Biógrafo de Bento: “Francisco quer quebrar a continuidade” na Igreja

25/07/2023

Peter Seewald, autor da mais recente biografia-entrevista com o Papa Bento XVI, denuncia em declarações ao Kath.net que a morte de Ratzinger acelerou os planos para distanciar a Igreja de seu passado. 

Por Carlos Esteban 

A represa foi rompida. É a imagem escolhida pelo biógrafo de Bento XVI, o alemão Peter Seewald, para descrever a acelerada deriva da Igreja rumo a uma ruptura com seu passado após a morte de Ratzinger. A última prova, a eleição de um prelado heterodoxo para vigiar a pureza da fé. O resultado, teme Seewald, pode ser uma inundação que destrua os últimos resquícios do cristianismo na Europa. 

Seewald critica Francisco por "abandonar o legado de Bento" como parte de uma agenda cada vez mais "radicalizada". Bento XVI "sublinhou a importância da continuidade e das grandes tradições da Igreja Católica, sem ao mesmo tempo fechar-se às reformas". 

"Reforma significa preservar na renovação, renovar na preservação, trazer o testemunho da fé com nova clareza para a escuridão do mundo", diz Seewald. «Francisco, por outro lado, quer quebrar a continuidade. E assim da tradição doutrinal da Igreja», acusou. "Pode-se observar que o percurso do Papa Francisco se torna mais radical com o aumento da idade, ou digamos, ele o faz sem véus".

 Custódios Traditionis "foi como uma facada no coração" para Bento XVI, que só soube pelo jornal do Vaticano, conta Seewald. "Ele nunca se recuperou disso em termos de saúde." "Pouco depois de sua morte, o mundo inteiro pôde acompanhar como Bergoglio acelerou ainda mais o ritmo." (Fonte INFOVATICANA)

Sua extraordinária vida comprova que a heroicidade na prática da virtude pode chegar a suprir a ciência humana. Isso explica o aparente paradoxo de sua biografia, mostrando como a alta sabedoria de um taumaturgo analfabeto o tornou conselheiro de Papas e Reis. Sua festa litúrgica é celebrada no dia 2 de abril.