São Pedro se esvazia enquanto o antigo rito tem um 'boom'

24/06/2023

O Corpus Christi às escondidas no Vaticano e o fracasso total do evento organizado pelo cardeal Gambetti: cinco horas de show, a enésima declaração e uma praça tão vazia quanto o falatório sobre a "fraternidade humana" mostram que os fiéis buscam algo eterno e chegar a outras fontes. Como as realidades ligadas à liturgia tradicional, cuja vitalidade deveria suscitar mais de uma questão.

Em Roma, eles nem notaram o Corpus Christi. O papa estava no hospital, então não houve procissão. Embora bem visto, parece que houve uma procissão, que partiu do Colégio Teutônico e chegou aos Jardins do Vaticano. Mas ninguém notou. Nem os organizadores nem a mídia vaticana fizeram nada para mostrar ao mundo que a Presença Divina sacramental é o coração da Igreja. Uma procissão furtiva, presidida por monsenhor Josef Clemens, ex-secretário especial do cardeal Ratzinger, porque obviamente os cardeais não tinham tempo a perder.

Já no ano passado não houve procissão solene "devido às limitações impostas ao papa pela gonalgia" e "as necessidades litúrgicas específicas da celebração", explicou a Sala de Imprensa do Vaticano . Como se o Papa tivesse que percorrer toda a procissão. E pensar que o Papa Francisco mudou a procissão solene de quinta para domingo à tarde por razões pastorais, presumivelmente para permitir a participação de mais pessoas.

Na véspera do domingo de Corpus Christi houve muito agito em São Pedro. Para as primeiras vésperas da solenidade? Não. Para o Encontro Mundial da Fraternidade Humana, senhores; e com uma hashtag: #notalone. Uma hashtag, porém, que enganou a Fundação Fratelli Tutti e o feitor da época, o cardeal Mauro Gambetti, que permitiu que a basílica do Vaticano se tornasse palco de nudistas . Sim, porque na realidade o Papa não só não estava, como estava sozinho no hospital, mas também havia muito pouca gente. Apesar de restringir o enquadramento às primeiras filas, algumas fotos foram tiradas do topo do quadrado (ver aqui e aqui). Resultado? Um fracasso total. Quatro setores foram organizados, dos quais um estava completamente vazio e os outros estavam preenchidos talvez apenas um terço.

Quase cinco horas de palestras, apresentações, vídeos e a assinatura pelo Secretário de Estado do Vaticano, Cardeal Pietro Parolin, da Declaração sobre a fraternidade humana, enésima folha de palavras vazias e exageradas, onde -felizmente- nem sequer aparece por engano o nome de Nosso Senhor: «Todo homem é meu irmão, toda mulher é minha irmã, sempre. Queremos viver juntos, como irmãos e irmãs, no Jardim que é a Terra. O Jardim da Fraternidade é condição de vida para todos». Amém. E como se não bastasse, o cardeal Gambetti, para a ocasião, transformou o átrio da Basílica de São Pedro em um centro de restauração, com bancos "ecológicos" feitos de paletes de madeira: um manicômio .

E enquanto San Pedro se esvazia, as missas de rito antigo se enchem de crianças e famílias jovens. A impressão deixada pela peregrinação Paris-Chartres há quinze dias continua a chocar o mundo católico francês. O jornal La Croix incluiu uma interessante reflexão de Jean Bernard, colaborador do jornal La Nef , que aponta que "muitos observadores, inclusive da grande mídia, ficaram impressionados com o fervor e a fé dos peregrinos, em total contraste com a desolação geral da Igreja na França, paralisada pelo escândalo dos abusos.

A vitalidade desta realidade era bem conhecida já há alguns anos em Roma. Bernard recorda que um cardeal, presente na Sessão Plenária da Congregação para a Doutrina da Fé em 29 de janeiro de 2020, expressou seu desejo de que o Rito Antigo fosse abruptamente restringido, justamente pelo sucesso daquelas peregrinações. No ano seguinte foi publicado o Traditionis Custodes ; O resultado foi um aumento ainda maior no número de participantes, a ponto de casa cheia. «E tudo indica», continua o jornalista francês, «que a missa tradicional não vai desaparecer, mas [...] vai continuar a crescer, tanto em termos absolutos como relativos, tendo em conta o abandono progressivo de um certo número de freguesias em rito ordinário."

Os seminários ligados ao rito antigo registraram 95 novas admissões francesas em 2022, ante 65 no ano anterior. Pelo contrário, os seminários diocesanos estão a morrer, registando-se uma ou nenhuma nova admissão, com o "pico" do seminário de Paris, com duas novas admissões. Também é muito viva a realidade da Communauté Saint-Martin, que não está ligada ao rito antigo, mas pode ostentar belas liturgias e séria formação para o sacerdócio; agora tem mais de 100 seminaristas.

O bom senso e a mente e o coração abertos gostariam que tentássemos compreender estes sinais: onde o demasiado-humano invade o horizonte, há cada vez mais deserções; onde, ao contrário, o primado de Deus, da adoração, da vida eterna é vivido com sensibilidade, a vida não só revive, mas transborda. Não é uma questão de ideologias, mas de sobrevivência. Quando você vê uma longa fila de pessoas com sede indo em uma direção, isso significa que elas encontraram água ali.

Um sacerdote da diocese de Paris, padre Luc de Bellescize , entendeu isso muito bem e expressou-se ainda melhor: «Os jovens não têm nada a ver com as velhas guerras fratricidas. Eles anseiam por beleza e verdade. Eles têm sede de que suas almas se levantem e se voltem para o Senhor. Têm sede de uma palavra exigente que os ame verdadeiramente, que os convide a libertar-se de tudo o que prende o homem à escravidão do pecado. Eles anseiam por pureza, liberdade e silêncio. E encontram isso na bela liturgia, "um reflexo, sempre imperfeito, da liturgia do Céu, do canto dos anjos que se prostram diante da Trindade eterna, beleza infinita de Deus".

O homem é chamado a contemplar, desfrutar e desfrutar desta glória por toda a eternidade. Todas as outras obras, por mais necessárias e nobres que sejam, cessarão. A liturgia celestial nunca cessará. O coração humano é feito para isso, verdade que explica a perene força de atração da "bela" liturgia; atração que é ainda mais forte quando as cisternas de água ao redor, construídas pelo homem, oferecem apenas esgoto pútrido e seca. E o tédio mortal dos discursos vazios, como os organizados por Gambetti.

A antiga liturgia oferece outros dois grandes atrativos. A primeira: no final da década de 1960, começou uma corrida cujo objetivo era desenraizar o homem, ou melhor, erradicar do coração do homem o sentimento de pertença a uma história, uma identidade, uma tradição viva. Os jovens encontram-se desnorteados, desorientados, terrivelmente sozinhos, sem história e, portanto, sem futuro. Por que censurá-los por se lançarem em uma liturgia que pode oferecer-lhes um sentido claro de pertença, raízes sólidas, uma linguagem que os recoloque em contato com seus avós, seus antepassados, com a grande família de santos de todos os tempos?

E então o ritual. Ainda não compreendemos a lição de Josef Pieper, nem mesmo a mais recente e "neutra" de Byung-Chul Han. A forma ritual, justamente por ser estável, repetitiva, inútil (no sentido de que não se dirige a o útil), majestoso, tem uma capacidade peculiar de capturar e unificar. O ritual forja um mundo compartilhado, um mundo diferente daquele que nos domina todos os dias; interrompe o fluxo caótico e avassalador do tempo cronológico, da correria, da agitação. Então, por que se enfurecer contra um rito que é capaz disso? Por que não reconhecer que o rito antigo tem uma capacidade extraordinária de curar o narcisismo, que nos fecha em nós mesmos, nos faz voltar para Deus? Um poder de curar nosso mundo dessa atomização dolorosa e triste que o agarra?

A explicação do milagre do rito antigo e do fracasso do Encontro sobre a Fraternidade Humana está naquela frase frequentemente repetida de Santo Irineu e que costuma ser despojada da segunda parte: «A glória de Deus é o homem vivo, e a vida do o homem é a visão de Deus." (Fonte INFOVATICANA)

Queridos irmãos e irmãs, o que havia no tempo dos apóstolos? Pastores, dispersos ou reunidos em concílios, que ensinavam os fiéis, resolviam questões que surgiam, repreendiam os que erravam e separavam os que persistiam no erro. Havia fiéis que eram guiados e ensinados por seus pastores, que neles ouviam Jesus – qui vos auidit, me audit – que...