Dom Mutsaerts: "Fica na Igreja!"

18/01/2024

DURAS CRÍTICAS À FIDUCIA SUPPLICANS

Um bispo holandês adverte que em Fiducia Supplicans e outros documentos, o significado do pecado é intencionalmente alterado e os conceitos são esvaziados de conteúdo. 

Ele também critica o uso da palavra "pastoral" para marginalizar a doutrina e mostra os resultados desastrosos dessa prática em seu próprio país, o "mais secularizado do mundo". Em meio a tudo isso, sua mensagem é de esperança.

(InfoCatólica) Em um texto publicado pelo LifeSiteNews, Dom Rob Mutsaerts, bispo auxiliar de Hertogenbosch, na Holanda, faz uma das críticas mais duras até agora à Fiducia Supplicans, a recente declaração do Dicastério para a Doutrina da Fé em que é permitido abençoar casais em casamento irregular ou situações do mesmo sexo.

Na opinião do prelado, o documento não faz tanto "uma expansão do significado das bênçãos", mas sim uma "modificação deliberada do que é pecado". Nesse sentido, Dom Mutsaerts chega a descrever a declaração como um "documento covarde" por não qualificar as práticas homossexuais como intrinsecamente más. Isso é muito perigoso, porque "quando os conceitos permanecem vazios, são facilmente manipulados", assim como acontece quando, fora da Igreja, os nascituros não são chamados de crianças, de modo que "o aborto não é mais assassinato, mas uma operação cirúrgica".

Em particular, o bispo critica o esvaziamento da palavra "pastoral", que é usada "para deixar de lado o Magistério, para se opor à doutrina e à vida e depois para tolerar uma vida em desacordo com a doutrina", que "são apenas palavras". Isso significa que "o cuidado pastoral não é mais o cuidado com a alma, mas o cuidado sem alma". O confronto da moral contra a dogmática pode ser encontrado, na opinião do bispo, não apenas na Fiducia Supplicans, mas também na Amoris Laetitia. Tudo isso é obra do subjetivismo e do relativismo, que "reinam hoje no Dicastério para a Doutrina da Fé", que se tornou um "Dicastério da Desconstrução". Ao mesmo tempo, as objeções de bispos, conferências episcopais inteiras e centenas de padres e fiéis "são arrogantemente rejeitadas".

Para ilustrar suas críticas, o arcebispo Mutsaerts dá o exemplo de sua própria pátria, a Holanda, o "país mais secularizado do mundo", onde "essas tendências começaram na década de 1960" e "a doutrina foi completamente corroída". Foi justamente aí que se inventou a "teologia pastoral", usada "para relativizar a verdadeira ciência". O resultado tem sido devastador, porque "todas estas concessões à cultura secular não atraem os jovens. Seminários e congregações liberais estão morrendo" e a "Igreja na Holanda está quase em coma (a idade média dos paroquianos é superior a 70 anos)". Quem cresce, por outro lado? Os "seminários e congregações tradicionais" e os grupos em torno de "simplesmente padres católicos que não proclamam teorias vagas", porque os jovens "anseiam pela Eucaristia, adorar, mergulhar nas profundezas. São eles que redescobriram o sacramento da Confissão".

No geral, o bispo quer oferecer uma mensagem de esperança. Em primeiro lugar, ele indica que os "eventos atuais no Vaticano são uma bênção", porque os problemas reais "estão claramente vindo à tona, para que seja possível mudar de direção". Da mesma forma, a tendência ao desaparecimento de grupos progressistas e ao ressurgimento de grupos fiéis à fé da Igreja indica que "com o tempo, as coisas acabarão bem". "O que fazer?", pergunta finalmente o prelado, e responde: "Fica na Igreja! Não abandoneis a Igreja! É a Igreja de Cristo». (Fonte: INFOCATOLICA)

A Virgen do Carmo ou Nossa Senhora do Carmo é uma das devoções mais conhecidas e veneradas da Virgem Maria na Igreja Católica. Ela é considerada a padroeira dos marinheiros, pescadores, marinheiros e todos aqueles que enfrentam situações perigosas no mar. Esta devoção mariana, cuja origem remonta ao século XII, é geralmente representada com o...