Lobos pastoreando

17/03/2024

Para todos os cristãos, sem excepção, o radicalismo evangélico é uma exigência fundamental e inalienável, que brota do chamado de Cristo a segui-lo e imitá-lo, em virtude da íntima comunhão de vida com Ele realizada pelo Espírito (Cf. Mt 8, 18ss; 10, 37ss; Mc 8,34-38; Lc 10,17-21, Lc 9,57ss). Exortação Apostólica Pastores Davo Vobis. S.H. João Paulo II. 1992.

Por Padre Juan Manuel Rodríguez de la Rosa 

Durante alguns dias, Maria notou que a Santa Comunhão que recebia era "diferente" de outras ocasiões. Foi falar com o pároco, disse-lhe que tinha notado durante vários dias que a Forma Sagrada tinha um "gosto" diferente de como sempre a recebera, e não se desfez facilmente, e o mais surpreendente é que estava quente. Ela não sabia o que estava acontecendo, pensava na ingenuidade e simplicidade dele que Poderia ser manipulado pelo padre. O pároco esclareceu-a das dúvidas, dizendo-lhe que foi uma graça muito especial que o Senhor lhe concedeu.

Ela pensou por um momento e, percebendo essa grande graça que estava recebendo, começou a chorar inconsolável e explodiu palavras de arrependimento: "Senhor, eu sou pecador, Senhor, eu sou pecador", enquanto ela caía de joelhos no banco. Maria tinha consciência da Misericórdia de Deus nela.

Quando a Misericórdia Divina age na alma, e a alma tem consciência disso, a reação é a mesma de Maria: consciência do pecado pessoal, dor da contrição, arrependimento e desejo fervoroso de não pecar novamente. Estamos diante da grande obra da Misericórdia de Deus: abrir os sentidos à alma para reconhecer seus pecados.

A Misericórdia Divina coloca a alma em sua realidade, torna-a consciente da realidade de sua vida, de sua realidade de pecado, de uma natureza ou de outra, e a resgata da escravidão do pecado. A alma que conheceu a Misericórdia de Deus, Uno e Trino, não pode permanecer no pecado, essa é a grande graça da Misericórdia.

Tentar falar da Misericórdia de Deus relacionando-a com realidades de pecado que permanecem inalteradas, onde não há arrependimento, mas continuidade naquela situação, é distorcer a Verdade de Deus, Sua Misericórdia infinita. É uma manipulação grosseira da Misericórdia Divina, é, em suma, uma ofensa a Deus. Uma ofensa terrível. Além disso, é um escárnio da Obra Redentora, um escárnio da Cruz de Cristo. Absolutamente ninguém que tenha experiência da Misericórdia de Deus permanece em pecado por mais um momento.

A Igreja, depositária da Obra de Salvação, indica o caminho de salvação traçado por Nosso Senhor, não pode elevá-lo sem falhar em sua missão. Os pastores seguem o Bom Pastor. Ele procura a ovelha perdida, aquela que está em pecado, e a chama, seja com uma graça ou com um flagelo. Tudo dependerá da dureza do coração, do apego ao pecado, dos laços da carne. E a ovelha arrependida é carregada nos ombros do Bom Pastor.

Mas podemos imaginar o lobo pastando? Sabíamos que um mau pastor é aquele que foge quando vê o lobo chegando. Mas sabíamos sobre lobos pastando? É possível o lobo começar a pastar? Podemos imaginar as consequências para as almas? Para a salvação das almas?

As consequências são trágicas, confusão, perplexidade, angústia. Muitas almas se perguntam: E onde estão os pastores para nos alertar? Não levantam a voz, não ouvem. Onde está a Água Viva que cura e satisfaz a alma? O que resta do radicalismo evangélico?

Como sairão de sua situação pecaminosa as almas que não são lembradas de sua situação pecaminosa, em primeiro lugar, e em segundo lugar, que estão em perigo de condenação. Nessas circunstâncias, a Misericórdia de Deus é impedida, não pode agir, porque essas almas são instruídas a permanecer em sua situação de pecado.

Não há ferida maior do que a do pecado. Essa é a grande ferida que deve ser curada, mesmo com tratamentos dolorosos, mas a salvação da alma está em jogo. Esta é a grande missão da Igreja: a salvação das almas. A Igreja tem a obrigação de advertir, admoestar e corrigir seus filhos que estão nessa situação, como um bom pai faria para o bem de seus filhos.

Estamos testemunhando uma nova linguagem, um novo modo de falar, que, esquecendo a salvação da alma, busca o bem-estar temporal. É uma língua que não estávamos acostumados a ouvir dos pastores, é a linguagem do mundo, não dos pastores das almas; pois quem não fala da realidade do pecado, da possibilidade de condenação, da necessidade do arrependimento, da santidade de vida, da pureza e da castidade, não fala em nome de Cristo.

Que situação angustiante, lobos pastando e pastores se escondendo. Não podemos fazer outra coisa senão nos apegar à Verdade recebida, a Verdade que não muda. É a única maneira de restaurar a paz e a esperança em nossas almas, fortalecê-las na fé que sempre tiveram, para que não hesitemos por um único momento no caminho da salvação.

Ó meu Jesus, uno-me às vossas súplicas, aos vossos sofrimentos, ao vosso amor permanente. Dá-me o teu coração que sente a mesma sede de almas consagradas a ti e restaura o amor e os afetos de todos... Permita-me ir a todos eles e que seu Coração os leve até eles, para que em seu contato o frio seja inflamado, os mornos se comovam, os perdidos se sintam chamados novamente, e as graças que rejeitaram voltem a chegar. Seu Coração está sufocado pela dor e amargura por ver não realizados, por sua incorrespondência, tantos desígnios que tivestes para eles, e por ver tantas outras almas, que deveriam ter vida e salvação através daquelas, que sofrem as tristes consequências... por isso, quero mostrar-lhes o vosso Coração tão amargo por causa deles, e lançar neles dardos ardentes do vosso Coração; Quero que ouçam as vossas súplicas e todos os vossos sofrimentos por eles, para que voltem arrependidos aos vossos pés e os vossos desígnios amorosos por eles se cumpram; eles estarão ao seu redor e em Ti, não mais para ofender-Vos, mas para reparar-Vos, consolar-Vos e defender-Vos (As Horas da Paixão. Luísa Piccarretta. pág. 180-181. Arca da Aliança). (Fonte: El Español Digital)

Comentários do Editor

Notícias diárias em nossos canais

A Virgen do Carmo ou Nossa Senhora do Carmo é uma das devoções mais conhecidas e veneradas da Virgem Maria na Igreja Católica. Ela é considerada a padroeira dos marinheiros, pescadores, marinheiros e todos aqueles que enfrentam situações perigosas no mar. Esta devoção mariana, cuja origem remonta ao século XII, é geralmente representada com o...