Vem ai o Sínodo dos bispos, mais avassalador que as teses de Lutero

01/03/2023

Os católicos passaram mais de 500 anos achando que as teses de Martinho Lutero (1517) contra a Igreja fosse o que de mais escandaloso, perverso, herético e irresponsável que alguém poderia imaginar e pregar.

Isto porque não tinham a menor ideia de que a partir de 2019 se iniciaria na Igreja um movimento vindo de dentro, chamado Sínodo dos bispos. Tão terrível e avassalador que torna as teses de Lutero brincadeira de criança.

Enquanto que Lutero se revoltou principalmente contra as indulgências e contra o papa, o Sínodo demonstra revoltar-se contra tudo que não agrade ao homem moderno. Tentando assim, a todo custo criar uma igreja agradável, ecumênica, sem hierarquia, onde palavras como "pecado, demônio, inferno nem sequer sejam cogitadas".

Enquanto que as teses de Lutero vieram de um religioso comum, mas cheio de revolta, ambição e orgulho, o Sínodo vem das maiores autoridades da Igreja, movidos pelos mesmos ideais e ainda pior; pelo desejo de agradar cismáticos de todas as espécies, seitas e religiões cujo deus não é o nosso e aos grandes desse mundo com o intuito de preparar o caminho para o anticristo.

Portanto estamos diante de algo muito maior e pior que a reforma protestante.

Ora, se a reforma protestante dividiu famílias, cidades, reinados e grande parte da Igreja, esta nova reforma é ainda pior, pois disfarçada de autoridade pretende impingir aos católicos seus pensamentos heréticos.

Os preparativos para essa nova reforma, que é o Sínodo dos Bispos, está sendo organizado em várias etapas conhecidas como caminho sinodal. São reuniões com leigos, padres e bispos que dão um parecer de como gostariam que fosse a nova igreja.

Claro que os leigos escolhidos para opinar não são os que defendem a Igreja tradicional, deixada por Nosso Senhor e assistida durante os séculos pelo Espírito Santo, conforme promessa do Senhor. Mas sim, pessoas progressistas, fruto da teologia da libertação e dos movimentos de esquerda e comunistas.

Essas consultas a leigos e padres, é apenas uma desculpa para depois poderem afirmar que as pessoas é que decidiram. Ora, quem somos nós para decidirmos o destino da Igreja Católica Apostólica Romana, a Igreja do Senhor?

Essas reuniões preparatórias já demonstram as aberrações que virão. No caminho sinodal da Alemanha já ficou claro o que desejam:

O caminho sinodal é um preparativo para um sínodo. É um grupo de 230 pessoas reunidas para discutir os rumos da Igreja Católica na Alemanha. O grupo inclui todos os bispos alemães, representantes de ordens religiosas, movimentos leigos, dioceses e paróquias, universidades, consultantes de outras Igrejas e especialistas nos campos que estão sendo discutidos.

O pior desse caminho sinodal da Alemanha são as aberrações nele contidos e aprovados por seus participantes, algo que soa como pura heresia até para crianças. Causa escândalo até ao mais frouxo dos católicos saber que estas ideias partiram de bispos da igreja. Eis a lista de aberrações idealizadas por eles:

Fim do celibato

Ordenação de mulheres

Ideologia de gênero

Anticoncepcionais

Benção LGBT

Modificação do catecismo para proteger LGBT

Participação de leigos na escolha de bispos

É assustador saber que isso vem da cabeça de bispos, mas para o país que deu ao mundo um Lutero e muitos outros hereges isto é normal.

No caminho sinodal mais conhecido no Brasil, o Sínodo da Amazônia a coisas não são diferentes:

Aceitação das diabólicas superstições dos índios; mistura de cristianismo com o paganismo, preferência pelo subdesenvolvimento e pelos costumes das tribos, trazendo com isto uma verdadeira escravidão. Proibição da pregação do cristianismo aos índios com a desculpa de manter suas tradições, indo diretamente contra os mandamentos de Jesus; "Ide por todo o mundo e pregai o Evangelho a toda criatura. Quem crer e for batizado será salvo, mas quem não crer será condenado" (Mc 16, 15-16). Mantendo-os no paganismo, e privando-os da fé católica e dos meios sobrenaturais para a salvação.

Apenas com uma visão desses dois caminhos sinodais, sem mencionar os muitos outros espalhados pelo mundo todo, já se tem uma ideia das aberrações e heresias que virão e que deixarão Martinho Lutero tremendo de inveja no inferno.

Com certeza será nova divisão da Igreja. De um lado um pequeno grupo dos tradicionalistas que seguem a Igreja tradicional, criada por Nosso Senhor Jesus Cristo, e assistida pelo Espirito Santo através dos séculos, baseada nas escrituras, na tradição e no magistério. Uma Igreja que acata a todos que mudam suas vidas para adaptar-se aos ensinamentos de Jesus.

Do outro lado, um grande grupo; a nova igreja, ou falsa igreja; preparada para atender aos dominadores do mundo. Adaptada para não ofender LGBT, não bater de frente com cismáticos, evangélicos, maometanos, judeus, budistas, e todas as seitas orientais.

Preparada para o fim do celibato, destruição das ordens religiosas, sacerdócio de mulheres, leigos no comando da igreja. Uma igreja onde não se falará sobre Nossa Senhora e sobre os santos para não ofender sensibilidade dos cismáticos e outros. Uma igreja em tudo semelhante às igrejas evangélicas, preparada para agradar ao homem e não a Deus.

Assim, se por um lado, Lutero poderia ter inveja da tremenda heresia perpetrada por esses bispos modernistas, por outro, deve estar contente, assim como os demônios, por finalmente ter destruído quase a totalidade da Igreja de Cristo. Mas o que ele não sabe, como já anunciou Nossa Senhora e diversos santos; no final o pequeno rebanho que não abandonou a verdadeira Igreja do Senhor vencerá, e todos esses, que agora destroem a Igreja, terão o mesmo destino do herege. (Redação "Vida e Fé Católica").

Leia também

Um bispo anglicano, referindo-se ao protestantismo, disse que ele consiste em acreditar em tudo o que você quer e fazer tudo o que você acredita. O protestantismo aceita essa afirmação sem surpresa, porque é a realidade de sua doutrina. Ele não sabe indicar o que é necessário para ser cristão, aliás, sustenta que é inútil saber. Não tem símbolo...

Um padre me disse que depois do Concílio essas coisas, água benta e assim por diante, não fazem sentido.
Dizei-lhe que leia a Constituição Sacrosanctum Concilium (60-61) do Vaticano II e que nos explique como o Concílio, que louva os sacramentais, pode ser desprezado e desaparecido.