Os Sacramentais: Água benta

13/04/2024
Um padre me disse que depois do Concílio essas coisas, água benta e assim por diante, não fazem sentido.
Dizei-lhe que leia a Constituição Sacrosanctum Concilium (60-61) do Vaticano II e que nos explique como o Concílio, que louva os sacramentais, pode ser desprezado e desaparecido.

 Por Padre José María Iraburu

A água benta é um sacramental, instituído pela Igreja, e usado com fé e devoção, purifica os cristãos de suas faltas veniais. As bênçãos de pessoas e coisas são acompanhadas por alguns sinais, sendo os principais a imposição de mãos, o sinal da cruz, água benta e incenso (Bênção 26). A água benta é constituída pela bênção do sacerdote ou diácono (ibid., 1224-1225) e, como todos os sacramentais, "o seu principal objectivo é glorificar a Deus com os seus dons, implorar os seus benefícios e retirar do mundo o poder do maligno" (ibid., 11).

A água benta "sempre gozou de grande veneração na Igreja e é um dos sinais frequentemente usados para abençoar os fiéis" e também objetos. "Evoca nos fiéis a lembrança de Cristo... que se deu a denominação de 'água viva', e que instituiu para nós o Batismo, sacramento da água, como sinal de bênção salvífica" (Ibid., 1223).

Os judeus não abençoavam a água, considerando-a, ao contrário de outros povos, uma criatura abençoada em si mesma, e davam-lhe um uso religioso como elemento de purificação. Uma ablução completa é prescrita antes da unção sacerdotal de Arão e seus filhos (Êx 29:4). E após o tempo do cativeiro, a água foi usada em Israel como batismo de conversão e purificação, semelhante ao de João Batista. Aqueles que se converteram confessaram seus pecados e, enquanto oravam, receberam do batizador a água purificadora (Mc 1:4,8; Mt 3,6,11; Lc 3,3,16,21). Na Babilônia, na Grécia, em Roma, também eram praticados ritos de purificação pela água. Tertuliano (+220) descreve os ritos de purificação de pessoas, objetos e lugares pela água, que eram costumeiros entre os romanos (De baptismo V).

O Livro dos Números fala de "uma água de expiação" que foi ritualmente preparada e usada (19:7-9). O livro dos Salmos reflete esse uso: "Polvilhe-me com hissopo, e eu serei limpo; lava-me, e serei mais branco que a neve" (Sl 50:9). E o Senhor promete: "Derramarei água pura sobre vós para purificar-vos; Eu vos purificarei de toda a vossa impureza e idolatria" (Ez 36:25). Na tradição bíblica de Israel, há muitos indícios de veneração pela água. O Espírito divino paira sobre as águas primordiais, dando vida através delas a todas as criaturas (Gn 1:2).
São as águas do dilúvio universal que matam o pecado da humanidade e a vida dos sobreviventes, que "foram salvos pela água", como diz São Pedro. Ela é uma figura do batismo em Cristo (1 Pd 3,18-21). As águas do Mar Vermelho, às quais Moisés dedica um hino, matam os egípcios e dão vida aos israelitas, antecipando assim também o batismo cristão (1 Cor 10,2). Atingida por Moisés, a Rocha no deserto a transforma em fonte, que dá vida aos que já estavam morrendo de sede (Nm 20:1-11); «E a Rocha era Cristo» (1 Cor 10, 4), de cujo lado saiu na Cruz «sangue e água» (Jo 19, 34). Agar e Ismael, no deserto, são salvos pela água que Deus lhes dá (Gn 21:14), assim como Naamã é libertado pela água de sua lepra (2 Reis 5:1ss). O profeta Ezequiel vê que do lado do Templo, para o leste, flui uma água viva que vivifica tudo em seu caminho (47:1-12).
Finalmente, é a água do Jordão, onde Jesus é batizado, que é o início do batismo cristão; é a água, como diz São Cirilo de Alexandria (+444), "o princípio do Evangelho", assim como já foi "o princípio do mundo" (Catequese III, 5). Deus usa a água do tanque de Betsaida para curar os enfermos (Jo 5,1-9). E Jesus ensina a Nicodemos que novos homens e mulheres devem nascer de novo "da água e do Espírito" (Jo 3, 5).

Desde o início, portanto, os cristãos sempre veneraram a água, vendo nela o início da primeira criação e o início da nova criação. Esta transformação do mundo pela graça de Cristo é eloquentemente anunciada em Caná, onde o Novo Adão transforma água em vinho (Jo 2, 1-11). No poço de Jacó, Jesus manifesta-se à mulher samaritana (Jo 4, 6), e depois a todo o povo, como fonte inesgotável de água que dá a vida eterna: «Se alguém tem sede, venha a mim e beba» (7, 37-39).

São Cirilo de Alexandria considera a água, na ordem da natureza, como "o mais belo dos quatro elementos" que compõem o mundo (Catequese III, 5). E na ordem da graça, sabemos que Deus escolhe a água não apenas como meio de salvação no Batismo, mas também como matéria indispensável da Eucaristia. Já em meados do século II, São Justino, ao descrever a celebração da Eucaristia, testemunha que ela é realizada com "pão, vinho e água" (I Apologia 67). Tertuliano (+220) refere-se ao lavar das mãos na celebração do sacrifício eucarístico (Apologia 39), rito, aliás, ainda vigente no Novus Ordo da Missa (n. 24), embora não sejam poucos os sacerdotes que o omitem, quebrando uma tradição de pelo menos dezoito séculos. "O padre, de um lado do altar, lava as mãos, dizendo em segredo: lava-me, domina, ab iniquitate mea, et a peccato meo munda me."

Não obstante a grande devoção dos cristãos à água, criatura sublime e sacramento da regeneração, a Igreja relutou inicialmente em estabelecer o sacramento sacramental da água benta, precisamente porque havia muitos ritos pagãos – egípcios, romanos, gregos, quase todos os povos antigos, incluindo a Índia – que usavam água lustral profusamente em seus ritos sagrados, quase sempre com sentido de purificação. Nesses ritos o uso de sal e outros elementos que eram misturados com água era muito antigo.

No início do século II, no entanto, a primeira fórmula conhecida para a bênção da água, misturada com sal, já é encontrada na Igreja, e é prescrita pelo Papa Santo Alexandre (105-115) para a aspersão de salas (A. Gastoué, Dict. Spiritualité IV, 1982). A água benta é, portanto, um dos muitos casos em que a Igreja, realizando historicamente um mistério da Encarnação, cristianiza – assume, purifica e eleva – antigos ritos pagãos, que também utilizavam água e sal. Com efeito, nenhuma religião tem tantas razões como o cristianismo para venerar a água e fazer dela, com a graça de Cristo, um dos seus sacramentais mais preciosos. Posteriormente, esta tradição é expressa com relativa plenitude nas Constituições Apostólicas (380), nas quais encontramos preciosas fórmulas para a bênção da água batismal (VII, 43), e também da água e do óleo (VIII, 29):

"É o bispo que abençoa a água ou o óleo. Mas, se ele estiver ausente, que o sacerdote o faça, assistido pelo diácono. Mas se o bispo estiver lá, que o sacerdote e o diácono o auxiliem. E que fique assim:
"Senhor dos mundos, Deus que é capaz de tudo fazer, Criador das águas e doador de óleo, Misericordioso e amigo dos homens, tu que das água para beber e purificar, e 'o óleo que alegra o rosto' [Sl 103:15] para nossa alegria e júbilo [Sl 44:8, 16], tu mesmo, agora, por meio de Cristo, Santifique esta água e este óleo, em nome daquele que os trouxe, e concedei-lhes o poder de dar saúde, de afastar doenças, de afastar demônios, de proteger a casa, de afastar quaisquer ciladas. Por Cristo, «a nossa esperança» [1 Tm 1, 1], por meio do qual vos é dada glória, honra e veneração no Espírito Santo para sempre. Amém."

O antigo sacramentário gelasiano (meados do século 7) continha oito fórmulas para a bênção da água. Alcuíno (+804) coletou cinco fórmulas, adicionadas ao sacramentário gregoriano-adriano, que o papa Adriano enviou a Carlos Magno (final do século 8). Essas orações foram mantidas no Ordo ad faciendam aquam benedictam do Ritual Romano até o ritual De benedictionibus (1984), composto pela Congregação para o Culto Divino e os Sacramentos, que exponho a seguir.

A bênção da água pode ser feita na Missa, como indicado na Benção (1224): "A bênção e aspersão de água é normalmente feita no domingo, de acordo com o rito descrito no [atual] Missal Romano" (Apêndice 1: Rito para a Bênção da Água e Polvilhar com Água Santa). Após uma breve saudação, uma das orações oferecidas no Missal, que expressa os efeitos próprios da água benta, diz o seguinte:

"Deus Todo-Poderoso, fonte e origem da vida da alma e do corpo, abençoe + esta água, que usaremos na fé para implorar o perdão de nossos pecados e obter a ajuda de sua graça contra todas as doenças e ciladas do inimigo. Concedei-nos, Senhor, pela vossa misericórdia, que as águas vivas brotem sempre salvadoras, para que nos aproximemos de vós com o coração limpo e evitem todo perigo da alma e do corpo. Por meio de Jesus Cristo, nosso Senhor. Amém."
Este rito prevê que, onde o "costume popular" o aconselha, "orito de misturar sal em água benta" deve ser preservado, com o sal sendo abençoado de antemão. Uma vez que a água é abençoada, o padre se borrifa com o hissopo e pode então dar a volta na igreja para ser pulverizado pelos fiéis. No Tempo Pascal, devido ao seu caráter batismal, este Rito é especialmente recomendado.

A bênção da água fora da celebração da Missa é organizada na Bênção de acordo com sua ordem própria: assinatura trinitária, saudação, admoestação, leitura da Palavra divina, oração de bênção (oferta duas possíveis), aspersão e despedida. Transcrevo uma das orações de bênção:

"Senhor, Santo Padre, volte o teu olhar para nós que, redimidos pelo teu Filho, nascemos de novo da água e do Espírito Santo na pia batismal; Concedei-nos, rogamos [ + ], para que todos os que recebem a aspersão desta água se renovem em corpo e alma e vos sirvam com pureza de vida. Por meio de Jesus Cristo, nosso Senhor. Amém."

Note-se que, enquanto o Missal Romano abençoa a mesma água com uma fórmula expressa e com o sinal da cruz, a bênção da Bênção não faz uma bênção direta da água como criatura, e não traz o sinal da cruz, que eu adicionei [ + ] em conformidade com o Decreto de 2002, ao qual já aludi (223). É por isso que considero mais aconselhável usar a fórmula abençoatória oferecida pelo Missal Romano do Novus Ordo, que é mais fiel à tradição.

As fontes de água benta nas paróquias e as fontes de água benta nos conventos e casas de família fazem parte do mundo cristão da graça há séculos, mas hoje desapareceram quase completamente nas Igrejas mais ou menos descristianizadas. Neles, a grande maioria dos batizados está habitualmente afastada – especificamente da Eucaristia e da Penitência sacramental – e se desprezam os sacramentos, a fortiori ignoram e desprezam os sacramentais. São pelagianos que, para seguir "o caminho aberto por Jesus", dependem apenas da sua vontade, não dos sacramentos, que para eles se tornam ritos mágicos. Ou são vagamente gnósticos, muito fracamente viciados nas fábulas de alguma ideologia do cristianismo, completamente descolados das Escrituras, da Tradição e do Magistério.

E é comum hoje que mesmo no pequeno remanescente de praticantes – não poucos deles voluntaristas semipelagianos, por falta de treinamento ou má doutrinação – a fé e a devoção à água benta tenham desaparecido. Agora, devemos reconhecer que o simples povo cristão normalmente permanece na fé da Igreja, na fé de todos os tempos – também nos sacramentais e na água benta – mesmo que viva a fé mais ou menos fielmente, se ela não lhes for tirada por certos sacerdotes, teólogos e liturgistas. Hoje em dia tiraram-na através de comentários depreciativos ou de um silenciamento sistemático dos sacramentais, o que os leva a desaparecer, porque não acreditam neles. (Fonte: InfoCatolica

Lutero talvez seja o principal motor da destruição do cristianismo no Ocidente. Mas obedeçamos a Cristo, que nos ordenou: «Não julgueis» (Mt 7, 1). Sua psicopatologia era tão grave que não é possível discernir em sua vida o que pode vir dela ou de um orgulho indizível assistido pelo Diabo. Ou ambos.

Com o título A Páscoa das Três Encíclicas, propomos recordar três importantes documentos promulgados por Pio XI no espaço de poucos dias, em março de 1937. Três encíclicas que foram dirigidas a todos os católicos do mundo e que ainda estão vivas hoje.

Certo dia Nosso Senhor Jesus Cristo estava pregando, quando Lhe trouxeram alguns meninos para que Lhes abençoassem. Os Apóstolos tentaram afastá-los, mas o Divino Mestre lhes disse: "Deixai vir a mim estas criancinhas e não as impeçais, porque o Reino dos céus é para aqueles que se lhes assemelham" (Mt 19, 14). E acrescentou: "Se não vos...

O oficialismo progressista instalado em Roma há mais de uma década continua sua política de "cancelar" aqueles que, com liberdade de espírito, fingem servir a Jesus Cristo a partir da Ortodoxia e da Tradição. O que se entende por "cancelar" são todas as formas de ignorar, conspirar para silenciar, marginalizar, proibir a publicação nos meios de...

O livro do Cardeal Víctor Manuel Fernández, Paixão Mística, Sensualidade e Espiritualidade, provavelmente teria sido colocado no Índice pela Congregação que hoje preside e sua leitura teria sido proibida aos católicos