Um grupo de fiéis na Alemanha rejeita o Caminho Sinodal

05/06/2023

A rejeição ocorre porque, em março deste ano, foram aprovadas medidas para incorporar a ideologia de gênero no ensino católico, a ordenação de mulheres como diaconisas, a bênção de "casamentos" homossexuais, a normalização da pregação secular na missa e um pedido para que o Vaticano "reexaminar" a disciplina do celibato sacerdotal.

 ( CNA / Catholic Info ) Birgit Kelle, porta-voz do grupo secular alemão Neuer Anfang (New Beginning), em entrevista à EWTN News em 29 de maio, explicou que seus membros rejeitam o Caminho Sinodal iniciado pela Igreja na Alemanha porque querem "continuar sendo católicos."

Esta iniciativa leiga surgiu há dois anos, quando os bispos e vários líderes leigos na Alemanha já haviam embarcado no controverso Caminho Sinodal.

Organizado pelo Comitê Central dos Católicos Alemães (ZdK) e pela Conferência Episcopal Alemã, o Caminho Sinodal começou em 2019.

Em março deste ano, ele aprovou medidas para incorporar a ideologia de gênero no ensino católico, a ordenação de mulheres como diaconisas, a bênção de "casamentos" gays, a normalização da pregação leiga na missa e um pedido para que o Vaticano "reexamine " a disciplina do celibato sacerdotal.

Kelle disse à EWTN News que sua associação procura se manifestar, concentrando-se "em um verdadeiro novo começo na Alemanha", pois representa "muitos católicos ortodoxos que estão preocupados com o Caminho Sinodal e suas decisões".

A porta-voz do Nuevo Comienzo também destacou que "os funcionários leigos que faziam parte do Caminho Sinodal foram nomeados para representar os leigos normais, mas não o fazem".

"Nós, católicos normais, que sentamos na igreja aos domingos, não participamos desse processo, por isso não fomos ouvidos", explicou.

"Portanto, não somos 'contra algo', mas estamos tentando 'educar sobre algo' com base [no que Jesus ensina] e principalmente na unidade da Igreja Católica", acrescentou.

«Não seguimos as decisões e orientações do Caminho Sinodal porque queremos permanecer católicos», sublinhou.

"O debate, os documentos, as decisões, tudo confirma nossos temores de que eles [o Caminho Sinodal] não querem uma reforma na Igreja, mas uma nova doutrina da Igreja Católica. E isso nos leva na Alemanha a uma ruptura com o resto da Igreja», lamentou a porta-voz.

Kelle lembrou que, em janeiro, seu grupo entregou uma carta com suas preocupações ao Papa Francisco e que no ano passado trouxeram a ele um manifesto que prepararam a respeito.

Sobre suas atividades, Kelle disse: "Fazemos conferências no campo acadêmico, mas também conferências especiais para sacerdotes, porque experimentamos diariamente que há católicos que não querem implementar o Caminho Sinodal e suas resoluções nas comunidades".

No entanto, ele lamentou que esses católicos "enfrentem muita pressão quando se trata de ativismo para não implementar coisas que são claramente contrárias ao ensinamento católico".

O porta-voz do Novo Começo convocou "a Igreja Católica no mundo a intervir na Alemanha".

"Queremos fazer parte da Igreja Católica em todo o mundo, e agora estamos enfrentando bispos e autoridades leigas que rejeitam todas as [nossas] objeções ao que vai contra Roma, o Papa e o Vaticano", disse ele. (Fonte InfoCatolica)

1-Já pratiquei superstição ou ocultismo? Acredito sem hesitação nos ensinamentos da Igreja sem criticar seus pastores? Recebi a Comunhão em pecado mortal? Recebi a Confirmação ou o Casamento em pecado mortal? Jurei desnecessariamente ou falsamente? Eu menti ou omiti algum pecado mortal do sacerdote na Confissão? Profanei o Templo, os objetos ou as...

Desde o Concílio Vaticano II, a religiosidade popular tem sido promovida e até exaltada como expressão legítima da fé nos leigos. E é claro que não se pode, nem se deve, negar ou fazer uma alteração total de tal realidade e efeitos espirituais positivos para as almas; almas que, talvez por esse meio, tenham sido integradas à vida sacramental...