Vamos falar sobre o inferno

09/06/2024

"Nenhum dos que têm o inferno diante dos olhos cairá nele; e nenhum dos que o desprezam escapará dele" (São João Crisóstomo)

Por João Cruz

"O homem está perdido até certo ponto, pregadores, catequistas, educadores também se perderam, porque se perderam.

perdeu a coragem de "ameaçar" com o inferno". (João Paulo II em Cruzando o Limiar da Esperança)

"O problema do inferno sempre incomodou os grandes pensadores da Igreja. De fato, os antigos concílios rejeitaram a teoria da chamada apocatástase final, segundo a qual o mundo seria regenerado após a destruição, e toda criatura seria salva; uma teoria que indiretamente aboliu o inferno. Mas o problema permanece. Pode Deus, que tanto amou o homem, permitir que Ele O rejeite a ponto de querer ser condenado a tormentos perenes? E, no entanto, as palavras de Cristo são inequívocas. Em Mateus fala claramente daqueles que irão para a tortura eterna (cf. 25, 46). Quem serão esses? A Igreja nunca se manifestou sobre o assunto. É um mistério verdadeiramente inescrutável entre a santidade de Deus e a consciência do homem".(João Paulo II em Cruzando o Limiar da Esperança).

Se a advertência divina é tão clara, por que esse trágico pacto de silêncio sobre o inferno? Os católicos não falam do inferno porque não parecem ser intolerantes, arrogantes e pouco caridosos, ao mesmo tempo em que se espalhou o critério de que nossa salvação é inevitável. Então, por que falar sobre o inferno, por que converter?

Muitos admiram a vida de Cristo concebido como um homem que levou seu ideal até a exaustão, até a morte. Este Cristo idealista é o que agrada ao mundo. Mas este não é o Messias, o Filho de Deus que nós, católicos, adoramos. Este Cristo idealista não nos obriga a assumir atitudes comprometidas. Por essa razão, a violação dos preceitos de Deus está à vista de todos: nudez nas praias e nas ruas, divórcio, corrupção econômica, práticas de aborto, blasfêmias, bruxaria em muitos lugares, irreverência, roubo, terrorismo, drogas, pornografia autorizada, crianças corruptas, etc. Não são as quedas por fragilidade, mas por profunda falta de fé. Justamente por isso não se quer mudar de vida, não se pensa em converter.

Mencionar o inferno e deixar as pessoas chateadas é a mesma coisa. Assim, dizer que o pecado leva ao inferno é faltar caridade e cair no orgulho; como se a advertência fosse um desejo de que os homens se condenassem. A falsa teologia do caminho amplo e fácil da salvação, de que todo homem é salvo, levou a esse absurdo. De acordo com essa teologia, como todos já estamos salvos, a razão de cumprir o mandato de Cristo de evangelizar é expandir o círculo de pessoas que agradecem a Deus pelo dom da salvação, porque todos nós já estamos salvos! Portanto, não é necessário mudar de vida ou de religião. É apenas conveniente, é bom, que haja muitos homens que agradecem a Deus pelo dom da salvação. Este seria o fim da evangelização.

Pelo contrário, a verdadeira doutrina da Igreja é clara: "aqueles que morrem com grave pecado pessoal vão imediatamente para o inferno, sofrendo a falta da visão de Deus e atormentando eternamente".

Diante do homem que não quer ouvir falar do pecado, do diabo ou do inferno, o que pode ser feito para mudar de ideia e levar a sério o que depois de sua morte será irreversível?

Bem, muito fácil. Hoje, quando o homem só anseia viver sem dor e morrer sem dor, é nossa obrigação, e vale a pena, falar-lhe do inferno como contraponto necessário... para que ele mude sua vida, sua mentalidade. Certamente nossa natureza é feita para a alegria. Por isso será muito infeliz o homem que, por viver alegre e confiante aqui, acaba num inferno de dor eterna. E cada um de nós, católicos, que não lhe falou sobre o inferno dentro e fora de época, em época e fora de época, pode ter a sua parcela de culpa.

Sigamos o exemplo dos santos que não tinham medo de falar do inferno, mas tinham medo de cair nele. Fazemos o mesmo e, desejando ou melhor para os outros, vamos contar-lhes sobre o inferno.(Fonte: El Español Digital)

Assim como dizemos 2.000 anos, poderíamos dizer 4.000. Ou seja, em toda a história da humanidade, os grandes avanços em favor da dignidade da mulher são obra da Igreja Católica. E, no entanto, quando o mundo organiza a grande farsa para exaltar suas conquistas em favor das mulheres, os sacerdotes permanecem em silêncio. Por que?