Padres espanhóis lançam campanha para recolher assinaturas pedindo ao Papa que anule a Fiducia Supplicans

03/01/2024

A reação mundial de conferências episcopais, cardeais, bispos, sacerdotes e leigos contra o documento da Doutrina da Fé, redigido pelo cardeal Víctor Manuel Fernández e assinado pelo papa Francisco, goza de uma magnitude enorme, quase nunca vista até agora dentro da Igreja.

Por Javier Arias 

Depois de centenas de pronunciamentos públicos contra a declaração dos suplicantes da Fiducia, um grupo de padres espanhóis foi mais longe e lançou uma campanha para recolher assinaturas através da plataforma change.org para pedir ao Papa Francisco que suspenda este documento.

Os promotores desta campanha de recolha de assinaturas são o P. José Manuel Alonso Ampuero, sacerdote diocesano de Toledo, fidei donum em Lurin (Peru); P. Julio Alonso Ampuero, sacerdote diocesano de Toledo, fidei donum em Lurin (Peru); P. José María Cabrero Abascal, sacerdote diocesano de Toledo, Espanha; e o padre Antonio Diufaín Mora, sacerdote da diocese de Cádiz e Ceuta (Espanha).

Os responsáveis por esta iniciativa sublinham que, com este ato, procuram aderir "à verdade revelada, recolhida na Bíblia e na Tradição e interpretada pelo Magistério secular da Igreja". Eles também denunciam que "abençoar casais em situação irregular ou em coabitação homossexual, mesmo que extraliturgicamente, contradiz o plano de Deus".

Por isso, acrescentam, "em consciência não podemos aceitar o reconhecimento deste tipo de bênçãos". Por todas estas razões, estes sacerdotes "pedem filialmente ao Santo Padre que anule as súplicas Fiducia", insistindo em "rezar pela nossa conversão e a de todos para que possamos viver a caridade na verdade".

Com o Papa, sim; com o erro não

Em resposta à declaração "Fiducia supplicans", os iniciadores desta campanha apontam que são "um grupo de sacerdotes, leigos e consagrados, de diferentes lugares" que sentem "o dever de expressar filialmente, com todo o respeito, ao Santo Padre, a necessidade de que este documento seja retirado, tendo em vista a verdade, o bem da Igreja e a salvação das pessoas".

Dizem que, com esta iniciativa, procuram juntar-se a "tantos bispos que já expressaram a sua posição clara sobre este documento errado".
Por isso, "com um sentido de corresponsabilidade, a que o próprio direito canónico nos convida (cânon 212)", desenvolveram esta campanha para a qual convidam todos os que desejem juntar-se a eles.

O manifesto foi apoiado por muitos leigos, sacerdotes e consagrados de várias partes do mundo. Até agora, a iniciativa alcançou mais de 600 assinaturas em poucos dias. (Fonte: InfoVaticana) Assine o abaixo assinado aqui.

1-Já pratiquei superstição ou ocultismo? Acredito sem hesitação nos ensinamentos da Igreja sem criticar seus pastores? Recebi a Comunhão em pecado mortal? Recebi a Confirmação ou o Casamento em pecado mortal? Jurei desnecessariamente ou falsamente? Eu menti ou omiti algum pecado mortal do sacerdote na Confissão? Profanei o Templo, os objetos ou as...