Teresa de Jesus: Conversão e Reforma

14/10/2023

Três anos depois de sua entrada no mosteiro da Encarnação, que foi em 2 de novembro de 1535, a jovem freira Teresa de Cepeda y Ahumada adoeceu gravemente: "Ele me deu naquela noite um mal que durou quatro dias, pouco menos. Nisso me deram o Sacramento da Unção e a cada hora ou momento achavam que expirava e nada faziam além de me dizer o Credo, como se algo entendesse. Às vezes achavam que eu estava tão morta que até a cera foi encontrada nos meus olhos."

Por Alberto Royo Mejía

Nesse meio tempo, viveu num estado de mordaça, de arrefecimento na oração, de muito contato com leigos nos salões e pouca lembrança, embora ela mesma confesse que nunca cometeu pecado grave: "Estando em muitas vaidades, embora não de tal forma que, até onde entendi, estive em pecado mortal em todo esse tempo mais perdido do que digo". Foi assim que Teresa passou sua vida na Encarnação por cerca de 20 anos, lutando entre o amor de Deus e as atrações do mundo: "Passei este mar tempestuoso quase vinte anos, com essas quedas e com essas quedas e com azar porque caí de novo e na vida tão baixo de perfeição, que não prestei atenção aos pecados veniais, e os mortais, embora os temesse, não como deveria ser, pois não me furtava aos perigos."

Mas o coração de Teresa não tinha paz, pouco a pouco o desejo de maior perfeição foi se fortalecendo e então ela sofreu para ver o relaxamento da vida monástica na Encarnação. Durante esse tempo, o santo, que tinha quase 40 anos, interpretou vários acontecimentos como apelos pessoais de Deus. Em certa ocasião, quando atendia a uma visita no salão, sentiu que o Senhor a olhava com raiva: "Cristo representou-se para mim diante de mim com grande rigor, dando-me a entender o quanto isso pesava sobre ele... Fiquei assustada e perturbada e não queria mais ver a pessoa com quem estava." Novamente a presença de um grande sapo no salão a fez refletir, e em alguns sermões pareceu-lhe que o Senhor a estava chamando em alta voz.

Mais definitiva para Teresa foi a experiência que ocorreu um dia, quando, ao entrar em seu oratório e ver ali a imagem de Cristo, sentiu-se aflita pelo quanto havia retribuído tanto amor e, entre lágrimas, suplicou-lhe forças para não mais ofendê-lo: "Era de um Cristo muito ferido e tão devoto que, quando olhou para ela, Fiquei todo perturbado ao vê-lo como tal, porque ele representava bem o que nos acontecia. Senti tanto o quanto tinha sido grato por aquelas feridas, que meu coração me pareceu partir, e o joguei em mim com o maior derramamento de lágrimas, implorando-Lhe que me fortalecesse de uma vez por todas para não ofendê-Lo." Este acontecimento o afetaria profundamente e o levaria a tomar um novo rumo, rumo à santidade. A partir daí, começou não só a ver, mas a ouvir o Senhor, que lhe dizia: "Não quero mais que você converse com homens, mas com anjos".

Estamos em 1554, Teresa tem 39 anos e antes dela abre uma nova etapa da sua vida. Nesse processo de conversão, foi muito influenciado pelas Confissões de Santo Agostinho, que chegaram às suas mãos: "Quando cheguei à sua conversão e li como ele ouviu aquela voz no jardim, não me parece nada além de que o Senhor me deu, de acordo com
Ou o meu coração; Fiquei por muito tempo que tudo se derreteu em lágrimas, e entre mim com grande aflição e cansaço... (...) Comecei a gostar de passar mais tempo com Ele e a tirar dos meus olhos as ocasiões, porque, tirado, então amei Sua Majestade novamente.
"

Outras experiências místicas que marcaram profundamente a alma de Teresa nessa época foram o fenômeno da transverberação, que ocorreu em uma capela da Encarnação que hoje está aberta ao culto diário, outro fenômeno relacionado ao casamento espiritual, que ela experimentou durante a comunhão, e a visão do inferno, diante da qual perdeu todo o medo dos sofrimentos e contratempos da vida: "Então, aqui, como eu digo, tudo me parece fácil, comparado a um momento em que você tem que sofrer o que eu sofri lá dentro."

Mas na Espanha não houve bons momentos para aqueles que vivenciaram esses fenômenos místicos. O cardeal Cisneros, regente com a morte dos Reis Católicos, havia iniciado um amplo movimento de renovação em toda a Espanha, fundando universidades, reformando conventos, favorecendo o estudo das línguas bíblicas e da teologia, multiplicando a publicação de livros em latim e espanhol, generalizando a pregação nas Igrejas e a prática da oração mental. Carlos I e sua corte flamenga não simpatizavam com Cisneros, nem com seus conselhos, nem com seus modos de fazer. A Reforma Protestante e as guerras de religião dividiram a Europa e tudo o que soava como interioridade foi investigado pelos tribunais da Inquisição.

O novo Inquisidor Geral, Francisco Valdés, e seu terrível conselheiro, o teólogo escolástico Melchor Cano, encheram as prisões com os discípulos de Cisneros, com os Erasmusistas, com os alumbrados... Até o ex-secretário de Cisneros, o bispo de Verisa, Juan de Cazalla e até o arcebispo de Toledo e primaz da Espanha, Bartolomé de Carranza, foram condenados. Logo depois, em 1559, Filipe II obrigou todos os espanhóis que estudaram ou ensinaram no exterior a voltar, foi proibido introduzir livros publicados fora de suas fronteiras na Espanha e traduzir livros escritos em outras línguas para o espanhol, eles tinham até as obras de Tomás de Villanueva, Francisco de Borja, Juan de Ávila, etc. Frei Luis de Granada, e todos os livros que Teresa devorara com ânsia de aprender e recomendara a tantas outras pessoas.

O medo de errar nas experiências místicas e na oração de contemplação faz sofrer muito o nosso santo, que a princípio não encontra bons conselheiros espirituais. Serão dois jesuítas, o P. Diego de Cetina e depois o P. Francisco de Borja, que restaurarão a paz à sua alma, como ela mesma conta referindo-se ao seu colóquio com o qual mais tarde se tornará Superior da Companhia: "Diga-me que ele era o espírito de Deus, e que lhe parecia que não era mais correto resisitirá-lo ... que eu deveria sempre começar a oração com um passo da Paixão, e que se o Senhor mais tarde me levasse, eu não resistiria a Ele". Era o início de uma profunda amizade que foi forjada em outros encontros e em inúmeras cartas. De grande ajuda foi também, já em 1560, Frei Pedro de Alcántara, que conheceu quando fazer companhia a Dona Guiomar de Ulloa. A santa franciscana também se tornará uma das grandes conselheiras de Teresa.

Na cela de Teresa no mosteiro da Encarnação, que atualmente é mostrada aos visitantes, numa tarde de 1560 estavam reunidas duas de suas sobrinhas e várias freiras visitantes. No ambiente solto do mosteiro, as visitas às celas, também de leigos, eram comuns. Naquela tarde, as freiras comentaram uma carta de Filipe II que ele havia enviado aos conventos em que ele expunha os grandes danos que os luteranos haviam causado na Europa, e lhes pediam orações pela unidade da Igreja. A conversa levou à situação dos religiosos na Espanha, à reforma que Frei Pedro operou nas Descalzas Reales e como seria bonito ter conventos carmelitas com maior observância. A sobrinha de Madre Teresa, futura priora do Carmelo Reformado de Valladolid, Maria Bautista, encorajou sua tia a fundar um convento carmelita reformado. Dona Guiomar também estava lá, que lhe prometeu ajuda de forma muito decisiva.

Desta forma simples, numa conversa que não foi nem inteiramente séria nem inteiramente jocosa, surgiu o que dois anos mais tarde viria a ser a reforma do Carmelo. Teresa resistiu à magnitude do empreendimento e às suas consequências, apesar de contar com o apoio de Dona Guiomar e outros, até que um dia o próprio Senhor expressou sua vontade à Santa: "Tendo recebido a Comunhão um dia, Sua Majestade muito me ordenou que tentasse fazê-lo com todas as minhas forças, fazendo-me grandes promessas de que o mosteiro não ficaria sem construção. e que ele seria muito servido nela, e que seu nome seria São José, e que nos guardaria em uma porta e Nossa Senhora na outra, e que Cristo andaria conosco, e que ele seria uma estrela que daria grande brilho a ele..."

E pôs-se a trabalhar, mas não sem antes consultar padres da envergadura do P. Luis Bertrán, Frei Pedro de Alcnántara, Francisco de Borja, Francisco de Salcedo, Gaspar Daza, etc. Começaram a procurar uma casa e pediram permissão ao Papa para construir o convento sob a jurisdição da Ordem Carmelita, já que o Superior Provincial não o permitiria sem a permissão de Roma. Quando a notícia foi conhecida no mosteiro da Encarnação e na cidade, houve uma grande celeuma, a maioria foi contra e o próprio Provincial retirou o seu apoio, "disse que a renda não era segura e que era pouco, e que havia muita contradição". Ao ser acusada de iluminada e possuída, pediu sua opinião ao teólogo mais renomado da época em Ávila: o padre dominicano Pedro Ibáñez, para quem escreveu um memorial com a situação de seu espírito, o primeiro "Relato da Consciência" que preservamos. Apesar da oposição da cidade e das pressões que recebe, a opinião do dominicano será positiva e ele a acompanhou com um parecer laudatório, escrito em 33 pontos. Ele decide pedir um segundo Breve Papal; desta vez colocando o mosteiro sob a obediência do bispo. Embora as contradições crescessem, ela enviou sua irmã Juana e seu marido de Alba para cuidar das obras de adaptação de uma pequena casa fora dos muros. As obras foram alongadas porque algumas paredes cederam e o dinheiro estava faltando, mas a chegada de algumas moedas de ouro enviadas da América por seu irmão Lorenzo em 1561 foi uma grande ajuda.

No dia 12 de agosto de 1561, festa de Santa Clara de Assis, na missa, no momento da comunhão, a Santa aparece a Teresa e a consola: "Ela me apareceu com grande beleza. Ela me disse para trabalhar duro e seguir em frente no que comecei, que ela me ajudaria." Dias depois, na festa da Assunção, ao visitar o convento de Santo Tomás, dos dominicanos, aparecem-lhe a Virgem e São José, que também a consolaram e encorajaram a continuar na fundação. Com essas promessas do céu, como não continuar com as obras?

Foi providencial que no Natal de 1561 o Provincial enviou Teresa à casa de Dona Luis de la Cerda, em Toledo, para passar uma temporada fazendo companhia a ela. Lá conheceu Maria Salazar, que viria a se tornar uma de suas grandes colaboradoras, priora de Sevilha e fundadora em Portugal. Este período toledano serviu a Teresa para fugir das polémicas que dividiam Ávila sobre a fundação, e preparar calmamente o futuro com a ajuda de Frei Pedro de Alcántara. Quando, depois de seis meses longe de Ávila, ela finalmente retornou em 1562, na mesma noite de seu retorno recebeu a surpresa da chegada do Breve de Roma, dado em 7 de fevereiro de 1562 em nome do Papa Pio IV, dando jurisdição ao bispo de Ávila sobre a nova fundação e permissão a Dona Guiomar de Ulloa e Dona Aldonza de Guzmán, que o havia solicitado, para fundar e construir um mosteiro de freiras da ordem e governo de Santa Maria do Carmo.

Os problemas ainda não terminaram aqui, porque o sr. O bispo de Ávila, dom Álvaro de Mendoza, que mais tarde seria bispo de Palencia, a princípio se recusou a dar sua permissão, porque a jurisdição recaiu sobre ele. Teve de ser visitado pelo agredido Frei Pedro de Alcántara, ainda a recuperar de uma doença, para o convencer a dar permissão. Durante o verão de 1562 as obras foram concluídas e as freiras que queriam acompanhar Madre Teresa na nova fundação foram procuradas, ajudando-as com dinheiro para o dote algumas personalidades que Dona Guiomar tinha conseguido reunir. Assim, na manhã do dia de São Bartolomeu daquele ano, o pequeno sino que ainda hoje se conserva anunciava o início de uma nova comunidade religiosa na cidade de Ávila, embora este sino anunciasse outra coisa: o início da Reforma Teresiana, que tanto bem faria à Igreja Católica. (Fonte: InfoCatolica)