Santa Maria, Auxílio dos Cristãos

24/05/2023

História da devoção a Maria Auxiliadora na Igreja Antiga. 

Os cristãos da Igreja da antiguidade na Grécia, Egito, Antioquia, Éfeso, Alexandria e Atenas costumavam chamar a Santíssima Virgem pelo nome de Auxiliadora, que em sua língua, o grego, se diz com a palavra " Boetéia", que significa "Aquela que traz ajuda do céu". Já São João Crisóstomo, Arcebispo de Constantinopla nascido em 345, a chama de "Auxílio Poderoso" dos seguidores de Cristo.

Os dois títulos mais lidos sobre os antigos monumentos orientais (Grécia, Turquia, Egito) são: Mãe de Deus e Auxílio dos Cristãos. (Theotocos e Boeteia). No ano 476, o grande orador Proclus disse: «A Mãe de Deus é a nossa Auxílio dos cristãos porque nos traz ajuda do alto». São Sabas de Cesaréia no ano 532 chama a Virgem de "Auxiliar dos que sofrem" e narra o fato de um enfermo gravíssimo que, levado junto a uma imagem de Nossa Senhora, recuperou a saúde e aquela imagem da "Auxiliar de os doentes"» tornou-se extremamente popular entre as pessoas do seu século.

O grande poeta grego Romano Melone, no ano 518, chama Maria de "Auxiliar dos que rezam, extermínio dos maus espíritos e socorro dos fracos" e insiste que rezemos para que Ela seja também "Assistente dos que governam". e assim cumpramos o que Cristo disse: "Dai ao governante o que é do governante" e o que Jeremias disse: "Orai pela nação onde viveis, porque o bem dela será o vosso bem".

Nas igrejas das nações da Ásia Menor, a festa de Maria Auxiliadora é celebrada no dia 1º de outubro, desde antes do ano mil (na Europa e na América é celebrada no dia 24 de maio). São Sofrônio, Arcebispo de Jerusalém, dizia no ano 560: «Maria é o Auxílio de quem está na terra e a alegria de quem já está no céu». São João Damasceno, célebre pregador, no ano 749, é o primeiro a propagar esta jaculatória: «Maria Auxiliadora, rogai por nós». E repete: «A «Virgem é uma auxiliadora para alcançar a salvação. Socorrista para evitar perigos, Socorrista na hora da morte".

São Germán, Arcebispo de Constantinopla, no ano 733, disse em um sermão: «Ó Maria, Tu és Poderosa Auxiliadora dos pobres, valente Auxiliadora contra os inimigos da fé. Ajuda de exércitos para defender a pátria. Ajudante dos governantes para que nos obtenham bem-estar, Ajudante das pessoas humildes que precisam de sua ajuda.

A batalha de Lepanto

No século 16, os maometanos estavam invadindo a Europa. Naquela época não havia tolerância de algumas religiões para com outras. E onde quer que fossem, impunham sua religião pela força e destruíam tudo o que era cristão.

Todos os anos eles invadiam novos territórios católicos, enchendo de morte e destruição tudo o que ocupavam e já ameaçavam invadir a própria Roma. Foi então que o Sumo Pontífice Pio V, grande devoto da Virgem Maria, convocou os Príncipes Católicos a saírem em defesa de seus colegas religiosos.

Logo um bom exército foi formado e eles foram em busca do inimigo. Em 7 de outubro de 1572, os dois exércitos se encontraram em um local chamado Golfo de Lepanto. Os maometanos tinham 282 navios e 88.000 soldados. Os cristãos estavam em menor número.

Antes de iniciar a batalha, os soldados cristãos se confessaram, ouviram a Santa Missa, receberam a Comunhão, rezaram o Rosário e cantaram um cântico à Mãe de Deus. Terminados esses atos, lançaram-se como um furacão em busca do exército adversário.

A princípio a batalha foi desfavorável para os cristãos, porque o vento soprava no sentido contrário ao que eles estavam indo, e eles pararam seus navios, que eram todos veleiros, isto é, movidos pelo vento. Mas então – admiravelmente – o vento mudou de curso, bateu fortemente nas velas dos navios do exército cristão e os empurrou com força contra os navios inimigos.

Então nossos soldados fizeram um ataque tremendo e em pouco tempo derrotaram completamente seus adversários. É digno de nota que enquanto ocorria a batalha, o Papa Pio V, com uma grande multidão de fiéis, saiu, o Papa Pio V, com uma grande multidão de fiéis, caminhou pelas ruas de Roma rezando o Santo Rosário.

Em agradecimento por tão esplêndida vitória, São Pio V ordenou que a partir de agora todos os anos a festa do Santo Rosário fosse celebrada no dia 7 de outubro, e que esta oração fosse sempre recitada nas litanias: Maria Auxiliadora, rogai por nós .

O Papa e Napoleão.

No século passado, aconteceu um fato lamentável: o imperador Napoleão, movido pela ambição e orgulho, ousou prender o Sumo Pontífice, o Papa Pio VII.

O Vigário de Cristo estava preso há vários anos e não havia esperança de obter a liberdade, pois o imperador era o governante mais poderoso da época. Até os reis tremiam em sua presença, e seu exército sempre era o vencedor na batalha.

O Sumo Pontífice fez então uma promessa: "Ó Mãe de Deus, se me libertardes desta prisão indigna, honrarei-vos decretando uma nova festa na Igreja Católica". E logo, o inesperado veio.

Napoleão, que havia dito: "As excomunhões do Papa não são capazes de tirar o fuzil da mão dos meus soldados", viu com decepção que, nos frios campos da Rússia, onde fora para a batalha, o frio gelava as mãos de seus soldados, e seus fuzis estavam caindo, e aquele que havia deslumbrado, com seu famoso exército, voltou humilhado com alguns homens maltratados.

E quando ele voltou, descobriu que seus adversários haviam preparado um forte exército para ele, que o atacou e lhe deu uma derrota total. Ele foi então expulso de seu país e quem ousou prender o Papa antes, foi forçado a pagar em triste prisão pelo resto de sua vida.

O Papa pôde então retornar à sua sede pontifícia e em 24 de maio de 1814 voltou triunfalmente à cidade de Roma. Em memória deste nobre favor da Virgem Maria, Pio VII decretou que a partir de agora, a cada 24 de maio, a festa de Maria Auxiliadora fosse celebrada em Roma em ação de graças à Mãe de Deus.

São João Bosco e Maria Auxiliadora.

Em 9 de junho de 1868, a Basílica de Maria Auxiliadora foi consagrada em Turim, Itália. A história desta Basílica é uma cadeia de graças da Mãe de Deus. Seu construtor foi São João Bosco, um humilde camponês nascido em 16 de agosto de 1815, de pais muito pobres.

Aos três anos seu pai morreu. Para ir à escola, ele tinha que ir de casa em casa mendigar. O Santo A Virgem lhe havia aparecido em sonho ordenando-lhe que adquirisse "ciência e paciência", porque Deus o destinava a educar muitas crianças pobres. Novamente a Virgem apareceu a ele e pediu-lhe que construísse um templo para ela e a invocasse com o título de Auxiliadora dos Cristãos.

Ele começou o trabalho no templo com três moedas de vinte centavos. Mas foram tantos os milagres que Maria Auxiliadora começou a realizar em favor de seus devotos, que a grande Basílica foi concluída em apenas quatro anos. O santo costumava repetir: "Cada tijolo deste templo corresponde a um milagre da Santíssima Virgem".

A partir daquele santuário começou a difundir-se pelo mundo a devoção à Mãe de Deus sob o título de Auxílio dos Cristãos, e são tantos os favores que Nossa Senhora concede a quem a invoca com esse título, que esta devoção se tornou uma das o mais popular.

São João Bosco dizia: «Propagai a devoção a Maria Auxiliadora e vereis o que são os milagres» e recomendava repetir muitas vezes esta pequena oração: «Maria Auxiliadora, rogai por nós». Ele disse que aqueles que fazem esta oração muitas vezes recebem grandes favores do céu. (Fonte INFOVATICANA)

Sodomia significa a prática de relações sexuais de qualquer tipo entre pessoas do mesmo sexo, sejam homens ou mulheres.