As chaves para 'Dignidade Infinita': Forte Oposição ao Aborto, Eutanásia, Ideologia de Gênero e Barriga de Aluguel

08/04/2024

O Vaticano publicou a declaração 'Dignitas infinita', elaborada ao longo dos últimos cinco anos e que viu a luz do dia pela mão do cardeal argentino.

Na introdução deste texto abrangente, enfatiza-se que "a Declaração recorda os princípios fundamentais e os pressupostos teóricos, a fim de fornecer esclarecimentos importantes que possam evitar a frequente confusão que ocorre no uso do termo 'dignidade'".

Como noticiamos há algumas semanas, este texto pretende combinar e manter um certo equilíbrio entre temas "conservadores" e "progressistas". Como assinala o cardeal Fernández na introdução, "a lista de temas escolhidos pela Declaração não é exaustiva" nem pretende "esgotar um tema tão rico e decisivo".

O Prefeito do Dicastério para a Doutrina da Fé inicia a Declaração dando uma visão geral da reflexão teológica e do pensamento histórico cristão sobre a dignidade humana. "Embora todo ser humano possua uma dignidade inalienável e intrínseca desde o início de sua existência como dom irrevogável, cabe à sua decisão livre e responsável expressá-la e manifestá-la em plenitude ou maculá-la", diz o ponto 22 do documento.

O cardeal Fernández recorda que "a Igreja, pelo contrário, insiste no fato de que a dignidade de cada pessoa humana, precisamente porque é intrínseca, permanece 'além de todas as circunstâncias', e seu reconhecimento não pode depender, de forma alguma, do julgamento da capacidade de uma pessoa de compreender e agir livremente".

Nesse sentido, Tucho Fernández denuncia que "às vezes o conceito de dignidade humana também é abusado para justificar uma multiplicação arbitrária de novos direitos, muitos dos quais são geralmente contrários aos originalmente definidos e, não raro, contradizem o direito fundamental à vida".

Pobreza, guerras e abusos

A partir do ponto 33, o cardeal Fernández detalha uma série de questões que são "graves violações da dignidade humana".

Fernández começa por denunciar o "drama da pobreza" por considerá-lo "um dos fenómenos que mais contribui para negar a dignidade de tantos seres humanos". Ele também critica aguerra como outra "tragédia" porque "com seu rastro de destruição e dor, a guerra mina a dignidade humana a curto e longo prazo". É por isso que esta Declaração argumenta que "diante dessa realidade, hoje é muito difícil sustentar os critérios racionais amadurecidos em outros séculos para falar de uma possível 'guerra justa'. Nunca mais guerra!'"

O documento também critica o tráfico de pessoas, considerado "uma atividade ignóbil, uma vergonha para nossas sociedades que se consideram civilizadas".

O abuso sexual também é denunciado como um atentado à dignidade humana, "porque todo abuso sexual deixa marcas profundas no coração de quem o sofre" e violência contra as mulheres. Sobre este assunto, o documento critica que "em alguns países as desigualdades entre mulheres e homens são muito graves e mesmo nos países mais desenvolvidos e democráticos a realidade social concreta atesta que as mulheres muitas vezes não são reconhecidas como tendo a mesma dignidade que os homens", mas nada é dito sobre os países muçulmanos onde a dignidade da mulher é nula em muitos casos.

Aborto, gestação de substituição e eutanásia

"A Igreja não cessa de recordar que 'a dignidade de cada ser humano tem um caráter intrínseco e é válida desde o momento da concepção até à morte natural'", lê-se na Declaração em referência ao aborto.

Citando São João Paulo II, recorda-se que "entre todos os crimes que o homem pode cometer contra a vida, o aborto provocado tem características que o tornam particularmente grave e ignominioso".

Nesse sentido, o cardeal Fernández afirma que "a aceitação do aborto na mentalidade, nos costumes e na própria lei é um sinal claro de uma crise muito perigosa do senso moral, cada vez mais incapaz de distinguir entre o bem e o mal, mesmo quando está em jogo o direito fundamental à vida".

O prefeito da Doutrina da Fé também critica o artifício de falar em "interrupção da gravidez", já que "tende a esconder sua verdadeira natureza e a atenuar sua gravidade na opinião pública".

"Deve, portanto, ser afirmado com total força e clareza, também em nosso tempo, que 'essa defesa da vida do nascituro está intimamente ligada à defesa de todos os direitos humanos'", diz o documento. Além disso, esta Declaração faz um gesto ao destacar explicitamente o "compromisso generoso e corajoso de Santa Teresa de Calcutá em defesa de cada concepção".

Também reitera a oposição da Igreja Católica à gestação de substituição. É denunciado no texto que essa prática transforma a criança, "imensamente digna, em um mero objeto". É por isso que o cardeal Fernández sustenta que "a prática da gestação de substituição viola, em primeiro lugar, a dignidade da criança" e também "a dignidade da própria mulher que ou é forçada a fazê-lo ou decide livremente submeter-se. Com essa prática, a mulher se desprende do filho que cresce nela e se torna um mero meio a serviço do benefício ou desejo arbitrário dos outros".

Esta Declaração sobre a Dignidade Humana dedica boa parte à eutanásia e ao suicídio assistido porque "tem a particularidade de usar um conceito errôneo de dignidade humana para virá-la contra a própria vida".

Diante da opinião errônea de que as leis de eutanásia são compatíveis com o respeito à dignidade humana, o cardeal Víctor Manuel Fernández reafirma que "o sofrimento não faz com que o doente perca aquela dignidade que é intrínseca e inalienavelmente sua, mas pode se tornar uma oportunidade para fortalecer os laços de pertencimento mútuo e tornar-se mais consciente do quão precioso cada pessoa é para a humanidade como um todo".

Ideologia de Gênero e Mudança de Sexo

No que diz respeito à ideologia de gênero, o Prefeito da Doutrina da Fé aborda primeiro essa questão apontando que "deve ser denunciado como contrário à dignidade humana que em alguns lugares muitas pessoas são presas, torturadas e até privadas do bem da vida, unicamente por causa de sua orientação sexual".

Sobre a "teoria do gênero", a Declaração da Doutrina da Fé denuncia que "desejar dispor de si mesmo, como prescreve a teoria de gênero, sem levar em conta essa verdade fundamental da vida humana como dom, não significa outra coisa senão ceder à velha tentação de o ser humano se tornar Deus".

Por isso, o documento valoriza a "diferença sexual" como a diferença "mais bela e mais poderosa", uma vez que "alcança, no casal homem-mulher, a mais admirável reciprocidade e é, por isso, a fonte desse milagre que nunca cessa de nos surpreender, que é a chegada de novos seres humanos ao mundo".

A Declaração do Vaticano defende que "qualquer tentativa de ocultar a referência à evidente diferença sexual entre homens e mulheres deve ser rejeitada".

Sobre a mudança de sexo, o documento afirma que "a dignidade do corpo não pode ser considerada inferior à da pessoa como tal". A este respeito, afirma-se que "qualquer operação de mudança de sexo, como regra geral, corre o risco de minar a dignidade única que a pessoa recebeu desde o momento da concepção", embora se qualifique que "isso não significa que seja excluída a possibilidade de uma pessoa afetada por anomalias genitais, que já são evidentes ao nascimento ou que se desenvolvem posteriormente, podem optar por receber assistência médica com o objetivo de resolver essas anormalidades. Nesse caso, a operação não constituiria uma mudança de sexo no sentido aqui entendido." (Fonte: InfoVaticana)

Lutero talvez seja o principal motor da destruição do cristianismo no Ocidente. Mas obedeçamos a Cristo, que nos ordenou: «Não julgueis» (Mt 7, 1). Sua psicopatologia era tão grave que não é possível discernir em sua vida o que pode vir dela ou de um orgulho indizível assistido pelo Diabo. Ou ambos.

Com o título A Páscoa das Três Encíclicas, propomos recordar três importantes documentos promulgados por Pio XI no espaço de poucos dias, em março de 1937. Três encíclicas que foram dirigidas a todos os católicos do mundo e que ainda estão vivas hoje.

Sodomia significa a prática de relações sexuais de qualquer tipo entre pessoas do mesmo sexo, sejam homens ou mulheres.

Santa Rita nasceu em 1381 ao lado de Cássia, na bela Úmbria, terra de santos: Bento, Escolástica, Francisco de Assis, Clara, Ângela, Gabriel... Santa Rita pertence àquele ilustre grupo de mulheres que passaram por todos os estados: casadas, viúvas e religiosas.