Santa Catarina de Siena, uma grande mulher

29/04/2024

 "Rogo-vos, irmãos, pelo nome de nosso Senhor Jesus Cristo, que todos faleis uma coisa, e que não haja divisões entre vós, mas que sejais de uma só mente e de uma só mente." (ICo 1:10)

Há alguns anos, Santa Catarina de Sena tem sido para mim uma das figuras mais admiradas e cativantes da Igreja Católica. Além disso, com o maior respeito e devoção, ousaria dizer que ela se tornou uma boa amiga que me concede mais do que ouso pedir-lhe. Ela sabe muito bem o porquê.

Ao longo da sua vida, esta mulher simples serviu incansavelmente de forma humilde e sacrificial, prestativa e generosa, com dedicação ilimitada e corajosa, ao mandamento do seu Senhor, ao serviço da Igreja e do Romano Pontífice, simplesmente por amor.

Ele nunca hesitou em oferecer todos os momentos de sua vida pela unidade e fidelidade da Igreja até a hora de sua morte. É o que nos diz a sua oração no leito de morte: "Deus eterno, recebei o sacrifício da minha vida pelo Corpo Místico da Santa Igreja. Não tenho mais nada para lhe dar além do que você me deu. Pegue meu coração e aperte no rosto dessa esposa".

Mas se olharmos atentamente para a sua vida, percebemos que ele apertou a sua vida anunciando orgulhosamente o chamado universal à santidade, a obediência ao Magistério da Igreja, o afecto filial pelo Santo Padre e a certeza de que sem Jesus Cristo, sem a sua graça, qualquer projecto humano é impossível.

Conta-se que certa manhã, ao acordar de uma experiência mística, Catarina confidenciou ao seu confessor que ouvira o Senhor pronunciar estas palavras: "A cela não será mais o seu quarto habitual; pelo contrário, para a salvação das almas, terás de deixar a tua própria cidade (...); Levarás a honra do meu nome e da minha doutrina a jovens e velhos, sejam leigos, clérigos ou religiosos. Colocarei em sua boca uma sabedoria que ninguém será capaz de resistir. Levar-vos-ei diante dos Pontífices, dos Chefes das Igrejas e do povo cristão, para que, através dos fracos, como é o meu modo de agir, eu possa humilhar o orgulho dos fortes".

A partir desse momento, esta jovem, que mais tarde foi considerada "a tocha brilhante da Igreja", animada pelo amor, soube dar respostas de verdade e esperança aos problemas humanos e divinos de todas aquelas almas que caminhavam sem rumo, como fez o seu Senhor e Mestre: "Quando viu as multidões, encheu-se de compaixão por elas, porque foram espancados e abatidos, como ovelhas sem pastor" (Mt 9,36)

Ela, que para nós que não somos sábios nem santos, encarnou o privilégio de ser "guardiã do ser humano, da sua humanidade", a que João Paulo II se referiu na Mulieris Dignitatem, demonstrou com audácia, liberdade e responsabilidade e, porque não dizê-lo, com grande descaramento, que a força da missão da vida cristã estava enfraquecida se os membros da Igreja estivessem divididos. Ai de mim, não posso me calar. Vamos clamar com cem mil línguas", escreveu a um alto prelado. Creio que, permanecendo em silêncio, o mundo se corrompe, a noiva de Cristo ficou pálida, perdeu a cor, porque estão sugando o próprio sangue, isto é, o sangue de Cristo".

Isto faz-me lembrar as palavras de Paulo VI: "Evangelizadores: devemos oferecer aos fiéis de Cristo, não a imagem de homens divididos e separados por lutas que não servem para construir nada, mas a de homens adultos na fé, capazes de se encontrar para além das tensões reais graças à busca comum. sincero e desinteressado pela verdade. Sim, o destino da evangelização está certamente ligado ao testemunho de unidade dado pela Igreja. Isso é fonte de responsabilidade, mas também de conforto. (Evangelii Nuntiandi n.77)

A tarefa que temos pela frente a nós, cristãos, é muito grande, assim como foi com Santa Catarina. Muitos de nós nos perguntamos como, com que instrumentos, podemos construir a Igreja, oferecer a verdade ao mundo inteiro e permanecer na unidade.

Uma boa maneira de começar pode ser esta:

Ó gloriosa virgem Catarina, ao considerarmo-la, reconhecemos em ti a Poderosa Mulher dos Livros Sagrados, o prodígio do vosso século, a tocha luminosa da Igreja, a criatura dotada de dons incomparáveis, e que soube unir as doces e modestas virtudes das virgens prudentes com a intrepidez e a coragem dos heróis. Voltai-vos, do céu, os vossos olhos sobre a barca de Pedro, arremessada pela tempestade, e sobre o seu augusto líder, que reza, observa, geme, exorta, luta e espera.

Mostrai até onde o vosso poder se aproxima de Deus, obtendo de nós todo o zelo para avançar nas virtudes evangélicas, sobretudo na humildade, prudência, paciência, bondade e diligência no exercício dos deveres do nosso Estado.

Manter a harmonia de nossa grande família e converter os incrédulos do mundo inteiro à Fé; Obtende para o nosso país a verdadeira paz, isto é, a paz cristã, para a nossa Santa Mãe a Igreja triunfa completa sobre o mal, através da Verdade, do sacrifício e da caridade. Amém. (Fonte: InfoCatolica)

Santa Rita nasceu em 1381 ao lado de Cássia, na bela Úmbria, terra de santos: Bento, Escolástica, Francisco de Assis, Clara, Ângela, Gabriel... Santa Rita pertence àquele ilustre grupo de mulheres que passaram por todos os estados: casadas, viúvas e religiosas.