Os bispos dos EUA pedem para pressionar os congressistas a proteger as crianças do uso indevido da internet

13/06/2023

Em 9 de junho, a Conferência dos Bispos Católicos dos Estados Unidos (USCCB) emitiu uma exortação aos católicos para que peçam a seus congressistas que abordem a exploração infantil e a corrupção de menores na Internet, que "ameaçam a segurança e o bem-estar de nossos jovens e destroem famílias e comunidades.

( Crux/InfoCatólica ) A exortação dos bispos dos EUA segue uma carta de 6 de junho enviada por quatro presidentes de comitês da USCCB ao Congresso sobre o assunto.

"A exploração infantil online ameaça a segurança e o bem-estar de nossos jovens e destrói famílias e comunidades ", escreveram. "A capacidade de uma criança crescer em paz e segurança é um direito humano e uma exigência para o bem comum: a dignidade da pessoa humana requer proteção para nossos jovens, para que possam prosperar à medida que amadurecem".

A carta foi assinada pelo Arcebispo Borys Gudziak da Arquidiocese da Filadélfia, presidente do Comitê de Justiça Doméstica e Desenvolvimento Humano da USCCB; Bispo James Johnston, Jr. de Kansas City-St. Joseph, presidente do Comitê de Proteção de Crianças e Jovens da USCCB; Bispo Robert Barron de Winona-Rochester, presidente do Comitê da USCCB sobre Leigos, Casamento, Vida Familiar e Juventude; e o bispo auxiliar Robert Reed, de Boston, presidente do Comitê de Comunicações da USCCB.

Os bispos destacaram a distribuição de pornografia infantil e a indução a atividades perigosas e autodestrutivas como duas das principais formas de exploração infantil. Eles também apontam que a pornografia e as representações de violência extrema são apenas alguns exemplos da "mídia destrutiva" que é facilmente acessível online e prejudicial aos jovens.

A carta aos líderes do Congresso chega pouco mais de um mês depois que a senadora Marsha Blackburn, republicana, do Tennessee, e o senador Richard Blumenthal, democrata, de Connecticut, introduziram uma legislação bipartidária para proteger as crianças online.

A Lei de Segurança na Internet das Crianças forçaria as empresas de redes sociais a tornar suas plataformas mais seguras para as crianças e fornecer aos pais recursos para proteger seus filhos online. Blackburn e Blumenthal introduziram a lei pela primeira vez em fevereiro de 2022. A versão mais recente do projeto de lei conta com apoio bipartidário. Foi co-patrocinado por mais de 30 senadores .

"A Big Tech provou ser incapaz de proteger adequadamente nossos filhos, e é hora do Congresso intervir", disse Blackburn em um comunicado apresentando o projeto de lei.

Blumenthal enfatizou os efeitos negativos das redes sociais na saúde mental.

"Níveis recordes de desesperança e desespero, uma crise nacional de saúde mental adolescente, foram alimentados por algoritmos de caixa preta apresentando distúrbios alimentares, bullying, pensamentos suicidas e muito mais", disse ele em um comunicado apresentando o projeto de lei.

À medida que o Congresso discerne as melhores maneiras de proteger as crianças online, os bispos da USCCB delinearam três princípios morais que incentivam os legisladores a manter em mente: respeito pela vida e dignidade, o chamado à família e o chamado à comunidade e à participação.

Sob o princípio do respeito à vida e à dignidade , os prelados se concentraram na pornografia e na facilidade com que as crianças na era digital de hoje podem acessá-la mais facilmente do que nunca. Os bispos reconhecem que eliminar a pornografia não é realista, mas dizem que deveria haver pelo menos uma legislação que "garantisse que causaria o mínimo de dano".

"Apesar dos esforços de pais cuidadosos, a tecnologia moderna criou um cenário de Internet aberto repleto de perigos para as crianças", escreveram eles. "Há uma necessidade imediata de salvaguardas eficazes para garantir que as crianças não possam acessar mídia inapropriada online".

Com foco no papel da família, os bispos indicam que, em um momento em que os pais enfrentam desafios crescentes para proteger seus filhos online, a legislação deve garantir "que eles tenham as ferramentas necessárias para monitorar a atividade online de seus filhos ". (Fonte InfoCatolica)

Lutero talvez seja o principal motor da destruição do cristianismo no Ocidente. Mas obedeçamos a Cristo, que nos ordenou: «Não julgueis» (Mt 7, 1). Sua psicopatologia era tão grave que não é possível discernir em sua vida o que pode vir dela ou de um orgulho indizível assistido pelo Diabo. Ou ambos.