Strickland: "Não podemos honrar a Deus, que é a verdade, tentando oferecer bênçãos que vão contra a Sua verdade"

28/09/2023

Bispo Joseph E. Strickland de Tyler, Texas, EUA, escreveu uma nova carta pastoral na qual defende a verdadeira doutrina católica sobre homossexualidade e transexualidade e adverte aqueles que querem atacá-la de dentro da própria Igreja que a verdade não pode ser mudada.

(infoCatólica) Depois de lembrar que o homem foi criado à imagem e semelhança de Deus, homem ou mulher, o bispo diz em sua carta:

O fato de que a comunidade humana está perdendo esse fio da verdade é uma das tendências mais surpreendentes e devastadoras de nosso tempo. A confusão e o dano que advém do abandono de nossa identidade biológica e dada por Deus está enraizado na tendência moderna de negar a soberania de Deus e, para muitos, até mesmo negar sua própria existência, tornando-nos assim "deuses" em nossas mentes.

"Na cultura atual há uma preocupação com a própria identidade, que fala de um anseio profundamente enraizado no coração e na alma de cada pessoa de encontrar sentido em sua vida. Tentamos expressar de alguma forma, através da realidade física de nossas vidas, os choques que sentimos dentro de nossas almas, mas alertamos que "não podemos e não criamos nossa própria identidade; nossa identidade vem unicamente de nosso Criador".

O bispo Strickland observa que "vemos muitas agendas no mundo de hoje que se relacionam com a identidade humana, em particular a 'identidade sexual'. Uma que está muito diante dos nossos olhos neste momento é a pauta LGBTI."

Depois de citar a carta sobre a pastoral dos homossexuais do então cardeal Ratzinger aos bispos dos EUA. O Departamento de Saúde dos EUA afirma:

"Devemos ser amorosos, mas claros, portanto, que aqueles que carregam o fardo da atração pelo mesmo sexo não devem agir sobre essas inclinações, porque tais atividades são contrárias à identidade biológica e dada por Deus do indivíduo e, portanto, contrárias à vontade de Deus em todos os casos. Nós, como clérigos, familiares e amigos, devemos cercar essas pessoas de amor e apoio para que possam abraçar suas cruzes e viver a identidade autêntica que Deus lhes deu".

Transexualidade

O bispo de Tyler reflete sobre o avanço descontrolado da transexualidade no Ocidente:

"O movimento transgênero é outra face da pauta LGBTQ e também está em desacordo com a compreensão católica do ser humano. Esse movimento busca alterar fundamentalmente a maneira como nosso mundo vê a identidade biológica e dada por Deus a cada pessoa. Nestes tempos, um número crescente de jovens é preso pelo movimento transgênero em vez de ser dito a verdade de quem eles são como filhos amados de Deus. Podemos certamente reconhecer que há razões complexas pelas quais uma pessoa pode ter sentimentos de disforia de gênero, mas é importante que cada pessoa entenda que, independentemente dos sentimentos, a identidade biológica de uma pessoa é dada por Deus e é imutável pelo homem."

E destaca o papel dos pais:

"Os pais não devem ter medo de abordar a falsidade da ideologia de gênero com seus filhos de uma maneira apropriada para a idade, e os pais também devem reforçar o fato de que, embora hormônios e cirurgias possam mudar a aparência, esses procedimentos médicos não podem mudar o sexo de nem mesmo uma célula do corpo."

O osbipo exorta a manter a caridade na verdade:

"É importante ressaltar aqui que devemos SEMPRE, SEMPRE tratar todas as pessoas com respeito, compaixão e reconhecimento de sua dignidade inerente. Portanto, homens e mulheres com tendências homossexuais ou com disforia de gênero devem ser tratados com amor e compaixão e devem ser sempre respeitados como os preciosos filhos de Deus que são. Isso inclui dizer-lhes a verdade com caridade."

O Sínodo

O bispo Strickland entra plenamente na tentativa de muitos de mudar a doutrina da Igreja sobre essas questões fundamentais. O sínodo sobre a sinodalidade parece ser o instrumento que eles vão usar para isso:

"Tudo isso nos leva ao próximo Sínodo sobre a Sinodalidade, que está surgindo como uma tentativa de alguns de mudar o foco do catolicismo da salvação eterna das almas em Cristo, para fazer com que cada pessoa se sinta afirmada, independentemente das escolhas que fez ou fará na vida. Um dos temas que aparentemente serão discutidos durante o Sínodo é a bênção das relações homossexuais. O arcebispo Víctor Manuel Fernández, prefeito do Dicastério para a Doutrina da Fé, declarou em julho de 2023, quando questionado sobre bênçãos para casais homossexuais: "Se uma bênção for dada de tal forma que não cause tanta confusão, ela terá que ser analisada e confirmada".

Contra o erro, a doutrina perene da Igreja:

"No entanto, devemos olhar para o ensinamento perene e imutável da Igreja: tal bênção não seria lícita e, portanto, sem dúvida causaria confusão. De fato, o mesmo escritório, a Congregação (agora Dicastério) para a Doutrina da Fé, publicou um comunicado em 15 de março de 2021, intitulado Responsum da Congregação para a Doutrina da Fé a um dúbio sobre a bênção das uniões entre pessoas do mesmo sexo. Neste Responsum, o ex-prefeito da Congregação, cardeal Luis Ladaria, afirmou que Deus "não abençoa e não pode abençoar o pecado" e que, "pelas razões mencionadas, a Igreja não tem e não pode ter a faculdade de abençoar as uniões homoafetivas no sentido acima pretendido".

A verdade não pode mudar:

"Uma vez que a verdade não pode mudar, devemos reconhecer que o Dicastério não pode agora chegar a uma conclusão diferente que anularia a declaração original de verdade do mesmo cargo. A verdade baseia-se na Palavra Divina de Deus, revelada na Sagrada Escritura e na Sagrada Tradição, e como é guardada pelo Magistério da Igreja. Portanto, qualquer tentativa de permitir a bênção das uniões entre pessoas do mesmo sexo seria um ataque ao Depósito Sagrado da Fé".

Depois de apontar as razões dadas pela Doutrina da Fé para negar o sacramento da bênção das uniões homossexuais, o bispo americano quer deixar claro que a verdade não discrimina ninguém:

"Quero reiterar que não se trata de forma alguma de discriminar aqueles que carregam o fardo da atração pelo mesmo sexo, mas sim de lembrar a verdade do rito litúrgico e a natureza dos sacramentais. Não podemos honrar a Deus, que é a verdade, tentando oferecer bênçãos que vão contra a Sua verdade."

O bispo de Tyler termina sua carta dando a seguinte mensagem aos homossexuais e àqueles que sofrem de disforia de gênero:

"Para finalizar, gostaria de dizer àqueles que sentem atração pelo mesmo sexo ou disforia de gênero: Cristo te ama e a Igreja Católica te acolhe. Todos nós nos esforçamos para crescer em santidade. Convido você a vir e sentar-se conosco, orar conosco, adorar conosco e experimentar o poder avassalador do amor e da misericórdia de Deus conosco. A verdade é que no centro de nossa existência está o Amor, e não há poder no Céu ou na Terra que possa impedir o Pai, o Filho e o Espírito Santo de nos amarem plena e completamente. Em todos os momentos somos convidados a abraçar o amor que Deus nos oferece, mas na sua infinita sabedoria e bondade Ele não nos obriga. O amor é uma escolha, e é sempre um sacrifício, mas é um sacrifício que Ele primeiro fez por nós, e é uma escolha que Ele nos chama a fazer por Ele. Que as escamas caiam de nossos olhos para que possamos vislumbrar o quanto Nosso Pai nos ama como Seus Amados e sempre corra para Ele como a fonte de nossa plenitude última. "Não temais, porque eu vos redimi; Eu te chamei pelo nome, você é meu". (Isaías 43:1)." (Fonte: InfoCatolica)

1-Já pratiquei superstição ou ocultismo? Acredito sem hesitação nos ensinamentos da Igreja sem criticar seus pastores? Recebi a Comunhão em pecado mortal? Recebi a Confirmação ou o Casamento em pecado mortal? Jurei desnecessariamente ou falsamente? Eu menti ou omiti algum pecado mortal do sacerdote na Confissão? Profanei o Templo, os objetos ou as...

Desde o Concílio Vaticano II, a religiosidade popular tem sido promovida e até exaltada como expressão legítima da fé nos leigos. E é claro que não se pode, nem se deve, negar ou fazer uma alteração total de tal realidade e efeitos espirituais positivos para as almas; almas que, talvez por esse meio, tenham sido integradas à vida sacramental...