Se sou Padre, onde está a minha honra?

15/04/2024

Um bispo anglicano, referindo-se ao protestantismo, disse que ele consiste em acreditar em tudo o que você quer e fazer tudo o que você acredita. O protestantismo aceita essa afirmação sem surpresa, porque é a realidade de sua doutrina. Ele não sabe indicar o que é necessário para ser cristão, aliás, sustenta que é inútil saber. Não tem símbolo de fé, não tem culto litúrgico fixo. Eles variaram, e estão constantemente variando na fé entre si, e, portanto, sua adoração também é uma variação constante.

Por P. Juan Manuel Rodríguez de la Rosa 

A fé no protestantismo é reduzida a opiniões pessoais e individuais, e por mais opostas que sejam, e elas estão entre as várias comunidades protestantes, seu culto é a expressão comum dessas opiniões.

No máximo, o protestantismo dirá que a verdade está contida na Sagrada Escritura, mas sem saber que verdade é ser cristão, pois eles a interpretam de acordo com sua própria conveniência. Quão apropriadas são as palavras de Santo Agostinho quando diz: Evangelio non crederem ni si me Católicoæ Ecclesiæ movert auctoritas. Eu não poderia acreditar na divindade do Evangelho se a autoridade da Igreja Católica não dissesse que ele é autêntico e divino.

A religião católica está sujeita à interpretação da tradição.

Uma religião revelada como o catolicismo não pode ser professada sem se submeter a um intérprete qualificado e autorizado, e isso é tradição. O protestantismo, ao romper drástica e dramaticamente com a tradição católica e a autoridade que ela representa, e com a autoridade do sucessor de Pedro, viu-se sem intérprete autorizado além do próprio indivíduo.

Queridos irmãos e irmãs, vivemos momentos de surpresa, perplexidade e choque na Igreja. Ainda não saímos do espanto do que uma série de pastores nos disse sobre os dons da homossexualidade, os aspectos positivos das uniões civis..., e nos encontramos agora que eles nos dizem que não devemos evangelizar aqueles que professam outras religiões e pertencem a outras religiões. Dizem que devemos respeitá-los e deixar o Espírito Santo agir. Mas não dizem como ele vai agir se quem tem que falar se calar! Se o Espírito Santo é o Espírito da Verdade e do Amor, Ele vai querer que aquele que está em erro permaneça Nele? Não é o próprio Espírito Santo que nos impele a falar, a evangelizar?

Eles dizem, também, que a Verdade tem sua própria força irradiadora, mas não dizem como a Verdade se expande se não tiver ninguém para fazê-lo. Como a Verdade da fé católica se espalhou por séculos senão através da pregação? E agora devemos nos calar? É esta a Nova Evangelização?

Que estranho e preocupante. Por que ouvimos isso na Igreja? Por que nos dizem o que dizem sobre o sacramento do matrimônio e a moral católica sobre a evangelização? Só encontro uma resposta aceitável: distantes da tradição da Igreja, eles acreditam no que querem e fazem o que acreditam.

Onde está a autoridade da tradição que interpreta e sanciona o que se deve acreditar? Não é.

Se sou Padre, onde está a minha honra?.

Estou diante do altar de Deus e, sob Seu olhar atento, ouço-O dizer-me por meio do profeta Malaquias (1:6): Si pater ego sum, ubi est honor meus? Cheio de temor a Deus, respondo com profunda reverência: Vossa honra, Pai Eterno! Está no altar, é o Cordeiro Divino que é oferecido no Santo Sacrifício, é o Teu Filho Jesus Cristo, Salvador e Reparador da Tua Glória.

Pai eterno, você é glorificado pelo Santo Sacrifício de Seu Santíssimo Filho, dando-lhe toda honra e toda glória. Secundum nomen tuum, sic et laus tua (Sl. 47:11). Como teu nome, ó Deus, assim o teu louvor.

Ouço novamente o mesmo pedido: se sou Padre, onde está a minha honra? E é agora que penso na minha oferta pessoal. Se o Cordeiro Divino é toda honra e toda glória a Deus Pai Todo-Poderoso, o que representa a minha pobre oferta? Rapidamente tento "ver" minha vida sacerdotal e como minhas mãos estão manchadas pelos meus pecados. Acrescentarei mais pecados aos que já tenho, afastando-me da fé tradicional da Igreja, aceitando relacionamentos pecaminosos que sempre serão pecaminosos ou mantendo a Verdade de Deus em silêncio para aqueles que a rejeitam?

Dependerá de mim ouvir o seguinte: Munus non suscipiam de manu vestra (Mal. 1:10). Não estou satisfeito com as ofertas de vossas mãos. Que Deus Pai Todo-Poderoso nunca tenha que ouvir tais palavras! Proclamarei o Teu Nome e a Tua Glória em toda a terra, a todos os homens, a tempo e fora de tempo, oportuna e inoportunamente, com total desprezo pela minha vida, honra e fama! Não vou me calar.

Eu Honro Meu Pai.

São João Ego honorífico Patrem nos diz (Jo 8,49). Temos um grande nome dignamente venerado entre as nações, desde o nascer do sol até o seu pôr-do-sol, uma Vítima irrepreensível oferecendo-se para a Glória do Seu Nome: pois desde o nascer do sol até o pôr-do-sol Meu nome é grande entre as nações, e em todos os lugares um sacrifício fumegante e uma oblação pura são oferecidos ao Meu nome, pois grande é o Meu nome entre o povo (Mal. 1, 11).

Caro irmão sacerdote, há uma ocupação maior em nosso sacerdócio do que dar honra a Deus? Não pode haver, porque essa é a nossa maior preocupação! É Jesus Cristo no altar que diz de Si mesmo: ego autem sum vernis et non homo (Sl. 21:7). Mas eu sou um verme, não um homem. Como vou retribuir? E você? Não deveríamos ficar com lágrimas nos olhos diante do altar?

Jesus Cristo, depois de ter cumprido perfeitamente os planos do Pai, tendo ressuscitado e estando à Sua direita no Céu, agora parece estar se despojando de Seu estado glorioso, que Ele alcançou após Sua Ressurreição, e se escondendo sob a espécie vil, fazendo-Se presente para renovar Sua morte no Calvário. Este Cordeiro Divino ainda se deixa imolar místicamente pela virtude das palavras da consagração.

Diante dessa realidade que está presente todos os dias no altar, como vou me apresentar? Uma coisa sei: com absoluta fidelidade à tradição, ao Magistério que a tradição da Igreja me ensina. Esta é a Verdade que está presente todos os dias no altar do Santo Sacrifício da Missa.

Se sou Padre, onde está a minha honra: na fidelidade à tradição da Igreja Católica. Ave Maria Puríssima. (Fonte: El Español Digital)


Lutero talvez seja o principal motor da destruição do cristianismo no Ocidente. Mas obedeçamos a Cristo, que nos ordenou: «Não julgueis» (Mt 7, 1). Sua psicopatologia era tão grave que não é possível discernir em sua vida o que pode vir dela ou de um orgulho indizível assistido pelo Diabo. Ou ambos.

Com o título A Páscoa das Três Encíclicas, propomos recordar três importantes documentos promulgados por Pio XI no espaço de poucos dias, em março de 1937. Três encíclicas que foram dirigidas a todos os católicos do mundo e que ainda estão vivas hoje.

Certo dia Nosso Senhor Jesus Cristo estava pregando, quando Lhe trouxeram alguns meninos para que Lhes abençoassem. Os Apóstolos tentaram afastá-los, mas o Divino Mestre lhes disse: "Deixai vir a mim estas criancinhas e não as impeçais, porque o Reino dos céus é para aqueles que se lhes assemelham" (Mt 19, 14). E acrescentou: "Se não vos...

O oficialismo progressista instalado em Roma há mais de uma década continua sua política de "cancelar" aqueles que, com liberdade de espírito, fingem servir a Jesus Cristo a partir da Ortodoxia e da Tradição. O que se entende por "cancelar" são todas as formas de ignorar, conspirar para silenciar, marginalizar, proibir a publicação nos meios de...

Sodomia significa a prática de relações sexuais de qualquer tipo entre pessoas do mesmo sexo, sejam homens ou mulheres.