O que a Igreja Ensina Sobre Barriga de Aluguel

23/02/2024

A notícia de que Ana Obregón, uma famosa atriz espanhola de 68 anos, adotou uma criança concebida por barriga de aluguel, levantou um forte debate entre aqueles que são a favor e contra essa prática. Aproveitando essa polêmica, tentarei explicar neste artigo as chaves da doutrina católica sobre o assunto.

Por Francisco José Delgado

Nesta matéria, como em muitos outros pontos da moral cristã, a Igreja defende verdades acessíveis à razão natural, mas fá-lo iluminada pela fé na Revelação. Por isso, essas questões são defensáveis diante de todos, mesmo diante daqueles que não têm fé, embora só possam ser compreendidas se aceitarmos os pressupostos antropológicos, inclusive os da razão, que nós, cristãos, defendemos.

Pressupostos antropológicos

  • O primeiro pressuposto é que o ser humano é diferente de qualquer outro animal e tem uma dignidade especial. O ser humano é uma unidade de corpo e alma, uma alma espiritual que é imediatamente criada por Deus para informar um corpo que surge da ação procriativa dos pais. Essa peculiaridade significa que a concepção humana não pode ser tratada como a concepção de qualquer outro animal ou planta, mas está sujeita a um respeito especial.
    O ser humano deve ser concebido como fruto do amor entre duas pessoas dentro da instituição do matrimônio, que assegura a possibilidade de seu crescimento e educação no mesmo quadro de amor em que foi concebido. Ao mesmo tempo, a procriação humana pressupõe a colaboração responsável dos esposos com o amor fecundo de Deus. O dom da vida humana deve realizar-se no matrimónio através dos actos específicos e exclusivos dos cônjuges, de acordo com as leis inscritas nas suas pessoas e na sua união.
  • O segundo pressuposto é que a vida humana começa na concepção, ou seja, a partir da união em uma nova célula embrionária de gametas humanos: o óvulo e o espermatozoide. Um embrião humano é, biologicamente, um indivíduo da espécie humana, o que o torna para todos os efeitos um ser humano. Desde a concepção, o embrião humano crescerá em um processo gradual até se tornar um ser humano adulto.
  • O terceiro pressuposto é que nem tudo o que é tecnicamente possível é moralmente bom. Há uma diferença importante entre a ciência natural, que implica um conhecimento da natureza, e a ciência técnica, que consiste em usar esse conhecimento para intervir na natureza, dominando-a. É sobre esse segundo ponto que um julgamento moral deve ser feito, porque a transformação da natureza pela tecnologia pode ser para o bem (por exemplo, curar uma doença) ou para o mal (por exemplo, criar uma arma biológica).

Em 1987, a Congregação para a Doutrina da Fé, o Dicastério Romano do qual o cardeal Joseph Ratzinger, futuro Papa Bento XVI, foi prefeito, publicou, com a aprovação de São João Paulo II, um documento fundamental para tratar de todas as questões decorrentes da procriação humana. Esta é a Instrução Donum Vitae. A maioria das citações que usarei são retiradas desta instrução.

O que é barriga de aluguel?

Para explicar as coisas com precisão, é necessário explicar em que consiste exatamente a barriga de aluguel, também chamada de barriga de aluguel. Em Donum Vitae, essa prática é referida como "maternidade de substituição", referindo-se a:

«a) Uma mulher portadora da gravidez de um embrião implantado no seu útero, que lhe é geneticamente estranho, obtido pela união de gâmetas de 'dadores', com o compromisso de entregar a criança, imediatamente após o nascimento, à pessoa que confiou ou contraiu a gestação;
b) Uma mulher que tenha nascido um embrião para cuja procriação tenha assistido com a doação de um óvulo próprio, fecundado por inseminação com o esperma de um homem que não o seu marido, com o compromisso de entregar a criança, após o nascimento, à pessoa que confiou ou contraiu a gestação.»

Vou usar o termo "barriga de aluguel" porque é o que está sendo usado agora na mídia para promover uma imagem favorável dessa prática. Desta forma, tentarei colocar a força nos argumentos e não na sensibilidade a que estas questões são habitualmente apeladas.

Dentro da controvérsia atual, a gestação de substituição costuma ser falada no primeiro sentido mencionado, ou seja, a mulher gesta em seu útero um embrião que foi produzido por fertilização in vitro em laboratório, com o compromisso contratual de entregar a criança às partes contratantes, submetendo-se a uma série de condições e recebendo, ou não, um pagamento pelo serviço de gestação da criança. Quando não há pagamento derivado da gestação, atualmente é chamada de barriga de aluguel altruísta.

É importante entender que, nos modelos atuais, em qualquer caso de barriga de aluguel sempre há um caso de fertilização in vitro como origem da barriga de aluguel. Isso é muito importante, porque essa prática reprodutiva é hoje muito aceita socialmente, mas a Igreja faz um julgamento muito negativo sobre isso, e o julgamento sobre barriga de aluguel não é separável do julgamento sobre fertilização in vitro.

O que é fertilização in vitro?

Muito grosso modo, é um processo em que uma mulher é hormonizada para produzir uma série de óvulos maduros que são coletados e armazenados. Um número de esperma também é coletado de um macho. Ambos os gametas são unidos em um laboratório para criar um embrião humano usando biotecnologia. Uma vez formado, o embrião pode se multiplicar até ser composto por várias células, algumas das quais serão extraídas para um estudo genético, uma espécie de "controle de qualidade". Se algum tipo de anormalidade for detectado nesse controle de qualidade, como uma trissomia cromossômica ou marcadores genéticos considerados indesejáveis, esse embrião humano será destruído. Dos embriões que foram considerados dignos de nascimento, um número será retirado e transferido para o útero da mulher, enquanto o restante será congelado para futuras tentativas, caso o primeiro falhe. Dos embriões transferidos, vários podem ser implantados, mas como se trata de uma procriação à la carte, os abortos seletivos geralmente são realizados até que reste o número desejado de filhos em gestação, geralmente um.

A Igreja, quando se trata de julgar moralmente essa prática, distingue se o material genético que dá origem à criança produzida in vitro pertence àqueles que serão os pais ou não. Se o material for dos pais, é chamado de fertilização in vitro homóloga. Se, por outro lado, for utilizada a doação de terceiros, falamos de fertilização in vitro heteróloga.

Devido à natureza da barriga de aluguel, a fertilização in vitro heteróloga ocorre em todos os casos.

O que a Igreja diz sobre a fertilização in vitro?

A fertilização in vitro heteróloga é um tipo de fertilização artificial heteróloga. Sobre a fertilização artificial heteróloga, seja inseminação ou fertilização in vitro, o juízo moral apresentado por Donum Vitae é muito claro:

«A fecundação artificial heteróloga é contrária à unidade do matrimônio, à dignidade dos cônjuges, à vocação própria dos pais e ao direito dos filhos de serem concebidos e trazidos ao mundo no casamento e através do casamento. [...]
Portanto, é moralmente ilegal para uma mulher casada fecundar com o esperma de um doador que não seja seu marido, bem como para a fecundação com o esperma do marido de um óvulo que não vem de sua esposa. Além disso, é moralmente injustificável fertilizar artificialmente uma mulher solteira, solteira ou viúva, independentemente de quem seja o doador.
O desejo de ter um filho e o amor entre cônjuges que aspiram superar a esterilidade que não pode ser superada de outra forma são motivações compreensíveis; Mas subjetivamente as boas intenções não fazem com que a fecundação artificial heteróloga se conforme às propriedades objetivas e inalienáveis do casamento, nem a respeitem os direitos dos filhos e dos cônjuges

Fica clara, portanto, a condenação da fertilização in vitro heteróloga, que está sempre na base da gestação de substituição. Esta consideração completa-se também com a avaliação da fertilização in vitro homóloga, ou seja, em que a mulher grávida recebe um embrião que é o resultado da fecundação do seu óvulo com um espermatozoide do marido. A classificação também é negativa pelos seguintes motivos:

  • Todos os processos de fertilização in vitro, mesmo que anunciados de outra forma, envolvem a destruição de embriões. Num processo natural é normal que os embriões se percam, mas neste procedimento técnico os embriões são intencionalmente destruídos quando não passam pelo controlo de qualidade genética a que são submetidos. Às vezes é prometido que em um procedimento desse tipo embriões viáveis não serão destruídos, mas esconde-se que os embriões considerados inviáveis o são porque possuem algum tipo de defeito genético que, em crianças concebidas naturalmente, não impediria o nascimento e a vida da criança, como, por exemplo, a síndrome de Down. Nenhum tecnólogo arriscaria transferir um embrião com esses defeitos, pois ele poderia ser responsabilizado pelo nascimento de uma criança com algum tipo de malformação. E ninguém encarrega uma criança de um laboratório para nascer com defeitos.
  • Além da destruição dos embriões, muitos outros irmãos da criança que eventualmente nascerão permanecerão congelados indefinidamente. Os embriões congelados são seres humanos de pleno direito, pelo que mantê-los nesse estado é uma afronta à sua dignidade inviolável. Seu uso em pesquisas médicas é condenável pelas mesmas razões já expostas.
  • Como já foi dito, a dignidade da pessoa humana exige que sua concepção se realize por meio dos atos próprios dos cônjuges dentro da instituição do casamento. A fertilização in vitro deixa essa concepção nas mãos do técnico que produz a criança por meio de um processo que poderia ser descrito como "fabricação". O fato de o filho concebido ser submetido a um controle de qualidade que vincula o fabricante e a permuta econômica necessária para pagar pelos serviços contratados, fazem com que esse tipo de técnica adquira as características de uma transação comercial, uma verdadeira compra e venda de um ser humano. Este último juízo não é usado pela Igreja, mas parece-me uma conclusão lógica do que foi dito acima.

Sobre a fertilização in vitro homóloga, a Igreja ensina o seguinte em Donum Vitae:

«O FIVET homólogo (fertilização in vitro com transferência de embriões) é realizado fora do corpo dos cônjuges através de gestos de terceiros, cuja competência e atividade técnica determinam o sucesso da intervenção; Confia a vida e a identidade do embrião ao poder de médicos e biólogos, e estabelece um domínio da tecnologia sobre a origem e o destino da pessoa humana. Tal relação de dominação é, em si mesma, contrária à dignidade e à igualdade que deveriam ser comuns a pais e filhos.
A concepção in vitro é o resultado da ação técnica que antecede a fertilização; Não é, de fato, obtido ou positivamente desejado como expressão e fruto de um ato específico da união conjugal. No FIVET homólogo, portanto, mesmo quando considerada no contexto das relações conjugais de fato existentes, a geração da pessoa humana é objetivamente privada de sua própria perfeição: isto é, a de ser o fim e o fruto de um ato conjugal, no qual os cônjuges se tornam 'cooperadores com Deus ao dar vida a uma nova pessoa'".

Procriação como domínio ou como dom

Neste último texto, destaca-se um aspecto muito importante no debate: a relação de dominação. Essas técnicas de reprodução são muitas vezes justificadas, até mesmo pelos círculos católicos, como uma forma de dar vida, algo que é sempre considerado bom. Trata-se de proporcionar aos pais o desejo certo para a sua própria prole, e a tecnologia permitiria satisfazer esse desejo. Deixando de lado o fato de que um desejo justo não pode ser satisfeito por nenhum meio possível, mas que esse meio também deve ser justo, uma enorme diferença entre o processo natural de procriação e o processo tecnológico de fertilização in vitro pode ser vista no fato de que, no processo natural, a relação dos pais com o filho concebido pressupõe o recebimento de um dom gratuito. um presente. No caso da produção técnica ou fabricação em que consiste a fertilização in vitro, há uma relação de dominação entre os pais e o filho concebido, como é o caso de algo que foi adquirido por dinheiro.

Isso é muito eloquentemente enfatizado por C.S. Lewis em sua famosa obra A Abolição do Homem. A chamada dominação do homem sobre a natureza por meio da tecnologia acaba se tornando, nessas práticas, um domínio do homem sobre o homem das gerações seguintes.

Indo além, uma vez justificado o uso da tecnologia para produzir seres humanos, nada pode impedir que o uso dessa técnica seja justificado para produzir seres humanos melhores, ou seja, seres feitos sob medida, de acordo com os desejos e demandas dos pais compradores. Também não seria censurável, seguindo o mesmo raciocínio moral, uma modificação essencial da natureza humana, que seria sempre feita com boas intenções, mas significaria que sucessivas gerações cairiam sob o domínio e a vontade daquela geração, a nossa, que teria decidido por sua pura vontade como as coisas deveriam ser.

O que a Igreja diz especificamente sobre a barriga de aluguel?

Todas essas avaliações morais entram na consideração da barriga de aluguel, embora ainda não se saiba o que exatamente a Igreja diz sobre esse modo de barriga de aluguel. Em resposta à pergunta sobre se a maternidade de substituição é moralmente lícita, o documento Donum Vitae responde:

"Não, pelas mesmas razões que levam à rejeição da fecundação artificial heteróloga: é contrária à unidade do casamento e à dignidade da procriação da pessoa humana.
A maternidade substitutiva representa o descumprimento objetivo das obrigações de amor materno, fidelidade conjugal e maternidade responsável; ofende a dignidade e o direito da criança de ser concebida, gestado, trazida ao mundo e educada pelos pais; Estabelece, em detrimento da família, uma divisão entre os elementos físicos, mentais e morais de que se constitui".

A Igreja, portanto, rejeita a gestação de substituição em si mesma e não apenas pela forma técnica como é realizada.

Hipótese pessoal sobre a separabilidade da FIV e da gestação de substituição

Creio, no entanto, que há aqui um ponto adicional a salientar.

Em si mesmas, a fertilização in vitro, que já dissemos ser moralmente inaceitável, e a gestação de substituição são dois factos diferentes. Quando a questão agora é desviada apenas para o fato de uma mulher ter o filho de outra pessoa, o objetivo é evitar muitas das questões já explicadas e focar apenas na legitimidade desse ato, ou se ele é feito por razões econômicas ou de forma puramente altruísta. Actualmente, por razões técnicas, é absolutamente impossível que uma gestação de substituição não se baseie numa fertilização in vitro imoral, mas poder-se-ia imaginar uma situação técnica no futuro em que se pudesse falar de outra situação.

Aqui me movo no campo da hipótese. Seria uma criança concebida no casamento naturalmente e gestada pela mãe que, devido a um problema médico, teve que ser transplantada para o útero de outra mulher. Isso é tecnicamente impossível hoje, mas, se fosse, eu me pergunto sobre as implicações morais do caso. Acredito que, nesse caso, falando de perigo de vida ou morte, essa prática poderia ser moralmente legítima. No entanto, para além deste caso, o acórdão da Igreja, suficientemente fundamentado, leva à conclusão de que, mesmo que fosse possível uma concepção natural e o transplante da criança concebida para uma mãe diferente, tal prática seria condenável porque viola os direitos da criança.

O ponto de considerar essa hipótese é deixar claro que, embora a barriga de aluguel seja atualmente claramente imoral devido à sua origem na fertilização in vitro, se pudesse ser feita de outra forma, a avaliação ainda seria seriamente negativa, independentemente de a barriga de aluguel ser altruísta ou feita por dinheiro.

Argumentos contra a barriga de aluguel que não são tão conclusivos

Do lado feminista, recebemos muitos argumentos sobre a dignidade da gestante que seria submetida a uma situação de violência quando é obrigada a se separar do filho que nasceu. Esses argumentos merecem ser levados em consideração, mas têm menos força moral do que a consideração da dignidade da criança concebida por esse meio. As feministas claramente caem em uma situação de contradição quando falam do direito de uma mãe sobre seu corpo de assassinar a criança que carrega em seu ventre, mas negam que uma mulher possa vender esse mesmo corpo para gestar o filho de outro. Ambos são igualmente condenáveis. As feministas também não rejeitam as técnicas de reprodução assistida que substituem os atos naturais dos maridos, de modo que, embora concordemos materialmente na oposição a essas práticas, as razões e a substância pelas quais o fazemos não poderiam ser mais diferentes.

Também não parece necessário perder tempo a considerar se as mulheres que se prestam a ser substitutas dos filhos de outras pessoas o fazem livremente ou por necessidade económica. É verdade que facilmente ocorrerão, e ocorrerão, situações de exploração nestas matérias. Mas a avaliação moral do fato não muda por causa dessa circunstância, embora a responsabilidade moral da mulher possa.

A dignidade das crianças concebidas através da gestação de substituição

É necessário esclarecer, para evitar dúvidas, que a Igreja defende a dignidade radical do ser humano, independentemente de como ele foi concebido. Ou seja, é precisamente por causa desta dignidade que se insiste em que os filhos sejam concebidos no casamento através dos actos naturais dos cônjuges, mas se assim não for, isso não significa que os filhos sejam desprezados devido à sua origem. Uma criança, independentemente de como foi concebida, deve ser amada e respeitada em seus direitos, um dos quais, aliás, é o direito de ter um pai e uma mãe unidos em amor estável, que é dado no casamento. Aqui a Igreja é plenamente coerente, ao contrário do mundo, que afirma, por exemplo, que porque uma criança foi concebida em estupro ou que não foi exaustivamente planejada por seus pais e, portanto, sua concepção é inesperada, essa criança é privada do direito à vida e pode ser morta impunemente. Note-se que alguns dos que apoiam a gestação de substituição se opõem ao aborto, mas isso seria incoerente devido à realidade da fertilização in vitro, como já explicamos.

O que fazer, então, no caso de uma criança concebida por meio de barriga de aluguel? Em primeiro lugar, qualquer discriminação ou assédio deve ser censurado. Há exemplos de crianças sofrendo bullying na escola por outras crianças (obviamente motivadas por seus pais por razões ideológicas) que as chamam de "bebês comprados". Isso é sempre condenável.

A Igreja acolhe estas crianças e não lhes nega o baptismo, desde que se cumpra a condição de uma fundada esperança de que serão educadas na fé católica. É claro que isso não leva a Igreja a esconder o mal do procedimento pelo qual essas crianças foram concebidas, mas, como já foi dito, essa culpa não recai sobre os filhos, mas sobre seus pais.

É claro que a legislação deveria criminalizar essas práticas, que são contrárias à dignidade do ser humano. Em Espanha, por exemplo, os contratos de gestação de substituição são considerados nulos, mas a fertilização in vitro é plenamente permitida, o que, como dissemos, partilha a maior parte da avaliação moral negativa.

O problema surge quando estas práticas são levadas a cabo em países onde a dignidade da pessoa humana não é protegida (neste caso, como acaba de ser dito, Espanha seria um caso) e depois pretende-se que os laços familiares sejam reconhecidos em países terceiros que não as permitam. Aí a questão é muito mais complicada e deve ser resolvida de forma prudencial. O segredo será buscar sempre o bem da criança, acima da vontade dos pais, levando em conta o direito da criança de ter pai e mãe unidos em uma relação conjugal, e que privar intencionalmente uma criança dessa situação será sempre injusto.

Costuma-se argumentar que há muitas crianças que, por diversos motivos, não têm pai ou mãe nas condições citadas acima. A resposta é que uma circunstância fortuita (a morte de um dos pais) ou decorrente de um problema conjugal como o divórcio não é o mesmo que o fato de que, desde o início, a criança é intencionalmente privada desse direito. Portanto, a adoção dessas crianças por casais homossexuais ou pessoas solteiras deve ser regida pela mesma lógica que no caso de qualquer outra criança, assunto que poderia ser tratado em outra ocasião.

Conclusões

Tentei esboçar neste artigo necessariamente longo a posição da Igreja sobre a controversa questão da gestação de substituição. É verdade que intercalei algumas impressões pessoais, mas creio que correspondem ao que a Igreja ensinou, especialmente na Donum Vitae e em outros documentos sobre a moral da vida. Consultar esses documentos é essencial para quem quer ter um conhecimento mais claro do que a Igreja ensina.

Alerto sempre para o cuidado de entrar num debate sobre questões que são discutíveis a partir da razão natural, mas sobre as quais o Magistério da Igreja, à luz da Revelação, deu indicações claras. É importante ter sempre em mente quais princípios o adversário aceita. Por exemplo, se não aceitarmos os pressupostos antropológicos que apontámos no início, o debate será totalmente contraproducente.

Os católicos, por outro lado, devem aceitar tanto os pressupostos quanto a autoridade do Magistério em questões morais. Infelizmente, é bem possível que, devido à pressão dos meios de comunicação, eles tenham se confundido em suas posições ou caído naqueles argumentos que apontei não respondem plenamente à abordagem moral católica. Espero que estas linhas lhes sejam de algum benefício. (Fonte: InfoCatolica)

 Livro recomendado

Sua extraordinária vida comprova que a heroicidade na prática da virtude pode chegar a suprir a ciência humana. Isso explica o aparente paradoxo de sua biografia, mostrando como a alta sabedoria de um taumaturgo analfabeto o tornou conselheiro de Papas e Reis. Sua festa litúrgica é celebrada no dia 2 de abril.