Virgens tolas

21/06/2024

Na catedral de Magdeburg, na Alemanha, uma das primeiras catedrais góticas daquele país, há esculturas das cinco virgens sábias e das cinco virgens tolas fora da entrada norte do transepto. Essas esculturas datam de meados do século XIII e, com grande maestria para sua época, expressam as emoções e a linguagem corporal dos personagens que representam.

 Por Guillermo Juan Morado

Obviamente, o motivo desse conjunto escultórico encontra-se no capítulo 25 do Evangelho segundo Mateus: a parábola das dez virgens. Dez horas aguardam ansiosamente a vinda do noivo. Os prudentes são aqueles que têm previsão e que preparam tudo o que é necessário para recebê-la. Os tolos são aqueles que carecem dessa cautela.

A parábola deu origem a múltiplas interpretações. São Gregório Magno escreve a este respeito: "Aqueles que creem corretamente e vivem com justiça são comparados às cinco virgens sábias. Mas aqueles que verdadeiramente confessam a fé de Jesus Cristo, mas não se preparam por boas obras para a salvação, são como as cinco virgens tolas. Por isso, acrescenta: "Cinco deles eram tolos, e cinco eram sábios". Não basta acreditar corretamente; Temos também de viver com justiça. A prudência, a vigilância, exige coerência entre fé e vida. Incoerência é, nesse sentido, tolice. E Santo Hilário observa que "o óleo [que alimenta as lâmpadas] é fruto de boas obras; as lâmpadas são corpos humanos, em cujas entranhas deve estar escondido o tesouro de uma boa consciência".

Todos nós podemos ser clarividentes ou tolos. Também aqueles que fazem parte da vida contemplativa na Igreja: os monges e freiras. O Concílio Vaticano II diz: "O principal ofício dos monges [monges e freiras] é oferecer à Majestade divina um serviço que seja ao mesmo tempo humilde e nobre dentro dos muros de seus mosteiros". E o mesmo concílio acrescenta que "os mosteiros são como canteiros de sementes para a edificação do povo cristão".

O melhor pode se transformar no pior. O ser humano carrega consigo esses riscos. Dom Dysmas de Lassus, prior da Grande Cartuxa, adverte em seu livro "Riscos e Deriva da Vida Religiosa" sobre o possível estabelecimento em um mosteiro de uma deriva sectária. Pode acontecer que, num mosteiro, se imponha uma dinâmica e emulação grupal na crença de que "temos vocações", "somos fiéis", "temos luz". Do lado de fora, tudo parece estar indo bem. Por dentro, é outra coisa. Duas ou três pessoas começam a controlar tudo e a busca pela uniformidade substitui o respeito à unidade na diversidade. A abertura à realidade é esquecida em favor de uma cultura da mentira, da dissimulação, da autojustificação. Um processo falho que pode chegar ao paroxismo se alguém se tornar o "líder" do grupo, tornando-se o centro de tudo. Pode ser alguém de dentro da comunidade ou de fora: essa pessoa se torna "a" referência da comunidade.

Dessa forma, perde-se o contato com o real, com o verdadeiro e, sem qualquer base racional, o "líder do ringue" acaba sendo defendido a todo custo. Dysmas de Lassus escreve: "Um sistema humano não é construído sobre mentiras, desconexão com a realidade e a verdade".

As virgens sábias estão atentas à verdade e às suas exigências. As virgens tolas perderam a conexão com o real. Estes últimos tornaram-se muito mais vulneráveis aos caprichos e desejos dos "líderes de ringue", que podem surgir de dentro e de fora do mosteiro. De qualquer forma, "líderes de ringue" que se arrastam para a frustração e o fracasso de sua própria existência. (Fonte: INFOCATOLICA)

A Virgen do Carmo ou Nossa Senhora do Carmo é uma das devoções mais conhecidas e veneradas da Virgem Maria na Igreja Católica. Ela é considerada a padroeira dos marinheiros, pescadores, marinheiros e todos aqueles que enfrentam situações perigosas no mar. Esta devoção mariana, cuja origem remonta ao século XII, é geralmente representada com o...