Católicos verdadeiros correm grave risco de serem rotulados de cismáticos, diz bispo

25/08/2023

O corajoso bispo norte americano Joseph Strickland, mesmo após ter sua diocese inspecionada pelo Vaticano, escreve uma carta a todos os fiéis onde explica os riscos que os verdadeiros católicos correm, após o Sínodo, de serem tachados como cismáticos.

Nos últimos meses, o Vaticano tem intensificado sua guerra contra os tradicionalistas, que são aqueles fieis, padres e bispos, que seguem a verdadeira Igreja Católica criada por Jesus.

São os preparativos para o Sínodo dos Bispos que ocorrerá em outubro, onde pretendem modificar totalmente os ensinamentos tradicionais da Igreja, jogando no lixo os ensinamentos de Jesus, criando uma falsa igreja agradável ao mundo.

Conforme alerta o bispo Joseph Strickland, de Tyler, em carta pastoral, após as aberrações lançadas pelo referido sínodo, todos aqueles que não aceitarem as modificações, serão chamados de cismáticos, enquanto que os verdadeiros cismáticos são eles.

A carta é um documento em defesa da verdadeira Igreja Católica e um alerta para aqueles que ainda não entenderam o que vem acontecendo no Vaticano nos últimos anos, tendo inclusive o papa como chefe dessas modificações que vão diretamente contra a fé apostólica e os ensinamentos de Jesus. Eis a carta:

"Meus queridos filhos e filhas em Cristo:

Que o amor e a graça de Nosso Senhor Jesus Cristo estejam sempre com você!

Neste momento de grande convulsão na Igreja e no mundo, devo falar-vos com coração de pai para vos alertar sobre os males que nos ameaçam e para vos assegurar a alegria e a esperança que sempre temos no nosso Senhor. Jesus Cristo. A mensagem maligna e falsa que invadiu a Igreja, a Noiva de Cristo, é que Jesus é apenas um entre muitos, e que a Sua mensagem não precisa ser compartilhada com toda a humanidade. Esta ideia deve ser evitada e refutada em todos os momentos. Devemos partilhar a alegre boa notícia de que Jesus é o nosso único Senhor e que Ele deseja que toda a humanidade de todos os tempos seja capaz de abraçar a vida eterna Nele.

Uma vez que entendemos que Jesus Cristo, o Divino Filho de Deus, é a plenitude da revelação e o cumprimento do plano de salvação do Pai para toda a humanidade, em todos os tempos, e o aceitamos de todo o coração, então poderemos abordar os outros erros. que assolam a nossa Igreja e o nosso mundo e que foram causadas por um afastamento da Verdade.

Na carta de São Paulo aos Gálatas, ele escreve: "Estou surpreso que vocês tão rapidamente abandonem aquele que os chamou pela graça {de Cristo} para um evangelho diferente {não que haja outro}. Mas há alguns que te perturbam e querem perverter o evangelho de Cristo. Mas mesmo que nós, ou um anjo do céu, anuncie a você um evangelho diferente daquele que lhe anunciamos, seja anátema! Como já dissemos antes, e agora repito, se alguém vos pregar um evangelho diferente daquele que vocês receberam, seja anátema! (Gálatas 1:6-9)

Como seu pai espiritual, acredito que seja importante reiterar as seguintes verdades básicas que a Igreja sempre entendeu desde tempos imemoriais, e enfatizar que a Igreja existe não para redefinir questões de fé, mas para salvaguardar o Depósito da Fé, tal como tem nos foi transmitida, transmitida pelo próprio Nosso Senhor através dos apóstolos, dos santos e dos mártires. Mais uma vez, recordando a advertência de São Paulo aos Gálatas, qualquer tentativa de perverter a verdadeira mensagem do Evangelho deve ser categoricamente rejeitada como prejudicial à Noiva de Cristo e aos seus membros individuais.

Cristo estabeleceu Uma Igreja – a Igreja Católica – e, portanto, apenas a Igreja Católica proporciona a plenitude da verdade de Cristo e o caminho autêntico para a Sua salvação para todos nós.

A Eucaristia e todos os sacramentos são instituídos divinamente, não desenvolvidos pelo homem. A Eucaristia é verdadeiramente o Corpo e o Sangue, a Alma e a Divindade de Cristo, e recebê-la indignamente na Comunhão (isto é, num estado de pecado grave e impenitente) é um sacrilégio devastador para o indivíduo e para a Igreja. (1 Coríntios 11:27-29)

O Sacramento do Matrimônio é instituído por Deus. Através da Lei Natural, Deus estabeleceu o casamento entre um homem e uma mulher fiéis um ao outro por toda a vida e aberto aos filhos. A humanidade não tem o direito nem a verdadeira capacidade de redefinir o casamento.

Cada pessoa humana é criada à imagem e semelhança de Deus, homem ou mulher, e todas as pessoas devem ser ajudadas a descobrir a sua verdadeira identidade como filhos de Deus, e não apoiadas numa tentativa aleatória de rejeitar a sua inegável identidade biológica e dada: Deus.

A actividade sexual fora do casamento é sempre um pecado grave e não pode ser tolerada, abençoada ou considerada permitida por qualquer autoridade dentro da Igreja.

A crença de que todos os homens e mulheres serão salvos independentemente de como vivam as suas vidas (um conceito vulgarmente conhecido como universalismo) é falsa e perigosa, pois contradiz o que Jesus repetidamente nos diz no Evangelho. Jesus diz que devemos "negar a nós mesmos, tomar a nossa cruz e segui-lo". (Mateus 16:24) Ele nos deu o caminho, por meio de Sua graça, para a vitória sobre o pecado e a morte por meio do arrependimento e da confissão sacramental. É essencial que abracemos a alegria e a esperança, bem como a liberdade, que advêm do arrependimento e da humilde confissão dos nossos pecados. Através do arrependimento e da confissão sacramental, cada batalha contra a tentação e o pecado pode ser uma pequena vitória que nos leva a abraçar a grande vitória que Cristo conquistou para nós.

Para seguir Jesus Cristo, devemos escolher voluntariamente tomar a nossa cruz em vez de tentar evitar a cruz e o sofrimento que Nosso Senhor oferece a cada um de nós individualmente em nossas vidas diárias. O mistério do sofrimento redentor, isto é, o sofrimento que Nosso Senhor nos permite viver e aceitar neste mundo e depois oferecê-lo novamente em união com o Seu sofrimento, humilha-nos, purifica-nos e leva-nos mais profundamente à alegria de uma vida vivida ...em Cristo. Isso não quer dizer que devemos desfrutar ou procurar o sofrimento, mas se estivermos unidos a Cristo, ao experimentarmos os nossos sofrimentos diários, poderemos encontrar a esperança e a alegria que existem no meio do sofrimento e perseverar até ao fim em todo o nosso sofrimento. (cf. 2Tm 4,6-8)

Nas próximas semanas e meses, muitas destas verdades serão examinadas como parte do Sínodo sobre a Sinodalidade. Devemos apegar-nos a estas verdades e ser cautelosos com qualquer tentativa de apresentar uma alternativa ao Evangelho de Jesus Cristo, ou de promover uma fé que fale de diálogo e fraternidade, ao mesmo tempo que tentamos eliminar a paternidade de Deus. Quando procuramos inovar naquilo que Deus, em Sua grande misericórdia, nos deu, nos encontramos em terreno traiçoeiro. A base mais segura que podemos encontrar é permanecer firmemente nos ensinamentos perenes da fé.

Infelizmente, aqueles que discordam das mudanças propostas podem ser rotulados de cismáticos por alguns. No entanto, tenha a certeza de que ninguém que permaneça firmemente na linha de prumo da nossa fé católica é um cismático. Devemos permanecer descaradamente e verdadeiramente católicos, independentemente do que possa surgir. Devemos também estar conscientes de que não estamos a deixar a Igreja manter-se firme contra estas mudanças propostas. Como disse São Pedro: "Senhor, para quem iremos? Você tem as palavras da vida eterna." (Jo 6,68) Portanto, permanecer firmes não significa que pretendemos sair da Igreja. Em vez disso, aqueles que propõem mudanças naquilo que não pode ser mudado procuram dominar a Igreja de Cristo, e são, de facto, os verdadeiros cismáticos.

Exorto-vos, meus filhos e filhas em Cristo, que agora é o momento de garantir que permanecereis firmes na fé católica para sempre. Todos fomos criados para buscar o Caminho, a Verdade e a Vida, e nesta era moderna de confusão, o verdadeiro caminho é aquele que é iluminado pela luz de Jesus Cristo, pois a Verdade tem um rosto e de fato é o Seu rosto . . Tenha certeza de que Ele não abandonará Sua Noiva.

Eu ainda sou seu humilde pai e servo."  (link para a carta original)(Redação "Vida e Fé Católica)

Lutero talvez seja o principal motor da destruição do cristianismo no Ocidente. Mas obedeçamos a Cristo, que nos ordenou: «Não julgueis» (Mt 7, 1). Sua psicopatologia era tão grave que não é possível discernir em sua vida o que pode vir dela ou de um orgulho indizível assistido pelo Diabo. Ou ambos.