O órgão do episcopado italiano falsifica a doutrina católica sobre a homossexualidade

17/08/2023

Em resposta às dúvidas de um leitor, o jornal dos bispos falsifica os pronunciamentos finais da Igreja sobre o tema da homossexualidade e até Amoris Laetitia. Objetivo: legitimar a homossexualidade e a transexualidade sob o pretexto de acolher as pessoas. Tommaso Scandroglio explica isso em La Nuova Bussola Quotidiana. 

Por Carlos Esteban 

Francesca Abbona escreve ao jornal episcopal Avvenire, apontando uma distinção que o jornal da CEI parece nunca fazer: é bom acolher gays e transexuais, mas não esqueçamos de lembrar a verdade da Igreja sobre homossexualidade e transexualidade . 

Responde Luciano Moia, defensor oficial das questões LGBT da Avvenire. "Este é um problema delicado e complexo que ainda espera um estudo mais ponderado e sereno por parte da Igreja". Falso. Não é necessário esperar por nenhuma resposta, porque a Igreja já se pronunciou várias vezes de forma definitiva sobre o tema da homossexualidade, como atestam os seguintes documentos: «Apoiando-se na Sagrada Escritura, que apresenta as relações homossexuais como uma depravação grave, a Tradição sempre declarou que 'os atos de homossexualidade são intrinsecamente desordenados'" (Congregação para a Doutrina da Fé, Persona humana, n. 8). "Eles são contrários à lei natural. Em nenhum caso podem ser aprovados» (Catecismo da Igreja Católica, 2357); «Segundo a ordem moral objetiva, as relações homossexuais são atos desprovidos de sua regra essencial e indispensável. Eles são condenados na Sagrada Escritura como depravações graves e apresentados, de fato, como a consequência fatal de uma rejeição de Deus. Esta decisão […] atesta que os atos de homossexualidade […] não podem, em caso algum, receber qualquer aprovação" (Persona humana, n. 8); «A inclinação particular da pessoa homossexual, embora não seja em si um pecado, constitui contudo uma tendência, mais ou menos forte, para um comportamento intrinsecamente mau do ponto de vista moral. Por isso, a própria inclinação deve ser considerada objetivamente desordenada» (Congregação para a Doutrina da Fé, Carta sobre a pastoral das pessoas homossexuais, 3); "A tendência homossexual é um distúrbio objetivo [...] e recorda uma preocupação moral" (Congregação para a Doutrina da Fé, Algumas considerações relativas à resposta às propostas de lei sobre a não discriminação contra os homossexuais, 10); "As relações homossexuais são contrárias à lei moral natural" (Congregação para a Doutrina da Fé, Considerações sobre os planos de reconhecimento jurídico das uniões entre homossexuais, 4).

Esses julgamentos têm seu fundamento na Palavra de Deus. Entre os muitos lugares, mencionamos São Paulo, que também declara os efeminados excluídos do Reino dos Céus (cf. 1 Cor., 6, 10). Apoiando-se nesta proibição divina, o Concílio de Trento declara: «Defendemos o ensinamento da lei divina, que exclui do Reino de Deus não só os infiéis, mas também os fiéis impuros, adúlteros, efeminados, sodomitas, ladrões, avarentos, bêbados, maldizentes, gananciosos e todos os outros que cometem pecados mortais, dos quais com a ajuda da graça poderiam abster-se e pelos quais são separados da graça de Cristo» (Sess. VI, Decreto sobre a Justificação, cap. XV ).

Sobre a transexualidade, o Catecismo ensina que "cabe a cada um, homem ou mulher, reconhecer e aceitar a própria identidade sexual. [...] Além das prescrições médicas de caráter estritamente terapêutico, as amputações, mutilações ou esterilizações realizadas diretamente contra pessoas inocentes são contrárias à lei moral» (n. 2333 e 2297). Uma oposição que encontra sua raiz moral no Gênesis: "homem e mulher os criou" (1,26).

 Assim, ao contrário do que escreve Moia, o Magistério é claro sobre a homossexualidade e a transexualidade. Moia afirma que, depois que o Papa escreveu em Amoris Laetitia que "toda pessoa, independentemente de sua orientação sexual, deve ser respeitada em sua dignidade e acolhida com respeito" (250), abriram-se "cenários sem precedentes". Mas, na realidade, a Igreja sempre afirmou que os homossexuais devem ser bem-vindos (mas não a sua homossexualidade). (Fonte INFOVATICANA)

A Virgen do Carmo ou Nossa Senhora do Carmo é uma das devoções mais conhecidas e veneradas da Virgem Maria na Igreja Católica. Ela é considerada a padroeira dos marinheiros, pescadores, marinheiros e todos aqueles que enfrentam situações perigosas no mar. Esta devoção mariana, cuja origem remonta ao século XII, é geralmente representada com o...