Mais sábio que São Tomás

15/09/2023

Há algum tempo, escrevi um artigo intitulado "Melhor que Jesus Cristo", sobre a praga dos eclesiásticos que claramente se consideram mais misericordiosos, inteligentes e avançados do que o próprio Filho de Deus encarnado. Geralmente, é claro, eles não se atrevem a dizê-lo com essas palavras, mas o fazem com os fatos quando defendem que o Evangelho ou a fé e a moral reveladas por Cristo devem ser mudadas, o que é o mesmo que defender que eles sabem melhor do que Nosso Senhor o que o ser humano deve fazer. ou quando fingem que permitir o divórcio e outras imoralidades é muito mais misericordioso do que ser fiel ao que Jesus Cristo ensinou.

Por Bruno M.

Neste contexto, não é de estranhar que tenhamos também um Prefeito do Dicastério para a Doutrina da Fé que assume ser mais sábio do que São Tomás. Era inevitável que isso acontecesse mais cedo ou mais tarde. Digo isto com todo o respeito devido à sua dignidade episcopal e reconhecendo que, naturalmente, D. Fernández não o expressa dessa forma, nem terá consciência de que pensa assim, mas os factos são os factos e a verdade é que propõe exatamente o contrário de São Tomás e espera que acreditemos nele em vez do santo e Doutor da Igreja, algo que só seria explicado se ele fosse mais sábio do que ele.

De fato, dom Fernández garante que os bispos nunca devem fingir corrigir o Papa em questões de fé, porque "se me disserem que alguns bispos têm um dom especial do Espírito Santo para julgar a doutrina do Santo Padre, entraremos em um círculo vicioso (no qual qualquer um pode alegar ter a verdadeira doutrina) e isso seria heresia e cisma".

Isso é verdade? Os bispos devem permanecer em silêncio e nunca criticar algo que o Papa disse, porque fazê-lo seria cair em heresia e cisma? Vejamos o que São Tomás disse sobre o assunto (como fez toda a Igreja antes e depois): "no caso de um perigo para a fé ser ameaçado, os superiores devem ser repreendidos até publicamente por seus súditos" (S. Th., II-II, 33, 4). O inferior não só pode, como deve repreender publicamente um superior se ele falar contra a fé católica. E este é um princípio universal na Igreja, de modo que não só os bispos, mas também os simples sacerdotes ou mesmo os fiéis podem e devem rejeitar qualquer erro de fé, seja quem o defenda, mesmo que seja um papa. Mas é claro que Dom Fernández deve ser mais sábio que São Tomás e teremos que ouvi-lo e não o Doutor da Igreja.

E o que disse São Paulo? "Mas, se até nós, ou um anjo do céu, vos pregarmos outro evangelho contrário ao que vos pregamos, seja amaldiçoado" (Gl 1,8). Parece ser muito claro: se alguém diz algo contra a fé, mesmo que seja um anjo, um apóstolo ou, presumivelmente, um Papa, não devemos prestar a menor atenção a ele. São Paulo não disse: "Bem, se eu disser que sou apóstolo, então é válido". Ninguém, seja ele quem for, pode afirmar algo contra a fé na Igreja e, se o fizer, deve ser rejeitado.

Mas, se temos dúvidas, perguntemo-nos: o que fez São Paulo? Exatamente o que ele havia dito deveria ser feito. Quando o primeiro papa enganou os fiéis, retornando às práticas do judaísmo, São Paulo repreendeu publicamente São Pedro: "Eu disse a Cefas na presença de todos..." (Gl 2:14). Por que publicamente? Porque sua conduta havia sido publicamente escandalosa e ele estava enganando os fiéis. E não só repreendeu publicamente o Papa, como disse que o tinha feito na Carta aos Gálatas, que é a Palavra de Deus. São Tomás explicou esse fato dizendo que São Pedro deu assim humildemente um exemplo aos superiores para aceitarem a correção de seus inferiores se tivessem se desviado do bom caminho. Ou talvez devêssemos concluir que Dom Fernández é mais obediente que o apóstolo São Paulo e mais humilde que São Pedro, além de saber mais sobre a Igreja do que a própria Palavra de Deus.

E o que disseram os conselhos? O Terceiro Concílio de Constantinopla, por exemplo, condenou o Papa Honório por ter flertado com as ideias dos hereges monotelitas, condenação que foi confirmada pelo Papa São Leão e pelos Segundo Concílios de Niceia e IV de Constantinopla. Será que eles não sabiam que um Papa não pode ser corrigido em questões de fé? O Concílio Vaticano I, como se sabe, definiu as circunstâncias em que o magistério do Santo Padre é infalível. Não é preciso pensar muito para perceber que isso implica que há outro magistério papal que não é infalível e, portanto, pode estar errado se se afastar da Tradição e das Escrituras. E, se ele está errado, não deveríamos rejeitá-lo como São Paulo nos lembrou no parágrafo anterior? Bem, suponho que Dom Fernández conhecerá mais de quatro concílios ecumênicos.

O Concílio Vaticano I, aliás, refuta outra teoria de Dom Fernández expressa na mesma entrevista, na qual ele nos assegura que: "Quando falamos de obediência ao magistério, isso é entendido pelo menos em dois sentidos, que são inseparáveis e igualmente importantes. Um deles é o sentido mais estático, de um "depósito de fé" que devemos guardar e preservar incólumes. Mas, por outro lado, há um carisma particular para esta salvaguarda, um carisma único, que o Senhor deu apenas a Pedro e aos seus sucessores. Neste caso, não é um depósito, mas um dom vivo e ativo, que age na pessoa do Santo Padre. Eu não tenho esse carisma, nem você, nem o cardeal Burke. Hoje só o Papa Francisco tem".

Este duplo carisma é algo completamente estranho ao que foi definido pelo Concílio Vaticano I, que também o negou expressamente: "Assim o Espírito Santo foi prometido aos sucessores de Pedro, não para que pudessem, por sua revelação, dar a conhecer alguma doutrina nova, mas para que, com sua assistência, pudessem manter santa e expor fielmente a revelação transmitida pelos Apóstolos, isto é, o depósito da fé" (Concílio Vaticano I, Constituição dogmática Pastor Aeternus, 18 de julho de 1870). Qual é, então, o carisma de Pedro? A de manter a exposição santa e fiel do depósito da fé. Esse outro carisma de que fala dom Fernández, de que "não é um depósito" e que "age na pessoa do Santo Padre" parece ser, portanto, uma invenção, ou seja, uma daquelas novas doutrinas que o Concílio rejeitou expressamente.

E o que nos diz a história da Igreja? Quando o Papa João XXII afirmou que as almas dos justos só veriam Deus após o Juízo Final, ou seja, uma heresia, os teólogos de Paris, seus próprios cardeais e vários príncipes católicos se voltaram contra ele e até o ameaçaram com a estaca até que o Papa se retratasse de seus erros antes de morrer. Seu sucessor, Bento XII, definiu como dogma de fé a doutrina que seu antecessor havia negado, para que não houvesse dúvidas. Não sabiam que não se pode corrigir um Papa? O Papa Adriano VI ensinou que um papa pode errar em questões de fé e até ensinar heresia. Inocêncio III dizia que a fé é algo tão importante que, como papa, só poderia ser julgado se se afastasse dela. Vamos ouvi-los? Claro que não, teremos que acreditar antes que Dom Fernández sabe mais sobre a história da Igreja do que a própria Igreja e mais teologia do que o Papa Bento XII ou Adriano VI.

E o que os santos fizeram e disseram? Os exemplos são muitos. Santa Catarina de Sena, com muito carinho, lançou terríveis desavenças contra o Papa da época. São Roberto Belarmino, Doutor da Igreja, em De Romano Pontifice, falou da possibilidade de um papa cair em heresia (citando o caso de João XXII como heresia material) e considerou a opinião contrária como uma mera "crença piedosa". Santo Afonso de Ligório disse que, se o papa se envolvesse em heresia, ele seria privado do pontificado. E os teólogos? Muitos dos melhores teólogos ensinaram que o Papa poderia cair em heresia, pelo menos materialmente, mas também em muitos casos formalmente. Por exemplo, o cardeal Cayetano, Melchor Cano, Francisco Suárez, Domingo Báñez, Billuart, Juan de Torquemada, Billot, Ballerini ou Juan de Santo Tomás, para citar apenas alguns. Suas opiniões sobre como esse problema poderia ser resolvido eram muito diversas, mas o reconhecimento de que o problema poderia de fato ocorrer é comum entre os teólogos e todos defendiam que a heresia também deveria ser combatida se fosse afirmada por um Papa, porque é isso que a Igreja sempre ensinou sobre o assunto. O Decreto de Graciano, no século XII, afirmava que o papa não é julgado por ninguém, "a menos que se desvie da fé". De qualquer forma, suponho que podemos jogar os escritos de santos e teólogos no lixo, agora que Dom Fernández nos explicou as coisas muito melhor.

Tudo isto (e muitos outros exemplos que poderiam ser dados), naturalmente, não decide a questão de saber se é apropriado corrigir ou não um determinado Papa, o que é uma questão prudencial e em que é conveniente ser muito humilde e cauteloso, mas mostra sem dúvida que a ideia de que os bispos nunca devem corrigir o Papa em matéria de fé é completamente estranha ao ensinamento da Igreja à Igreja. Ao longo dos séculos.

Seria injusto concentrarmo-nos demasiado no pobre Bispo Fernández, que é simplesmente filho de um tempo em que a má formação é comum e está numa posição que o ultrapassa, porque o problema, como dissemos, é muito mais generalizado. Tendo a pensar que os católicos do futuro se maravilharão com o pensamento de nós e dirão que vivemos em uma época incrível, na qual não só temos clérigos mais misericordiosos do que o próprio Jesus Cristo, mas também são mais sábios do que São Tomé, mais obedientes do que São Paulo, e mais santos do que São Roberto Belarmino ou Santo Afonso de Ligório, e conhecem a fé melhor do que os Concílios Ecumênicos que a definiram. ou que a própria Palavra de Deus. Uma maravilha.

O que devemos fazer nesse momento? O que os católicos sempre fizeram: amar a Igreja, rezar muito pelo Papa e pelos bispos, ser fiéis à Tradição recebida e à fé da Igreja, rejeitar humilde mas firmemente tudo o que lhes é contrário e confiar em Cristo, que é o único Senhor da História. (Fonte: Infocatolica

(Obs. de Vida e Fé Católica: Dom Fernández é o novo prefeito do Discatério para a Doutrina da Fé escolhido recentemente pelo papa Francisco)

Sua extraordinária vida comprova que a heroicidade na prática da virtude pode chegar a suprir a ciência humana. Isso explica o aparente paradoxo de sua biografia, mostrando como a alta sabedoria de um taumaturgo analfabeto o tornou conselheiro de Papas e Reis. Sua festa litúrgica é celebrada no dia 2 de abril.