Ninguém fez mais pelas mulheres do que a Igreja Católica

06/06/2024

Assim como dizemos 2.000 anos, poderíamos dizer 4.000. Ou seja, em toda a história da humanidade, os grandes avanços em favor da dignidade da mulher são obra da Igreja Católica. E, no entanto, quando o mundo organiza a grande farsa para exaltar suas conquistas em favor das mulheres, os sacerdotes permanecem em silêncio. Por que?

Por Padre Custodio Ballester Bielsa 

Bem, em primeiro lugar, porque muitos na Igreja aceitaram tacitamente (e em alguns casos explicitamente) a antropologia muito absurda que chamam de "progressista", segundo a qual o homem é bom e, portanto, inclinado ao bem por natureza. Embora então venha a forma mais avançada e matizada do progressismo, o feminismo, segundo o qual apenas as mulheres são boas por natureza e inclinadas apenas para o bem; enquanto o homem, sendo homem, está inclinado a fazer o mal contra a mulher. Uma antropologia tão absurda quanto a ideologia de gênero a que serve, em virtude da qual ser homem ou mulher ou entrelaçado não é um fato biológico, mas meramente cultural.

A antropologia cristã, que já não está na moda defender nem mesmo na esfera eclesial, é muito diferente:

Desde o pecado original, e precisamente por causa dele, as mulheres estão sujeitas aos inconvenientes de uma espécie tremendamente sobrecarregada pela inclinação a abusar da fraqueza, associada à inevitável domesticidade. Na classe dos mamíferos, ao aderirem às espécies que estão anatomicamente e etologicamente mais próximas de nós, quando as fêmeas se reproduzem, sofrem uma limitação óbvia e inevitável que as mantém confinadas ao seu ninho. E em todas as espécies, o papel do macho não é aproveitar essa situação de fraqueza da fêmea para subjugá-la e explorá-la, mas a natureza previu que em todas essas espécies o macho ajuda a fêmea a suportar aquela situação de fraqueza ou garantindo sua defesa a todo custo, ou mesmo ajudando-a no fornecimento de alimento aos filhotes. Não temos notícias de nenhuma espécie, absolutamente nenhuma, em que o macho se aproveite dessa situação de fraqueza da fêmea para submetê-la à dominação. A única espécie em que isso ocorre é a espécie humana. E é, claro, o macho que abusa da fêmea. Foi justamente a partir dessa estranha relação que se criou a inclinação do homem para dominar as mulheres (devido à sua situação de fraqueza) e também os homens, sempre que podia tirar proveito de sua eventual situação de fraqueza. Este é o grande pecado da espécie humana, uma vez que desobedeceu a Deus (e certamente também à natureza) no Paraíso.

E, a partir deste ponto, a Igreja tem feito os esforços mais espetaculares e eficazes para combater essa má inclinação do homem, ajudando as mulheres a recuperar (já que estavam totalmente perdidas no Império Romano) sua dignidade e liberdade.

Tão verdadeira era a má inclinação do homem mais forte para abusar dos fracos em longa escala, na parte mais baixa da qual a mulher sempre esteve; Tão verdadeira era essa inclinação a abusar dos fortes em detrimento dos fracos, que o homem que precedeu o cristianismo não podia pensar em outra coisa senão instituir a escravidão. Se o homem não estivesse inclinado ao bem por natureza, como diz a antropologia progressista, sua coisa teria sido o assassinato diretamente e, se possível, após a tortura. É assim que dizem que ele era o antropólogo menos inclinado a teses progressistas. Eles dizem que a escravidão representou uma grande melhoria em relação à situação anterior. Certamente, o homem fez tudo o que pôde para ser expulso do Paraíso. Coisas ainda mais terríveis são ditas por antropólogos que não usam o focinho do progressismo.

O fato é que a história nos oferece um panorama horripilante no início do cristianismo sob o Império Romano: o número de escravos dobrou o de homens livres; e a dos escravos era muito maior, porque seu destino preferido era o de estímulo sexual para os escravos, ou seja, ou seja, a prostituição. Pouquíssimas mulheres da classe escrava tinham o status de concubinas fixas de uma escrava. E nenhum escravo gozava do direito de família, que era reservado à ínfima minoria de mulheres livres. Os escravos, portanto, não tinham nem pais, nem irmãos, muito menos filhos. Se engravidassem e dessem à luz, tinham filhos que eram propriedade do senhor e ele os dispunha em seu benefício.

Pois nessa situação chega o cristianismo e institui o Matrimônio (o nobre ofício de mãe) reservado às mulheres livres, com caráter universal para todas as mulheres. E a constitui por desígnio divino, em sacramento. Isto é, um sinal visível da acção invisível, mas real, do próprio Deus, que faz da união do homem e da mulher um sinal indelével e definitivo do amor de Cristo pela sua Igreja... até que ele se rende por isso.

Não foi nada fácil, mas conseguiu. Não foi uma solução perfeita (já que nenhum trabalho humano é); mas melhorou a condição geral das mulheres, sem distinção social, de uma forma que nunca foi superada. Nenhuma outra instituição foi capaz de dar a cada mulher a dignidade que a própria Igreja lhe deu.

Claro que viemos da escravidão, e é claro que muitos homens tentaram manter a condição da mulher como escrava no casamento. A inércia nessa direção era terrível. E, no entanto, a Igreja foi capaz de lutar firmemente contra essa inclinação e salvar o casamento cristão por quase dois milênios. Enorme épico.

E agora vêm aqueles que sonham em devolver as mulheres à estaca zero, mais uma vez destinadas exclusivamente a manter escravas, fiéis aos seus novos donos, sem o direito à maternidade, que as desviaria de sua função principal, e sem nada que se assemelhe à dignidade que o cristianismo lhes deu, Bem, o que você quer que eu lhe diga, para outro cachorro com esse osso.

Ao longo da sua história, o cristianismo tem sido um hino à dignidade da mulher: começando com a singular exaltação da Mãe de Deus (fenómeno a cuja dimensão cultural e antropológica vale a pena dedicar uma tese de doutoramento) numa infinidade de evocações e mistérios, e continuando com as mulheres incomensuráveis que contribuíram para salvar toda a humanidade – no matrimónio ou na virgindade – em grau muito maior do que tantas homens a quem prestamos as honras das enciclopédias com muito menos mérito do que essas mulheres que o cristianismo deu às mulheres e à humanidade.

Sem pretender ser exaustivo, eis uma lista de mulheres que dão cem voltas àqueles modelos que aqueles movimentos que parecem destinados a mergulhar as mulheres na escravidão, na indignidade e na miséria humana tentam nos oferecer hoje: Clara de Assis e Catarina de Sena, a rainha Edviges e Edith Stein. Teresa de Lisieux e Teresa de Ávila, Isabel a Católica, Maria de Padilla e Agostinho Saragoça, Joana d'Arc e Isabel de Portugal.... Eles, pela fé, conquistaram reinos, fizeram justiça, obtiveram promessas, pararam a boca dos leões, apagaram fogos ferozes, escaparam da ponta da espada, se puseram no poder, sendo fracos, tornaram-se fortes nas batalhas, puseram exércitos estrangeiros em fuga (Hebreus, 11). Terão de invejar os homens se não deixarem de ser eles mesmos, como vieram do coração de Deus? Que Ele os abençoe e guarde para nós. (Fonte: El Español Digital)

Por causa destas coisas da Providência tive a oportunidade de visitar em Roma a igreja de Santa Maria dei Mártires, mais conhecida no mundo pelo nome pagão Panteão. Este templo tem seu início sob o imperador Marco Agripa, e foi concluído por ordem do imperador Adriano. A expressão Panteão significa "templo de todos os deuses", o que é bem...