Ela trabalhou para a Planned Parenthood, mas desistiu, pediu perdão a Deus e se tornou pró-vida

11/12/2023

QUANDO DEUS TRANSFORMA VIDAS

Em depoimento emocionado durante uma marcha pró-vida em Malta, Patricia Sandoval, ex-funcionária da Planned Parenthood na Califórnia, relatou sua transformação de defensora do aborto em ativista fervorosa pró-vida.

(Uma ex-funcionária da Planned Parenthood que se tornou defensora da vida compartilhou sua história em uma marcha pró-vida em Malta no domingo.

A marcha foi organizada para celebrar a "sociedade e as leis pró-vida" de Malta, de acordo com o veículo local Newsbook Malta.

Patricia Sandoval, uma proeminente defensora pró-vida nos Estados Unidos, voou para lá para compartilhar sua história de redenção e cura com a multidão. Ela já foi uma mulher pró-aborto e trabalhou para a Planned Parenthood como enfermeira. Com o tempo, ela teve uma experiência de trabalho lá que mudou sua vida e sua opinião sobre o aborto.

Na Planned Parenthood, Patrícia foi advertida a nunca usar as palavras "bebê", "mãe" ou "feto" porque elas conferiam dignidade humana ao bebê. Em vez disso, foi-lhe dito para dizer "isso", um "saco de tecido" ou uma "massa de células". Durante o ultrassom pré-aborto que foi feito para determinar o grau de gravidez das pacientes, a tela nunca estava voltada para a paciente, mesmo que ela pedisse para vê-lo...

Na marcha pró-vida realizada em Malta em 3 de dezembro, Sandoval "elogiou a posição de Malta sobre o aborto".

Malta é um dos únicos países europeus onde o aborto é completamente ilegal, a menos que a vida da mãe esteja em perigo iminente. Esta derrogação foi introduzida precisamente este Verão, em Junho, quando o Parlamento maltês aprovou uma alteração.

"A vida é um direito" foi o slogan escolhido para a marcha deste ano, informou o Newsbook Malta.

Efeitos muito graves após o aborto provocado

Sandoval tinha 19 anos quando fez um aborto pela primeira vez. Recebendo poucas informações sobre os efeitos pós-aborto, Sandoval sofria de pesadelos frequentes, distúrbios alimentares e ansiedade. Após seu segundo aborto espontâneo, Sandoval tornou-se suicida.

Após o terceiro aborto espontâneo, Sandoval terminou com o namorado e se mudou para outra cidade, querendo "esquecer tudo". Ela conseguiu um emprego na Planned Parenthood como administradora de enfermagem bilíngue.

"Na entrevista, ela disse que não era enfermeira, mas eles deram o emprego mesmo assim. Eles ficaram emocionados por ela ter feito um aborto três vezes", segundo a revista Celebrate Life, que publicou a história de Sandoval em 2020:

No primeiro dia de trabalho, o patrão de Patrícia disse-lhe que aconselharia 50 doentes. Ele se lembra dele dizendo: "Você tem 13 anos. Você sofrerá se trouxer uma criança a este mundo". Ela disse que tinha feito três abortos e que estava bem...

Em uma ocasião, o empresário de Patrícia disse que ela tinha que ajudar o abortista, mas que duraria apenas cinco minutos, "porque tempo é dinheiro". Patrícia explica que nunca souberam realmente quem seria o abortista porque ele viajou para diferentes clínicas de aborto em todo o estado.

Seu chefe explicou o raciocínio: "Se temos uma complicação, ou uma mulher morre, e somos processados, o abortista não é daqui, então há menos problemas para nós. Você nunca contará a ninguém o que vê por trás dessas portas. Mais importante ainda, você nunca vai dizer às mães que, depois do aborto, jogamos seus bebês no lixo." Patrícia sentiu como se uma flecha perfurasse seu coração.

Crise e conversão, auxiliada pela EWTN e Rachel's Vineyard

O ponto de virada para Sandoval foi depois que ela ajudou com o aborto naquele dia:

Na sala dos fundos, Patrícia queria ver a "massa de celas" que o abortista havia retirado. A "enfermeira" que a treinava pegou uma pinça, levantou um braço com uma mãozinha e disse: "Esta é a parte número um. Precisamos de cinco partes."

Patrícia viu estampas minúsculas naqueles dedos. Mas o que realmente partiu seu coração foi o olhar no rosto do bebê. Ele podia dizer que estava gritando porque sua boca estava aberta. Lutou pela vida, mas não havia ninguém para defendê-lo. Foi quando Patrícia percebeu que havia sido enganada. Ele não havia abortado sacos de tecido. Ela havia abortado três bebês. Seus filhos.

Patrícia lembra: "Trabalhar atrás das portas de uma clínica é um passo do inferno! Vi mulheres gritando enquanto nossa equipe as arrastava pelos corredores. Eu queria perguntar a eles: 'Ninguém mais está horrorizado?' Mas eles não tinham expressão; Trabalhavam como robôs, traumatizados por abortos."

No último dia em que Patrícia trabalhou lá, uma menina que estava grávida de quase seis meses de gêmeos entrou na clínica para um aborto. Foi quando Patrícia soube que tinha que sair.

Depois de deixar a Planned Parenthood, Sandoval viveu nas ruas com o namorado por três anos e sofreu com o vício em metanfetamina. Quando seu namorado a deixou de vez após uma briga, Sandoval experimentou uma conversão nas ruas de Sacramento, onde implorou a Deus que a perdoasse:

De repente, uma jovem saiu correndo de um restaurante do outro lado da rua e abraçou Patrícia, olhando em seus olhos. Seus olhos eram azuis e cheios de misericórdia; Seu sorriso era cheio de amor. Disse-lhe: "Jesus ama-te. Sou garçonete e já vi você chorar. Eu orei por você e Deus me disse para dizer-lhe que, mesmo que seu pai ou sua mãe o abandone, Ele nunca o abandonará. Ele estará convosco até o fim dos tempos. Ele perdoará tudo o que você fez".

A garçonete, chamada Bonnie, levou Patrícia para a casa do pai. Depois de anos lutando contra problemas familiares e uma recaída nas drogas, Patrícia buscou ajuda no sacramento da confissão e acabou participando de um retiro em Rachel's Vineyard.

Sandoval começou a trabalhar em um consultório de dermatologista. Depois de conhecer o padre Victor Salomão, do programa Defending Life da EWTN, no retiro Rachel's Vineyard, ele contou sua história no programa do padre Salomão e em Silent No More, de Janet Morana.

"Seu apostolado cresceu até que ela foi destaque no programa Face a Face de Alejandro Bermudez na EWTN Español, que a levou a dar palestras em todo o mundo, onde milhares de homens e mulheres feridos pelo aborto compartilharam sua dor e buscaram perdão e cura", escreveu a revista Celebrate Life.

Patrícia é casada e mãe de uma menina chamada Maria Vitória. Ele apresenta o programa De Dos en Dos na EWTN Español e diz: "Os jovens são a razão pela qual me tornei pró-vida. São a minha paixão e a minha motivação." Ela espera continuar seu sucesso na televisão e no apostolado enquanto desfruta das alegrias da maternidade.

Você pode encontrar muito mais informações sobre a vida e o testemunho de Sandoval aqui.

De acordo com o Newsbook Malta, a #Malta4Life lançou uma nova campanha durante a qual recolherá assinaturas pedindo um referendo de revogação com o objetivo de anular a emenda que permite aos médicos interromper uma gravidez quando a vida de uma mulher está em risco ou sua saúde está em "grave perigo que pode levar à morte".

A petição pede que o governo elimine a recente emenda e restabeleça as antigas leis de aborto. (Fonte: Infocatolica)

Sua extraordinária vida comprova que a heroicidade na prática da virtude pode chegar a suprir a ciência humana. Isso explica o aparente paradoxo de sua biografia, mostrando como a alta sabedoria de um taumaturgo analfabeto o tornou conselheiro de Papas e Reis. Sua festa litúrgica é celebrada no dia 2 de abril.