais por toda parte."

O livro do Cardeal Víctor Manuel Fernández, Paixão Mística, Sensualidade e Espiritualidade, provavelmente teria sido colocado no Índice pela Congregação que hoje preside e teria sido proibido de leitura aos católicos. O Cânone 1308 § 1 do Código de Direito Canônico afirmava: "A proibição dos livros significa que o livro não pode ser impresso, lido, mantido, vendido ou traduzido para outro idioma sem licença na devida forma, nem transmitido de uma forma ou de outra de um para o outro."

O Índice de Livros Proibidos não existe mais, mas o princípio permanece: o que é ruim não deve ser lido nem divulgado. Parece que hoje o livro do Cardeal Fernández desapareceu providencialmente de todas as bibliotecas. No entanto, é um tanto paradoxal que ele tenha tido o seu maior sucesso público no mundo tradicionalista, apesar de ter sido condenado pelo povo.

A melhor reação contra os livros imorais não é distribuí-los para mostrar a sua obscenidade, mas recordar a importância das virtudes opostas às que são ofendidas, como neste caso a pureza. É difícil falar de uma virtude pouco amada e pouco conhecida, como a da pureza, num mundo que exalta todos os vícios que lhe se opõem. É mais fácil entendê-lo através de exemplos históricos. É por isso que recomendamos, como antídoto ao livro do Card. Fernández, a leitura de um livrinho que acaba de ser publicado na Itália pela editora Fiducia, sob a direção de Virginia Coda Nunziante, intitulado Martiri della purezza (Mártires da Pureza), no qual dezesseis autoras nos contam a história de dezesseis mulheres que demonstraram com suas vidas seu amor pela virtude da pureza.

O Evangelho diz: "Bem-aventurados os puros de coração, porque verão a Deus" (Mt 5, 8), e a Santíssima Virgem disse a Santa Jacinta de Fátima que os pecados que levam a maioria das almas ao inferno são aqueles que vão contra pureza. Com efeito, como nos recorda São Paulo: "Nenhum fornicador, nenhum impuro, nenhum avarento — que é prerrogativa dos idólatras — terá participação no reino de Cristo e de Deus" (Efésios 3, 5).

Pelo contrário, a pureza da mente e do corpo é um programa de vida que, com a ajuda de Deus, abre as portas do Paraíso. (Fonte: Agência Boa Imprensa)

Lutero talvez seja o principal motor da destruição do cristianismo no Ocidente. Mas obedeçamos a Cristo, que nos ordenou: «Não julgueis» (Mt 7, 1). Sua psicopatologia era tão grave que não é possível discernir em sua vida o que pode vir dela ou de um orgulho indizível assistido pelo Diabo. Ou ambos.

Com o título A Páscoa das Três Encíclicas, propomos recordar três importantes documentos promulgados por Pio XI no espaço de poucos dias, em março de 1937. Três encíclicas que foram dirigidas a todos os católicos do mundo e que ainda estão vivas hoje.