Solenidade de Todos os Santos

01/11/2023

Aqueles que morrem na graça e amizade de Deus e são perfeitamente purificados, vivem para sempre com Cristo. Na glória do céu, os bem-aventurados continuam a cumprir alegremente a vontade de Deus para os outros homens e para toda a criação.

(Informação Católica) Do ofício das leituras.

Dos Sermões de São Bernardo, Abade

De que servem os nossos louvores, a nossa glorificação, esta mesma solenidade que celebramos, aos santos? De que adiantam as honras terrenas se elas recebem do Pai celestial as honras que o Filho lhes prometeu verdadeiramente? De que adiantam nossos elogios a eles? Os santos não precisam de nossas honras, nem nossa devoção acrescenta nada a eles. É que a veneração de sua memória redunda em nosso benefício, não no dele.

No que me diz respeito, confesso que, quando penso neles, acende-se em mim um forte desejo. O primeiro desejo que promove ou aumenta em nós a lembrança dos santos é o de desfrutar da sua companhia, tão desejável, e de se tornarem concidadãos e companheiros dos espíritos abençoados, de conviver com a assembleia dos patriarcas, com o grupo dos profetas, com o senado dos apóstolos, com o exército inumerável de mártires. com a associação dos confessores com o coro das virgens, em suma, a de associar-se e alegrar-se na comunhão de todos os santos. A Igreja dos primogênitos nos espera e permanecemos indiferentes; Os santos desejam nossa companhia, e nós não prestamos atenção; Os justos estão esperando por nós, e nós não prestamos atenção.

Acordemos, enfim, irmãos; levantemo-nos com Cristo, busquemos os bens que estão no alto, ponhamos o coração nos bens do céu. Desejemos aqueles que nos desejam, apressemo-nos aos que nos esperam, entremos na sua presença com o desejo da nossa alma. Devemos desejar não apenas a companhia, mas também a felicidade desfrutada pelos santos, cobiçando ansiosamente a glória possuída por aqueles cuja presença desejamos. E essa ambição não é má, nem o desejo de participar de sua glória inclui qualquer perigo.

O segundo desejo que a comemoração dos santos desperta em nós é que, como eles, Cristo, que é a nossa vida, também nos seja revelado, e que também nós sejamos revelados com Ele, revestidos de glória. Enquanto isso, aquele que é a nossa cabeça é representado para nós não como ele é, mas como Ele foi feito para nós, não coroado de glória, mas cercado pelos espinhos de nossos pecados. Tendo aquele que é nossa cabeça coroada de espinhos, nós, seus membros, devemos nos envergonhar de nossos refinamentos e buscar qualquer púrpura que seja de honra e não de ridículo.

Chegará o dia em que Cristo virá, e então sua morte não será mais anunciada, para lembrá-los de que também nós estamos mortos e nossa vida está escondida com Ele. A cabeça gloriosa será revelada, e seus membros brilharão glorificados com ele, quando ele transfigurar nosso pobre corpo em um corpo glorioso como a cabeça, que é ele. Desejamos, pois, esta glória com uma ânsia segura e total. Mas, para que nos seja permitido esperar por essa glória e aspirar a uma felicidade tão grande, devemos também desejar grandemente a intercessão dos santos, para que ela nos obtenha aquilo que está além de nossas forças.

Oração

Deus Todo-Poderoso e eterno, que nos concedeu celebrar numa mesma festa os méritos de todos os santos, concedei-nos, através desta multidão de intercessores, a desejada abundância da vossa misericórdia e perdão. Por nosso Senhor Jesus Cristo.

Das Leituras Eucarísticas

Mateus 5:1-12a. As bem-aventuranças.

Quando Jesus viu a multidão, subiu a montanha, sentou-se e seus discípulos se aproximaram. E abriu a boca e ensinou-os, dizendo:

"Bem-aventurados os pobres de espírito, porque deles é o reino dos céus.

Bem-aventurados os mansos, porque herdarão a terra.

Bem-aventurados os que choram, porque serão consolados.

Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, pois serão saciados.

Bem-aventurados os misericordiosos, porque alcançarão misericórdia.

Bem-aventurados os puros de coração, porque verão a Deus.

Bem-aventurados os que trabalham pela paz, pois serão chamados filhos de Deus.

Bem-aventurados os que são perseguidos por causa da justiça, porque deles é o reino dos céus.

Bem-aventurados sois vós quando vos insultam, vos perseguem e vos caluniam de qualquer modo por minha causa. Alegrai-vos e alegrai-vos, pois grande será a vossa recompensa no Céu".

A Igreja triunfante e a Igreja purgativa.

Do Catecismo da Igreja Católica, nºs 1022-1023-1026-1027-1029-1031.

Todo homem, após a morte, recebe em sua alma imortal sua eterna retribuição em um julgamento particular que remete sua vida a Cristo, seja por meio de uma purificação, seja para ser imediatamente condenado para sempre. "À noite sereis examinados em amor" (São João da Cruz, Advertências e Sentenças, 57).

Aqueles que morrem na graça e amizade de Deus e são perfeitamente purificados, vivem para sempre com Cristo. Eles são para sempre como Deus, porque O veem "como Ele é", face a face. Esta vida perfeita com a Santíssima Trindade, esta comunhão de vida e amor com ela, com a Virgem Maria, os anjos e todos os bem-aventurados chama-se "céu". O céu é a meta final e a realização das aspirações.

Por Sua morte e ressurreição, Jesus Cristo "abriu" o céu para nós. A vida do bem-aventurado consiste na plena posse dos frutos da redenção operada por Cristo, que associa à sua glorificação celestial aqueles que nele creram e permaneceram fiéis à sua vontade. O céu é a comunidade abençoada de todos os que estão perfeitamente incorporados a Ele.

Este mistério de comunhão abençoada com Deus e com todos os que estão em Cristo ultrapassa toda a compreensão e toda a representação. A Escritura fala disso em imagens: vida, luz, paz, festa nupcial, vinho do Reino, casa do Pai, Jerusalém celeste, paraíso: "O que os olhos não viram, os ouvidos não ouviram, e o coração do homem não alcançou, o que Deus preparou para aqueles que o amam" (1 Cor 2, 9).

Na glória do céu, os bem-aventurados continuam a cumprir alegremente a vontade de Deus para os outros homens e para toda a criação. Eles já reinam com Cristo; com Ele "reinarão para todo o sempre".

Aqueles que morrem na graça e amizade de Deus, mas imperfeitamente purificados, embora seguros de sua salvação eterna, passam após sua morte por uma purificação, a fim de obter a santidade necessária para entrar na alegria do céu.

A Igreja chama de purgatório essa purificação final dos eleitos, que é bem distinta da punição dos condenados. A tradição da Igreja, referindo-se a certos textos das Escrituras, fala de um fogo purificador... Este ensinamento também é apoiado pela prática da oração pelos mortos, da qual a Escritura já fala...

Desde os tempos mais remotos, a Igreja honrou a memória dos falecidos e ofereceu sufrágios em seu nome, em particular o sacrifício eucarístico, para que, uma vez purificados, chegassem à visão beatífica de Deus. A Igreja também recomenda esmolas, indulgências e obras de penitência pelos mortos. (Fonte: InfoCatolica)

Um bispo anglicano, referindo-se ao protestantismo, disse que ele consiste em acreditar em tudo o que você quer e fazer tudo o que você acredita. O protestantismo aceita essa afirmação sem surpresa, porque é a realidade de sua doutrina. Ele não sabe indicar o que é necessário para ser cristão, aliás, sustenta que é inútil saber. Não tem símbolo...