Querem tirar as cruzes dos cumes

27/06/2023

A notícia é certamente séria e não podemos ignorá-la. Segundo Il Giornale do dia 23, o Clube Alpino Italiano, a mais importante associação de montanhismo do país, manifestou-se contra as cruzes que coroam os cumes das montanhas. Segundo eles, a Cruz não expressa mais os sentimentos do povo italiano, e até causaria divisão. As montanhas – dizem – são de todos, e o crucifixo é permitido nos espaços privados, mas deve ser retirado dos espaços públicos, seja uma escola ou uma montanha.

Para começar, é preciso ter em mente que as montanhas italianas, desde os Alpes até os picos da Madonia siciliana, são encimadas por inúmeras cruzes. Muitos acreditam que o costume remonta a Leão XIII, que no alvorecer do século passado quis erguer em dezenove picos italianos (tanto quanto nos séculos anteriores à Redenção) tantas grandes cruzes ou monumentos devocionais para prestar uma homenagem grandiosa a Deus, Rei do universo.

Na verdade, o costume de colocar cruzes nos cumes tem mais de mil anos. Segundo o historiador Peter Danner, o primeiro a ser construído em um pico foi o Monte Olimpo, em Chipre. Alegou-se que era o do Bom Ladrão que foi crucificado ao lado de Cristo. Santa Elena, mãe de Constantino, teria encontrado em Jerusalém no ano 327 e levado para Chipre, onde seria guardado no mosteiro Stavrovuni.

As cruzes que se erguem no cume das montanhas exprimem sobretudo o domínio de Deus sobre a criação, mas são também o ponto de vista simbólico que sobe a montanha com esforço, uma metáfora da nossa vida, que ao chegar ao cimo se encontra na Cruz consolação e esperança.

A ideia de eliminar as cruzes é estúpida e faz parte do atual cancelamento da cultura , embora tenha sua origem em um debate iniciado há vinte anos, quando se falava da possibilidade de incluir uma referência às cruzes no Constituição Europeia Raízes cristãs do nosso continente.

Recordo que nessa altura, Josef Weiler, professor da Universidade de Nova Iorque, homem de religião judaica e de ideias progressistas, considerado um dos maiores estudiosos da integração europeia, evocou o relato bíblico dos homens encarregados da missão de explorar o Terra Prometida imaginando alguns turistas atuais "enviados para explorar a Terra Prometida Europeia". Como você descreveria isso? Vejamos as suas palavras: «Percorrendo a Europa, relatariam que em cada localidade habitada, mesmo nas mais pequenas aldeias, as lápides dos cemitérios teriam inscrições nas diversas línguas do continente, mas quase todas teriam a mesma identidade cristã. cruzar. Quem visitasse um cemitério veria a cruz representada sempre a mesma, imutável ao longo dos séculos: a mesma cruz aparece num túmulo do ano 1003 como num de 1503 ou num de 2003. Então eu diria que não há população de tamanho razoável que não tenha pelo menos uma igreja, às vezes mais de uma. Pelo menos na Europa Ocidental, onde a liberdade religiosa não é uma conquista recente e permitiu ao cristianismo se expressar ao longo dos séculos, entre outras formas na construção de templos. Embora em alguns lugares essas igrejas possam permanecer vazias durante a maior parte do ano, elas estão lá; muitas vezes em beleza majestosa e em posições de comando no meio do espaço público." (Josef HH Weiler, onde a liberdade religiosa não é uma conquista recente e tem permitido ao cristianismo se expressar ao longo dos séculos, entre outras formas na construção de templos. Embora em alguns lugares essas igrejas possam permanecer vazias durante a maior parte do ano, elas estão lá; muitas vezes em beleza majestosa e em posições de comando no meio do espaço público." (Josef HH Weiler, onde a liberdade religiosa não é uma conquista recente e tem permitido ao cristianismo se expressar ao longo dos séculos, entre outras formas na construção de templos. Embora em alguns lugares essas igrejas possam permanecer vazias durante a maior parte do ano, elas estão lá; muitas vezes em beleza majestosa e em posições de comando no meio do espaço público." (Josef HH Weiler,A'Europa Cristã. Um saggio exploratório , Rizzoli, Milão 2003, pp. 41-44, 93-94).

O que Weiler afirma sobre as cruzes nos cemitérios vale também para as das montanhas. Todos se identificam com a Cruz, mesmo os que não são católicos. A Cruz evoca um passado comum impossível de apagar, porque significaria apagar-nos a nós mesmos, com a nossa história e a nossa identidade.

Nos tempos cristãos que nos precederam, não houve acto ou cerimónia solene que não começasse com o sinal da Cruz, em nome da Santíssima Trindade. O sinal da cruz era feito nas portas das cidades, nos utensílios domésticos, nas bandeiras nacionais, nas coroas reais, nos hospitais, nas escolas, nos tribunais, nas sepulturas, nos campos e nas encruzilhadas e nos picos das montanhas. O mundo viu na Cruz um sinal de salvação, bênção, perdão, esperança, luta e vitória.

Uma guerra contra o Crucifixo está sendo travada atualmente na Europa, e não é apenas simbólica: trata-se da batalha em defesa da Cruz nos espaços públicos, e é sem dúvida também uma luta em defesa de nossas raízes cristãs. Ora, as raízes cristãs não são apenas uma coisa da memória e da história; são raízes vivas, porque a Cruz, síntese delas, é algo mais que um símbolo histórico ou cultural: é uma fonte atual e perene de verdade e de vida que se renova diariamente no Santo Sacrifício da Missa.

As cruzes dos cumes são mais do que o ponto de chegada simbólico para quem vira as costas à Terra para contemplar o Céu. Todos os homens são chamados a serem felizes participando eternamente da glória de Deus. E essa glória eterna tem suas raízes na Graça, e a fonte da Graça é a Cruz. A Cruz é fonte de felicidade temporária e eterna para os homens, as famílias e os povos que fizeram dela a sua bandeira. A Itália, a Europa, o Ocidente não têm futuro fora do Deus-Homem que nos redimiu na Cruz. (Fonte Adelante La Fe)

A Virgen do Carmo ou Nossa Senhora do Carmo é uma das devoções mais conhecidas e veneradas da Virgem Maria na Igreja Católica. Ela é considerada a padroeira dos marinheiros, pescadores, marinheiros e todos aqueles que enfrentam situações perigosas no mar. Esta devoção mariana, cuja origem remonta ao século XII, é geralmente representada com o...