O padre Luis Petit, exorcista, analisa o grande perigo da normalização do demoníaco na sociedade

03/04/2024

"ALGUNS CASOS QUE SE APRESENTAM COMO TRANSTORNOS MENTAIS SÃO, NA VERDADE, INFLUÊNCIAS DEMONÍACAS" 

P. Luis Petit. Nasceu em Barcelona. Estudou no Seminário de Toledo e foi ordenado sacerdote em 2000. Em seguida, estudou a Doutrina Social da Igreja na Universidade Lateranense, em Roma. Ocupou vários cargos pastorais em Toledo até 2006, quando foi para o Peru, para a Prelazia de Moyobamba, onde esteve de 2006 a 2018. E de 2018 até hoje esteve na diocese de Barcelona em várias paróquias.

Por Javier Navascués

Como exorcista, você percebe uma grande normalização do demoníaco e satânico na sociedade, distorcendo a realidade sobre a natureza malévola do anjo caído?

Sim, o demoníaco é apresentado como algo agradável, como algo agradável, como algo atraente, e em vez disso as coisas de Deus e da religião são apresentadas como chatas, como se restringissem sua liberdade, etc. E isso é perigoso porque obviamente o diabo, como dizia Santo Inácio de Loyola, é inimigo da natureza humana. Ele sempre procura nos prejudicar.

Qual é o grande perigo de nos tornarmos solidários a um ser que busca nossa perdição eterna?

O grande perigo é que o diabo não brinque. Você pode pensar que ele é legal, legal ou mais engraçado, mas de uma forma ou de outra ele sempre vai te machucar. O diabo não brinca, não tem alegria e nem senso de humor.

É curioso que quanto menos se fala do diabo nos púlpitos, mais ele está presente na sociedade e sua presença tem se normalizado cada vez mais, na moda, nas tendências...

É verdade que há uma espécie de paradoxo entre a ausência de pregação sobre o diabo, especialmente na Igreja Católica, e sua presença constante no mundo secular. Camisetas, tatuagens, músicas, filmes, encantos, etc. Acho que responde ao fato de que o diabo, por um lado, quer permanecer escondido, mas por outro lado procura ser adorado e ser o centro das atenções. Ele resolve isso simulando sua presença como símbolo de rebeldia e anticristianismo, como se fosse apenas uma questão de estética. Mas por trás dessa tendência está ele mesmo. Devemos recuperar o ensinamento sobre este assunto, sem exageros, simplesmente sendo fiéis às Escrituras. Do Gênesis ao Apocalipse aparece a existência e a ação do diabo.

O jogo Let's Summon Demons é impressionante, que eu verifiquei que existe e não é um falso onde as crianças são claramente encorajadas a invocar esses seres do submundo...

Como eu disse antes, o diabo não joga. Qualquer semelhança de brincar com o demônio é muito perigosa. Além disso, pode haver casos de posse em crianças. É surpreendente, mas a partir do uso da razão, os pecados que abrem a porta para a posse podem acabar na necessidade de um exorcismo para uma criança.

Nos últimos anos, essa atração pelo mal é claramente percebida, por exemplo, na moda sinistra do Halloween, que é apresentado de forma amigável às crianças e infelizmente está se tornando uma tradição na Espanha...

Uma sociedade como a nossa, que renuncia às suas raízes cristãs, é obrigada a substituir as festas e celebrações por outras. E como estamos em uma era de dominação do mal e da cultura da morte, o mal e a morte são celebrados. As trevas são preferidas à luz, especialmente porque a luz revela más ações como Jesus diz.

Você também vê isso muito em séries e filmes, de Harry Potter a Crepúsculo, em que o ser maligno é apresentado de forma simpática e sedutora...

O diabo procura seduzir. Ele se apresenta sedutoramente para Eva. Ele nos é apresentado em Gênesis como uma serpente, o que significa que ele é furtivo, difícil de detectar sua presença, mas carrega um veneno de morte.

Jesus no deserto também é apresentado de forma sedutora. Ele até cita a Bíblia para cumprir seu propósito. Continuaremos sempre a ser tentados pela ideia de que Deus não quer a nossa felicidade. E isso vai ser apresentado de todas as formas possíveis: através de ideologias, através da literatura, através da música, e assim por diante.

Da mesma forma, muitos dos grandes ícones da música mundial, de forma sutil ou mais descarada, mostram uma certa adesão ao príncipe das trevas...

O tema da música é perigoso. E me parece que geralmente não está incluído na possível abertura de portas para uma ação de Satanás em nossas vidas. Se uma pessoa canta uma música onde pede repetidamente para o diabo vir até ela, há um perigo real de isso acontecer. Uma pessoa pode ser afetada por presenças diabólicas por causa das letras das músicas. O perigo não está em mensagens subliminares e coisas assim que às vezes são procuradas. Pelo contrário, o perigo está mesmo em fazer invocações diabólicas. Também podemos ser afetados por um tipo de mensagem que nos leva ao mal e ao pecado. Além disso, eu incluiria aqui um tipo de música que não é agradável. Deus ama a beleza e criou a natureza humana de tal forma que ela é atraída pela beleza. A rejeição moderna da verdadeira arte é também uma rebelião contra a natureza humana, dom de Deus.

No entanto, filmes como Nefaroius nos alertam para as verdadeiras intenções desse ser infernal...

Acho que esse filme faz um apelo legítimo para fazer o diabo falar e mostrar o que ele pensa. Insinuar que por trás de tantas leis e ideologias de nossos tempos há uma ação diabólica. A forma como o protagonista está possuído é um pouco exagerada, mas me parece um recurso legítimo, para fazer o diabo falar. Há também a figura do padre racionalista que não acredita nessas coisas. Mas é curioso ver como o diabo, até perceber que o sacerdote não acredita no diabo, tem medo do sacerdote e do seu poder. Esse ponto me pareceu muito real.

Nas grandes cidades é possível ver cada vez mais pessoas falando sozinhas ou gritando estranhamente, que porcentagens de casos podem ser devidas a algum tipo de influência demoníaca?

Creio que uma sociedade que está longe de Deus e rejeita a ordem natural é uma sociedade doente e doente. Há uma ação ordinária do diabo que é a tentação, que explica a loucura a que ele está conduzindo nossa sociedade ocidental. A natureza nunca perdoa. Rejeitar a ordem natural e a moral produz o adoecimento da alma. Mas, além disso, abrir a porta para o diabólico une essa sociedade doente com a presença do mal, em alguns casos com sinais preternaturais. É impossível dar uma porcentagem, mas não tenho dúvidas de que alguns casos que se apresentam como transtornos mentais são, na verdade, influências demoníacas. O ideal é que o psiquiatra seja capaz de reconhecer que existem diagnósticos que escapam às tipologias patológicas. Que ele percebeu que há algo errado ali. Evidentemente, um exorcista reconhece a existência de doenças mentais de origem natural.(Fonte: InfoCatolica)

1-Já pratiquei superstição ou ocultismo? Acredito sem hesitação nos ensinamentos da Igreja sem criticar seus pastores? Recebi a Comunhão em pecado mortal? Recebi a Confirmação ou o Casamento em pecado mortal? Jurei desnecessariamente ou falsamente? Eu menti ou omiti algum pecado mortal do sacerdote na Confissão? Profanei o Templo, os objetos ou as...

Desde o Concílio Vaticano II, a religiosidade popular tem sido promovida e até exaltada como expressão legítima da fé nos leigos. E é claro que não se pode, nem se deve, negar ou fazer uma alteração total de tal realidade e efeitos espirituais positivos para as almas; almas que, talvez por esse meio, tenham sido integradas à vida sacramental...