Não é homossexualidade, engano

14/10/2023

O alarme gerado pelo sínodo se concentra, infelizmente, em questões concretas, se a Igreja deve mudar a doutrina sobre isso (relações homossexuais) ou sobre aquilo (sacerdócio feminino). Mas o que é verdadeiramente alarmante é admitir que a doutrina perene pode mudar.

Por Carlos Esteban 

As questões concretas desviam o foco do essencial do debate sinodal. Pois o perigo não é principalmente que uma nova doutrina sobre os pecados da carne ou sobre o sacerdócio exclusivamente masculino seja aceita: o perigo é que se aceite que a doutrina perene é, na realidade, mutável e mutável.

Não é preciso ser um lince para perceber que as questões cuja reforma ameaçam coincidem desconfiadamente com as obsessões ideológicas do pensamento dominante no Ocidente. Hoje o mundo não pode permitir que ele coloque a bondade absoluta de qualquer arranjo sexual, assim como não tolera a menor insinuação de que homens e mulheres podem ter naturezas diferentes. Portanto, parece claro que, ao sublinhar essas discussões, a Igreja está permitindo que o mundo (em um sentido teológico) imponha a agenda sobre ele.

Mas, sendo aterrorizante, esse também não é o ponto. Para entender o cerne da questão, peço ao leitor que esqueça as questões concretas em questão, que abstraa do que ele pode pensar da moral sexual católica ou da natureza do sacerdócio e que se junte a mim em uma alegoria.

Imagine que surge no mundo um grupo de pessoas que afirmam conhecer a Verdade, o essencial, aquele que determina a origem e o destino do universo e do ser humano. A base de sua certeza é que o próprio Deus os informou e eles apenas transmitem Sua mensagem. E esta mensagem contém uma doutrina sobre o que é e o que devemos fazer.

Digamos que um dos elementos dessa mensagem divina é que os ovos devem rachar na parte mais larga. Seus teólogos se esgotam em longos e intrincados argumentos para explicar esse mandamento com maior ou menor fortuna, mas em qualquer caso o mandamento faz parte da mensagem e assim é transmitido.

O tempo passa, o grupo tem sucesso considerável e, no final, seus líderes observam que a moda no mundo é quebrar ovos por sua parte mais fina, então, para expandir sua base, uma assembleia é convocada para decidir se muda ou não uma ordem aparentemente absurda.

Agora, escolhi uma regra patentemente absurda que facilita entender que o grupo da nossa história quer eliminá-la. As doutrinas católicas que eles querem modificar não são assim, mas vamos ignorar esse fato por um momento. O fato é que, se o grupo modificar o mandato e se juntar àquilo que parece ser a opinião mais sensata de deixar as pessoas quebrarem os ovos onde quiserem, ele pode ser deixado para morrer. Porque o que ele transmite com essa decisão não é que são pessoas razoáveis, misericordiosas e sensatas, mas que a única razão de se acreditar – que a mensagem não é deles, que é revelação do próprio Deus – é falsa. E, portanto, não há razão para continuar acreditando neles.

Apesar de todos os mal-entendidos e sutilezas jesuíticas que se quer empregar, alguns dos ensinamentos que são questionados neste sínodo têm sido doutrina clara e ininterrupta desde o início. Se para alguns Padres Sinodais parecem absurdas, significa que não acreditam que a doutrina católica seja uma transmissão fiel da Revelação Divina, mas sim a mudança de consenso de uma espécie de clube de debates, de uma grande ONG, de um partido político, de uma seita.

O resultado nunca seria uma Igreja de Cristo que agora diz o contrário do que diz ontem; o resultado seria a destruição da Igreja (se isso fosse humanamente possível) e de todas as razões para crer e continuar nela. (Fonte: InfoVaticana)

1-Já pratiquei superstição ou ocultismo? Acredito sem hesitação nos ensinamentos da Igreja sem criticar seus pastores? Recebi a Comunhão em pecado mortal? Recebi a Confirmação ou o Casamento em pecado mortal? Jurei desnecessariamente ou falsamente? Eu menti ou omiti algum pecado mortal do sacerdote na Confissão? Profanei o Templo, os objetos ou as...

Desde o Concílio Vaticano II, a religiosidade popular tem sido promovida e até exaltada como expressão legítima da fé nos leigos. E é claro que não se pode, nem se deve, negar ou fazer uma alteração total de tal realidade e efeitos espirituais positivos para as almas; almas que, talvez por esse meio, tenham sido integradas à vida sacramental...