O jogo de futebol é inapropriado para pessoas do sexo feminino?

23/05/2023

Pergunta — Fui algum tempo atrás visitar uma amiga que estava doente e a encontrei assistindo a uma partida de futebol feminino entre a seleção brasileira e a seleção inglesa. Nunca tinha visto mulheres jogando futebol e fiquei chocada pela brutalidade do confronto entre as duas equipes, a falta de feminilidade nas posturas das jogadoras e as atitudes que elas eram obrigadas a tomar para ganhar a partida. Padre, o que o senhor acha dessas moças que participam desse tipo de esporte?

Por Padre David Francisquini

Resposta Infelizmente está virando moda a competição de mulheres em eventos esportivos reservados outrora somente aos homens, precisamente por requererem a força e a resistência físicas próprias à compleição masculina e, mais ainda, uma atitude viril de desafio e dominação do adversário ou concorrente a qual não é condizente com a psicologia feminina, voltada para o carinho, a compreensão, a concórdia e a compaixão.

Pior ainda. Torna-se cada vez mais frequente ver competições em que as equipes são "unissex", ou seja, com jogadores de ambos os sexos. O resultado é que, como os rapazes com um pouco de cavalheirismo costumam moderar o uso da força para não agredir as moças, eles com isso se afeminam; e as moças, por sua vez, devendo desenvolver a agressividade em face dos rapazes, se masculinizam.

Dessa desordem gradual dos sexos — ainda favorecida pela confusão da aparência, na medida em que as moças quase não usam mais saias e cortam o cabelo curto, enquanto os rapazes deixam-no crescer até os ombros — resulta o aumento assombroso de adolescentes e jovens que sentem atração sexual por pessoas do mesmo sexo, ou, pior ainda, daqueles que não se sentem bem no próprio corpo e querem mudar de sexo por meio de tratamentos hormonais ou até mesmo por amputações.

O mais grave é o aumento vertiginoso de Estados que reconhecem um suposto "direito" à mudança de sexo nas certidões de nascimento — alguns até sem precisar de tratamentos ou documentação médica, baseando-se apenas na subjetividade da pessoa —, assumindo todas as consequências práticas, tais como homens "trans" usando vestuários e toaletes femininos e concorrendo com mulheres em esportes nos quais obviamente têm uma vantagem física sobre elas.

Menciono tudo isso porque, ao analisar uma realidade, não se deve olhar apenas para a situação do momento, mas prever o que vai resultar disso para o futuro. Basta pensar nas aberrações que já estão resultando dessa "confusão dos sexos" — comparável à "confusão das línguas" com a qual Deus castigou o orgulho dos construtores da Torre de Babel — para compreender a maldade da participação de moças em esportes inapropriados para elas, não somente pela brutalidade inerente aos mesmos, mas também pelas posturas vulgares e por vezes indecentes que esses exercícios requerem.

Ausência da mãe prejudica a educação dos filhos

Na origem de todos esses absurdos está o feminismo e o movimento da "emancipação da mulher", que se difundiram a partir da área de cultura anglo-saxã e recobraram força alhures após a Primeira Guerra Mundial. Sob o pretexto de igualdade entre homens e mulheres, esse fenômeno social revolucionário começou por tirar a mulher do lar e do cuidado prioritário dos filhos, para fazê-la concorrer com o homem na vida pública e nos locais de trabalho, inclusive em atividades não condizentes com a psicologia feminina, pela brutalidade das tarefas ou das situações que é preciso confrontar.

Duas propagandas das décadas
dos anos 40 e 50 demonstram
a mudança radical no ideal da mulher.

Nas sociedades tradicionais, enquanto os homens animavam a vida econômica e política, as mulheres animavam a vida familiar e social. Elas eram "donas de casa", ou seja, as verdadeiras "rainhas do lar"; criavam o ambiente da casa, organizavam as festas familiares e davam brilho à vida social e cultural da cidade. A saída da mulher do lar e sua masculinização psicológica pela concorrência com os homens na esfera pública e nos lugares de trabalho teve como consequência um empobrecimento da vida familiar e social.

A mais grave consequência disso foi o impacto sobre a educação dos filhos, que precisam da proximidade da mãe nos anos da infância e da adolescência. Se a mãe trabalha fora e chega cansada em casa depois de um dia de labuta, por mais que esteja animada dos melhores sentimentos em relação aos filhos, não lhes pode consagrar todo o tempo necessário requerido pela boa formação, nem cobri-los com o mesmo tipo de carinho delicado dispensado outrora pelas mães. Daí resultaram muitas das crises que hoje assolam os adolescentes e os jovens, que acabam procurando uma falsa compensação nos desvarios das discotecas ou das drogas.

Assim, o feminismo contribuiu para a evolução gradual rumo a uma sociedade "unissex", em que os papeis masculinos e femininos passaram a ser considerados meros estereótipos culturais impostos pelas estruturas patriarcais e destinados a prolongar a opressão cujas vítimas seriam as mulheres.

O nazifascismo promoveu o esporte feminino

Na área dos esportes, além do feminismo, quem mais contribuiu para a generalização de sua prática entre moças, inclusive com competições públicas, foram o fascismo e o nazismo com seu culto pagão ao corpo e à natureza, e sua proposta de uma imagem forte e moderna da "mulher esportiva" — uma das tantas expressões da "mulher nova" do fascismo e do hitlerismo. Il Littorale, jornal de propaganda esportiva do ditador italiano, escrevia que o ideal do regime era "permitir às moças praticar o esporte, para ter as futuras mães de uma prole sã para a Itália mussoliniana".

O Terceiro Reich alemão foi ainda mais radical: a propaganda hitlerista difundia imagens de ginastas masculinos de torso nu e ginastas femininas com shorts e camisetas apertadas que acentuavam a sua figura, abria piscinas comuns para ambos os sexos, ou, pior ainda, fomentava a perversa "cultura do nu" berlinense de Adolf Koch, assim como a emancipação das moças das Juventudes Nazistas, incluindo a anarquia sexual — desde que as relações sexuais fossem praticadas entre arianos puros a fim de oferecer filhos ao Führer.

No período entre-deux-guerres, pela convergência do movimento feminista de origem anglo-saxã e do movimento nazifascista, foram se impondo em todo o mundo modas cada vez mais imorais, tornando realidade a queixa, formulada poucos anos antes, por Santa Jacinta de Fátima: "Hão de vir umas modas que hão de ofender muito a Nosso Senhor." De onde a sua advertência: "As pessoas que servem a Deus não devem andar com a moda. A Igreja não tem modas. Nosso Senhor é sempre o mesmo."

Luta constante contra a permissividade dos costumes

Além do cinema e das revistas de moda feminina, os esportes serviram eficazmente para fazer com que as moças fossem aos poucos perdendo o pudor em mostrar as linhas de seu corpo, quando não o próprio corpo, ao usarem roupas que facilitavam a liberdade de movimentos requerida pelos exercícios.

No começo isso se dava em privado — seja nas escolas, que ainda eram separadas por sexos, seja na intimidade familiar, em jogos como o tênis. Mas aos poucos os concursos foram ficando cada vez mais públicos, chegando-se hoje ao cúmulo do exibicionismo, primeiro com a difusão de fotografias na seção de esportes dos jornais e, mais tarde, nas transmissões da televisão, com cenas em ângulo fechado que põem ainda mais em relevo partes do corpo que deveriam estar cobertas.

Ora, no Compêndio do Catecismo da Igreja Católica, publicado no pontificado de João Paulo II, está escrito, a respeito do 9° Mandamento da Lei de Deus: "A pureza exige o pudor, que, preservando a intimidade da pessoa, exprime a delicadeza da castidade e orienta os olhares e os gestos em conformidade com a dignidade das pessoas e da sua comunhão. Ela liberta do erotismo difuso e afasta de tudo aquilo que favorece a curiosidade mórbida. Requer uma purificação do ambiente social, mediante uma luta constante contra a permissividade dos costumes, que assenta numa concepção errônea da liberdade humana" (questão 530).

Diante do perigoso avanço da impudicícia por ocasião das competições esportivas femininas, a Igreja e o Vaticano não tardaram outrora em reagir. Por ocasião de uma exibição pública de ginástica feminina em Neuburg, em julho de 1927, o Núncio Apostólico e os bispos da Alemanha denunciaram que os exercícios realizados pelas moças entravam em choque com a moral católica e com o pudor feminino, bem como com sua constituição física.

Decadência moral própria aos jogos públicos e competições

Em maio de 1928, o regime fascista organizou em Roma o Primeiro Concurso Ginástico Atlético Nacional Feminino "Jovens Italianas". Em carta ao Vigário de sua diocese, o Papa Pio XI denunciou o evento: "O Bispo de Roma não pode deixar de deplorar que aqui na santa cidade do catolicismo, depois de vinte séculos de cristianismo, a sensibilidade e a atenção às delicadas considerações devidas às jovens se tenham mostrado mais fracas do que na Roma pagã, a qual, embora rebaixada a tal decadência moral, ao adotar da Grécia conquistada os jogos públicos e as competições ginásticas e atléticas, por razões de ordem física e moral de puro bom senso, excluiu delas as jovens, como haviam sido excluídas também em muitas cidades da mesma Grécia ainda mais corrupta."

Nesse mesmo ano, o Cardeal Sbaretti Tazza, Prefeito da Congregação do Concílio, ordenou uma grande investigação nas escolas e associações católicas, para coibir a difusão do uso de maiô de banho nas atividades esportivas e atléticas femininas, tanto em locais públicos quanto nos privados. O cardeal instruiu os bispos da Europa e da América que as moças que faziam ginásticas sem usar saia jamais deveriam praticar seus exercícios ao ar livre, nas ruas ou em eventos desportivos públicos. Mais ainda, os eventos atléticos para moças deveriam ser evitados ou, pelo menos, sérias precauções deveriam ser tomadas para proteger a moralidade católica e a decência da juventude.

As advertências das autoridades religiosas tiveram certo impacto nas famílias católicas, obrigando as associações esportivas a colocar restrições. Por exemplo, a Sociedade de Ginástica de Turim, o primeiro clube italiano de ginástica a abrir suas portas para mulheres, só conseguiu "o favor das mães e da opinião pública" ao garantir a "confidencialidade feminina", chegando a proibir a entrada nos treinos das moças, não apenas os homens, mas até os pais de família.

Denúncia contra as Competições Juvenis do Reich

Outra preocupação da Igreja era relativa aos esportes femininos violentos, que poderiam contrariar o natural desenvolvimento da feminilidade das moças. Nesses mesmos anos, o então Secretário de Estado, o Cardeal Eugenio Pacelli, ex-núncio em Berlim, denunciou a participação de mulheres em eventos esportivos públicos como as Reichsjugend Wettkämpfe (Competições Juvenis do Reich), alertando que a masculinização das mulheres punha em risco o papel futuro delas no matrimônio e na família.

Em 2019, o Vaticano apresentou
a sua primeira associação desportiva,
denominada "Athletica Vaticana",
uma equipe de atletismo composta
por padres, freiras e empregados da Santa Sé.
Segundo o Vaticano, com esta iniciativa
"se visa demonstrar que o desporte pode
ser um instrumento de solidariedade"

Essa preocupação foi compartilhada até pelo promotor das Olimpíadas modernas, o francês Pierre de Coubertin, que em carta de fevereiro de 1930 ao Papa Pio XI pediu-lhe que reiterasse a posição do Vaticano em relação aos espetáculos esportivos femininos e, em particular, condenasse tanto os esportes violentos para moças como aqueles através dos quais elas se masculinizavam ("montar a cavalo como os homens"), ajudando-o a acabar com algumas competições esportivas juvenis (individuais e coletivas) que, a seu ver, apresentavam tendências perturbadoras.

Essa posição severa do Vaticano em relação aos eventos esportivos públicos com participação de atletas do sexo feminino — acarretando, por exemplo, que a equipe italiana nas Olimpíadas de Los Angeles de 1932 não incluísse mulheres, por causa da oposição do Papa Pio XI — originou uma polêmica, em fins de 1933, entre L'Osservatore Romano, órgão oficioso da Santa Sé, e o já mencionado órgão fascista Il Littorale, que na época servia de porta-voz do Comitê Olímpico Nacional Italiano.

O jornal vaticano havia definido as exibições públicas de esporte feminino como "irracionais" e "moralmente danosas", enquanto ensinam "à mulher, à moça, não só o lançamento do dardo, mas de si própria", pelo que se veem "despojadas da sua graça e do seu pudor". Num artigo posterior, o jornal reprova que se exija de mocinhas realizar "exercícios não condizentes com a compostura e a graça femininas", sobretudo quando eles se "executam em público".

Como um jornal esportivo havia perguntado anteriormente "se são mesmo imorais esses tantos centímetros de pele que as modas bizarras do mundo inteiro mostram, a cada esquina, em todas as ruas", L'Osservatore Romano aproveitou a ocasião para replicar: "No caso, os 'centímetros' correspondem à nudez da maior parte do corpo, nas 'ruas' e nos estádios públicos."

O Comitê Olímpico respondeu que, de um lado, o regime fascista permitia apenas "aqueles exercícios nos quais, nos Jogos Olímpicos modernos, as mulheres foram admitidas com honra", ou seja, "florete na esgrima, patinação artística, ginástica coletiva, algumas provas de natação e tênis", e reiterava que "proibiu peremptoriamente apresentações públicas de futebol feminino, como já havia feito com o boxe no passado".

A respeito do escândalo moral, o Comitê punha sua esperança — inteiramente naturalista e desconhecedora do pecado original — na "maturidade" de um público "composto na sua maioria por esta nova juventude italiana", a fascista, "cuja modéstia instintiva e natural é em grande parte o resultado de uma saúde não falaciosa, adquirida ou restaurada mediante a prática de educação física".

As autoridades esportivas do regime reconheciam a possibilidade de que, nas arquibancadas das competições femininas, alguns homens "antiesportivos" — os "doentes" e os "viciosos" — estivessem à espreita para "surpreender algo visto e invisível (e muitas vezes apenas 'imaginado') que saciasse a sua miserável humanidade"; alegava, porém, que tais homens "infiltram-se por toda a parte", não só no estádio, mas também "na Casa de Deus".

Finalmente, para desacreditar o jornal do Vaticano, Il Littorale publicou uma carta enviada à direção, supostamente escrita por "algumas moças fascistas e ferventes católicas de uma cidade da Lombardia", alegando que depois que começaram a praticar esportes, não iam mais aos bailes ou ao cinema, nem se interessavam por frivolidades, um resultado moral muito bom, "mesmo que para nos movimentarmos melhor ponhamos calções de ginástica; as anáguas, aliás, sempre faziam cair as varas de salto em altura".

Adiantando-se um século aos jovens "unissex" de hoje, essas moças fascistas e pseudo-católicas dos anos 1930 argumentavam também o seguinte: "É estranho como os homens nos parecem diferentes quando se trata de esportes. Nunca os vemos como homens e eles nunca nos veem como mulheres: somos simplesmente camaradas tentando superar uns aos outros."

Terminavam a falaciosa missiva dizendo que um sacerdote escrupuloso do vilarejo havia reprovado sua prática esportiva, a qual podia servir de ocasião de mal a outrem, mas que "as nossas mães nos aconselharam então a ir a outro padre, mais moderno, que compreendesse melhor as necessidades dos jovens, e ele não só nos deu permissão como nos elogiou" — e, provavelmente, foi quem redigiu a carta…

O Brasil não ficou alheio a essa ofensiva a favor do esporte feminino. Nas festas juninas de 1921, houve uma partida entre senhoritas dos bairros Tremembé e Cantareira (na zona norte de São Paulo) noticiada pelos jornais da época como uma atração "curiosa", quando não "cômica". Porém, mesmo um grande promotor do futebol, o romancista maranhense Henrique Maximiliano Coelho Netto — pai do Preguinho, autor do primeiro gol brasileiro em copas do mundo, em 1930 — rejeitava energicamente o futebol feminino: "Certamente ninguém exigirá da mulher que jogue o football ou o rugby, que esmurre antagonistas com o guante de boxe, que arremesse barras de ferro, que se engalfinhe em luta romana. Há exercícios que lhe não são próprios e que lhe seriam prejudiciais, não só à beleza como à saúde e até a sujeitariam ao ridículo".

Entretanto, no Brasil também havia sacerdotes "mais modernos", como o respeitado Monsenhor José Severino da Silva, fundador do Orfanato de São José em Campos, que chegou a reunir moças para jogarem nos três maiores clubes de futebol do Norte Fluminense da época, num torneio para arrecadar fundos em benefício de sua obra!

Numa "Cruzada pela pureza", as palavras do Papa Pio XII

Infelizmente, a falange dos padres "mais modernos" era tão numerosa, já naqueles anos, que as advertências do Vaticano não conseguiram impedir que se difundissem as competições esportivas femininas em público, tornadas populares pelo regime de Mussolini.

Alguns anos mais tarde, o Papa Pio XII teve de reagir contra a onda crescente de despudor promovendo, por meio do ramo feminino da Ação Católica, uma "grande Cruzada da pureza", cuja guardiã é a modéstia, que ele definiu como "um respeito religioso pelo corpo que se expressa em um conjunto de disposições da pessoa, de maneiras, de porte, de palavras sabiamente reguladas e medidas". O Papa apresentou para as moças católicas o exemplo da mártir Vibia Perpétua no anfiteatro de Cartago, onde ao cair de costas na arena após ser lançada ao ar por uma vaca muito feroz, seu primeiro gesto foi endireitar a túnica, que havia sido rasgada, a fim de cobrir seu flanco, mais preocupada que estava com a modéstia do que com a dor.

Após essa introdução, o Papa prosseguia: "A moda e a modéstia devem andar e caminhar juntas como duas irmãs, porque ambas as palavras têm a mesma etimologia, do latim modus, ou seja, a medida certa, além e aquém da qual não se encontra o direito (Oraz. Serm. 1, 1, 106-107).

"Mas a modéstia não está mais na moda! Semelhantes àqueles pobres alienados que, tendo perdido o instinto de autopreservação e a noção do perigo, lançam-se ao fogo ou aos rios, não poucas almas femininas, esquecendo-se do pudor cristão por ambiciosa vaidade, enfrentam miseravelmente perigos onde a sua pureza pode encontrar a morte. (Fonte Agência Boa Imprensa https://www.abim.inf.br ) 

1-Já pratiquei superstição ou ocultismo? Acredito sem hesitação nos ensinamentos da Igreja sem criticar seus pastores? Recebi a Comunhão em pecado mortal? Recebi a Confirmação ou o Casamento em pecado mortal? Jurei desnecessariamente ou falsamente? Eu menti ou omiti algum pecado mortal do sacerdote na Confissão? Profanei o Templo, os objetos ou as...

Desde o Concílio Vaticano II, a religiosidade popular tem sido promovida e até exaltada como expressão legítima da fé nos leigos. E é claro que não se pode, nem se deve, negar ou fazer uma alteração total de tal realidade e efeitos espirituais positivos para as almas; almas que, talvez por esse meio, tenham sido integradas à vida sacramental...