Advertência do bispo Strickland: "É hora de descobrir tudo o que agora está coberto e esclarecer tudo o que agora está escondido".

29/11/2023

Se alguém em Roma pensava que remover Joseph Strickland como bispo da Diocese de Tyler iria calá-lo e silenciá-lo, estava muito enganado.

Além do mais, você pode ter obtido o efeito adverso. Desde sua cessação, seus seguidores nas redes sociais e sua popularidade só cresceram. Strickland tornou-se uma referência – não apenas nos Estados Unidos – do catolicismo que se recusa a se curvar aos novos dogmas globalistas que buscam alterar a fé católica com interferências internas e externas.

Além das redes sociais, o prelado norte-americano tem um site próprio que continuará a usar para publicar os seus escritos. A última publicada é desta semana, na segunda-feira.

Trata-se de uma carta aberta em que ele expõe as reais razões pelas quais acha que foi demitido pelo Vaticano e das quais já relatamos neste meio. O mais impressionante é que nas entrelinhas escritas por Strickland entende-se que o bispo vai lutar até o fim, porque tem pouco a perder, mas não de um ponto de vista revanchista, mas em um ato de galhardia em defesa do depósito da fé.

O ex-bispo de Tyler diz que seu principal crime "parece ter sido sempre trazer à tona o que os outros queriam manter escondido". Strickland alertou que, embora não tenha uma diocese, ele ainda é um bispo e, portanto, "devo continuar a falar a verdade, mesmo que isso exija minha própria vida".

Eis a íntegra da carta escrita pelo bispo Strickland:

Carta Aberta do Bispo Joseph E. Strickland aos Fiéis:

Como tenho certeza que você já ouviu falar, eu fui removido como bispo da diocese de Tyler. Pediram-me para me encontrar com o núncio apostólico nos Estados Unidos e, nessa reunião, leram-me uma lista das razões pelas quais eu ia ser deposto. Se possível, ponho-vos estas razões; No entanto, não me foi dada uma cópia desta lista na altura e até agora não consegui obter uma cópia, apesar dos meus pedidos.

Nas razões que me foram lidas, não houve qualquer menção a problemas administrativos ou má gestão da diocese como motivos para a minha demissão. As razões apresentadas pareciam estar relacionadas, em grande parte, a mim falando a Verdade de nossa fé católica e às minhas advertências contra qualquer coisa que ameaçasse essa Verdade (incluindo as coisas que estavam sendo levantadas no Sínodo sobre a Sinodalidade). Além disso, foi mencionado que eu não havia caminhado ao lado de meus irmãos bispos defendendo a Igreja e seus ensinamentos imutáveis, e que eu não havia implementado o motu proprio Traditionis custodes, que se eu tivesse implementado teria exigido que eu deixasse parte do meu rebanho sem comida e cuidados. Como pastor e protetor da minha Diocese, não podia tomar atitudes que sabia com certeza que prejudicariam parte do meu rebanho e os privariam dos bens espirituais que Cristo confiou à Sua Igreja. Mantenho minhas ações como foram necessárias para proteger meu rebanho e defender o Depósito Sagrado da Fé.

Este é o momento de descobrir tudo o que agora está coberto e de esclarecer tudo o que agora está escondido. Na verdade, foi numa altura em que as coisas estavam a ser escondidas sobre o agora ex-cardeal Theodore McCarrick e o escândalo de abusos sexuais da Igreja que parece ter entrado pela primeira vez no radar do Vaticano. Meu principal crime, naquela época como agora, parece ter sido sempre trazer à tona o que os outros queriam manter escondido. Infelizmente, agora parece que é a própria Verdade, Nosso Senhor Jesus Cristo, que muitos desejam esconder.

Embora não tenha uma diocese agora, ainda sou bispo da Igreja e, portanto, sucessor dos apóstolos, e devo continuar a falar a Verdade, mesmo que isso exija minha própria vida. Quero dizer isso a todos vocês hoje: NUNCA deixem a Igreja! Ela é a Noiva de Cristo! Ela está agora passando por sua Paixão, e você deve resolver permanecer resolutamente na cruz! É importante assistir à missa todos os domingos e sempre que possível, dedicar tempo à adoração, rezar o terço diariamente, confessar-se regularmente e pedir sempre ajuda aos santos! Exorto-vos a perseverar para que, no final, possais dizer: "Combati o bom combate até ao fim; Corri a corrida até o fim; Guardei a fé".

Que Deus Todo-Poderoso vos abençoe e que a nossa Santa e Santíssima Mãe interceda por vós e vos aponte sempre para o seu Divino Filho Jesus ao entrardes neste tempo do Advento.

Eu ainda sou seu humilde pai e servo,

Bispo Joseph E. Strickland (Fonte: InfoVaticana)

1-Já pratiquei superstição ou ocultismo? Acredito sem hesitação nos ensinamentos da Igreja sem criticar seus pastores? Recebi a Comunhão em pecado mortal? Recebi a Confirmação ou o Casamento em pecado mortal? Jurei desnecessariamente ou falsamente? Eu menti ou omiti algum pecado mortal do sacerdote na Confissão? Profanei o Templo, os objetos ou as...

Desde o Concílio Vaticano II, a religiosidade popular tem sido promovida e até exaltada como expressão legítima da fé nos leigos. E é claro que não se pode, nem se deve, negar ou fazer uma alteração total de tal realidade e efeitos espirituais positivos para as almas; almas que, talvez por esse meio, tenham sido integradas à vida sacramental...