Santíssima Trindade: conhecer a Glória e adorar a unidade

15/06/2023

Ao longo do Ano Litúrgico celebramos os principais mistérios da nossa salvação nos domingos e festas: desde a longa preparação para a vinda de Cristo (Advento) até à sua Encarnação, Nascimento e Infância (Natal), à sua Paixão, Morte e Ressurreição e o envio do Espírito Santo (Páscoa). Neste domingo, a Igreja honra de modo particular a Santíssima Trindade na sua liturgia " para nos fazer compreender que a finalidade dos mistérios de Jesus Cristo e da vinda do Espírito Santo tem sido conduzir-nos ao conhecimento da Santíssima Trindade e sua adoração em espírito e verdade ».

Por Padre Ángel David Martin Rubio

A riqueza infinita do mistério do Deus vivo e pessoal nos escapa, nos domina completamente. Mas Ele quis revelar-se: " Santíssima Trindade significa: Deus uno em três pessoas realmente diferentes: Pai, Filho e Espírito Santo". Deus se revela para que possamos saber na fé o que é necessário para a nossa salvação e também quis nos comunicar sua própria vida divina por meio da graça.

Por tudo isto, os textos e as leituras deste domingo apresentam-nos, em primeiro lugar, a verdade da fé trinitária que conhecemos por revelação e, por outro lado, a relação desta verdade de fé com a nossa própria vida sobrenatural: a Santíssima Trindade como causa eficiente de nossa redenção e santificação.

II.1. A verdade da fé no Deus uno e trino que confessamos no Credo é expressa de modo particular no Prefácio da Santíssima Trindade que se reza nesta festa e em todos os domingos do ano que não tem prefácio própria de um tempo litúrgico.

"É verdadeiramente digno e justo, equitativo e salutar, que sempre e em toda parte te damos graças, Senhor Santo, Pai Todo-Poderoso, Deus Eterno: que com teu Filho Unigênito e o Espírito Santo tu és um só Deus, não na singularidade de um única pessoa, mas na Trindade de uma única substância. Pois o que por revelação cremos da tua glória, isso também sentimos do teu Filho e do Espírito Santo, sem diferença ou discriminação. Para que na confissão da verdadeira Deidade eterna, a propriedade possa ser adorada nas pessoas, a unidade na essência e a igualdade na majestade. Louvados pelos Anjos e Arcanjos, pelos Querubins e pelos Serafins, que não cessam de aclamar dia após dia, dizendo a uma só voz sem cessar: Santo…».

Somente com as forças da razão natural, podemos chegar a conhecer a existência de Deus como criador da ordem natural, mas nada podemos alcançar da ordem sobrenatural (como o que se refere à Santíssima Trindade, à Encarnação, à graça e à glória. .. ), realidades que transcendem a ordem natural e cuja captação está além da capacidade da razão [6] . A oração da Coleta da Missa alude a esta revelação: " Deus Todo-Poderoso e eterno, que com a luz da verdadeira fé deu a seus servos conhecer a glória da Trindade eterna e adorar a Unidade no poder de sua Majestade...".

Ou seja, conhecemos o mistério da Trindade porque foi objeto de uma revelação progressiva de Deus. No Antigo Testamento, esse mistério não aparece claramente em nenhum momento, mas há alguns indícios que sugerem de alguma forma sua futura manifestação por meio de Jesus Cristo. Será no Novo Testamento que o mistério da Santíssima Trindade se revelará expressa, clara e plenamente. Encontramo-nos assim com uma aplicação do que Santo Agostinho expressa quando diz que " o Novo Testamento está oculto no Antigo e o Antigo se manifesta no Novo "e para São Gregório Magno tudo o que "o Antigo Testamento prometeu, o Novo Testamento cumpriu; o que o primeiro anunciou de forma oculta, o segundo proclama abertamente como presente. Portanto, o Antigo Testamento é uma profecia do Novo Testamento; e o melhor comentário sobre o Antigo Testamento é o Novo Testamento ».

II.2. Como dissemos, outros textos da Missa sublinham a relação deste mistério de fé com a nossa própria vida cristã:

¾ « Bendita seja a santa e indivisível Trindade; vamos louvá-la, porque ela nos mostrou misericórdia "(intróito).

¾ A Epístola (Rm 11, 33-36) « contém uma homenagem prestada à grandeza de Deus. É o hino da fraqueza humana prostrando-se reverentemente diante de Deus infinitamente poderoso e sábio, que nos permitiu vislumbrar seus maravilhosos desígnios, dirigidos pela misericórdia, para a salvação dos homens ».

¾ E o Evangelho (Mt 28, 18-20) apresenta-nos o baptismo " em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo ", momento inicial da nossa comunhão no mistério de Deus, uno e trino.

Desde então somos filhos de Deus, movidos pelo Espírito que, como alma ou princípio vital, unifica e põe em ação todo o Corpo místico de Cristo. Assim, nossas relações com Deus se expressam em termos de toda a Trindade: Deus Pai, o termo último de nossas aspirações; Cristo, mediador entre Deus e os homens; o Espírito Santo, agente imediato de toda atividade sobrenatural. Por isso, como diz São Paulo, somos " membros da família de Deus " (Ef 2,19) e vivemos com a esperança de alcançar um dia no céu a plenitude da contemplação e da alegria do Deus uno e trino. .

«Em uma palavra, o mistério da Santíssima Trindade tornou-se para nós - filhos adotivos do Pai, irmãos e co-herdeiros do Filho, movidos e habitados pelo Espírito Santo - não apenas um dogma dado a conhecer à nossa inteligência por revelação , mas uma verdade praticamente conhecida por nós, graças à generosidade inaudita das três pessoas divinas».

III. Hoje demos muitas graças a Deus que quis revelar-se e dar-nos estes dons da sua graça.

Nós veneramos a Virgem Maria como: Filha de Deus Pai, Mãe de Deus Filho e Esposa de Deus Espírito Santo, unidos a Ela, amemos a Deus e cumpramos Seus mandamentos para que Ele venha habitar em nossas almas em graça (Jo 14, 23) e um dia poderemos contemplá-lo por toda a eternidade na Glória do Céu. (Fonte Adelante la Fe)

Um bispo anglicano, referindo-se ao protestantismo, disse que ele consiste em acreditar em tudo o que você quer e fazer tudo o que você acredita. O protestantismo aceita essa afirmação sem surpresa, porque é a realidade de sua doutrina. Ele não sabe indicar o que é necessário para ser cristão, aliás, sustenta que é inútil saber. Não tem símbolo...