Santa Mônica

27/08/2023

"Quão importante é o papel de uma família coerente com as normas morais, para que o homem, que nela nasce e se forma, possa empreender inequivocamente o caminho do bem, sempre inscrito no seu coração" (João Paulo II, Carta às Famílias, 5).

Por Falaguera Remedios

A Igreja hoje recorda uma grande mulher: Santa Mônica, mãe de Santo Agostinho. Uma mulher-mãe a quem tenho grande devoção pela sua grande fé e pelo seu imenso amor materno. Uma mulher corajosa que "construiu sua casa em amor, viveu no santo temor de Deus e sempre fez sua vontade" (Pv 14:1-2).

De fato, afirmou Bento XVI, recordando a memória de Santa Mônica, "ele nunca deixou de rezar por ele e por sua conversão; E ela teve o conforto de vê-lo retornar à fé e receber o batismo. Deus ouviu as orações desta mãe de santo, a quem o bispo de Tagaste dissera: "Calma, é impossível que um filho de tantas lágrimas se perca".

Além disso, quando penso nela, penso naquela maravilhosa oração de uma mãe de V. Gillick que diz o seguinte:

"Fiz tudo o que estava ao meu alcance e aconselhei-vos da forma mais sábia possível. Não sei mais o que fazer, meu Deus. Agora é a sua vez. Você os ama muito mais do que eu posso amá-los, e você sofreu por eles mais do que eu posso sofrer, e seus erros vão machucá-los muito mais do que eu posso compreender. Guarde-os em seu amor; Guie-os, proteja-os e leve-os a um porto seguro de acordo com sua sabedoria e no momento certo."

"O que eu me tornei e como, devo isso à minha mãe!" dizia Santo Agostinho. E, como já disse em muitas ocasiões, as mulheres, conscientes da responsabilidade que carrega consigo o título de "guardiãs do ser humano", não hesitam em pôr em jogo as suas próprias qualidades para semear nos corações a grandeza, a beleza, a bondade e a verdade do rosto de Cristo. É isso que torna impossível escrever, por exemplo, a história de Agostinho sem se referir à sua mãe Mônica, como ela evoca em suas Confissões:

"É que a tua mão, meu Deus, no segredo da tua providência, não saiu da minha alma. É que, dia e noite, minha mãe vos ofereceu em sacrifício por mim o sangue do seu coração e as lágrimas dos seus olhos" (Conf., V, 10-13).

As últimas palavras de Mônica antes de morrer resumiram admiravelmente a tarefa essencial de toda mãe cristã: "Quanto a mim, meu filho, não desejo mais nada desta vida. Não vejo que tenho que fazer mais", disse ele, "nem por que deveria morar aqui; A esperança deste mundo desapareceu. Só uma coisa me fez querer a vida por algum tempo aqui embaixo. Eu queria antes de morrer vê-lo cristão católico. Deus me concedeu isso de espadas. Vejo que desprezais as alegrias terrenas para serdes Seu servo. O que estou fazendo aqui? (Conf, IX, 26). (Fonte InfoCatolica)

Sodomia significa a prática de relações sexuais de qualquer tipo entre pessoas do mesmo sexo, sejam homens ou mulheres.