Quem vos ouve. Ouve-Me?

07/04/2024

A Verdade da Tradição

Queridos irmãos e irmãs, o que havia no tempo dos apóstolos? Pastores, dispersos ou reunidos em concílios, que ensinavam os fiéis, resolviam questões que surgiam, repreendiam os que erravam e separavam os que persistiam no erro. Havia fiéis que eram guiados e ensinados por seus pastores, que neles ouviam Jesus – qui vos auidit, me audit – que recebia sua palavra, não como a palavra dos homens, mas como verdadeiramente a palavra de Deus.

Por P. Juan Manuel Rodríguez de la Rosa 

Em que esses fiéis acreditavam? A mesma coisa que seus pastores lhes ensinaram; para que bastasse saber o que o povo cristão acreditava naquela época para entender qual era a doutrina que eles tinham e que seus mestres ensinavam.

E no primeiro século esses pastores, dispersos ou reunidos, ensinaram o povo como uma Igreja de ensino? Sim. Os pastores em cuja cabeça estava o príncipe de todos, o sucessor de Pedro, ensinaram aos fiéis o que eles deveriam crer, como sucessores dos apóstolos.

A Igreja que ensina é a que se reuniu em Éfeso, em Calcedônia, em Constantinopla... Ele chamou a Bem-Aventurada Virgem Maria de Virgem e Mãe de Deus. Ele definiu as duas naturezas de Cristo e Sua única Pessoa Divina; definiu a Divindade do Espírito Santo. É a Igreja que se reuniu em tantos Concílios e Sínodos para ensinar a verdade de Jesus Cristo, a verdade da fé.

Tende cuidado, meu filho, confiando na graça de Cristo Jesus, e o que ouvistes de mim na presença de muitas testemunhas, recomendai aos homens fiéis que são capazes de ensinar aos outros (2 Tm 2.1-2).

Essas verdades importantes são aquelas que São Paulo ordena que Timóteo ensine aos outros, e que este transmita aos outros. Isso é Tradição. Este é o meio pelo qual Deus preservou as verdades reveladas de Adão. A Igreja nunca se contradisse; sem entrar no que foi dito pelo Concílio Vaticano II sobre o tema da liberdade religiosa e do ecumenismo.

O Espírito do Concílio e o Livre Exame Protestante

A reforma litúrgica trazida pelo Concílio Vaticano II aproximou a liturgia dos fiéis, tornando-a mais abrangente, maisprática, como se costuma dizer. Foi um retorno às fontes, removendo tantos acessórios que ao longo dos anos foram adicionados à liturgia, obscurecendo-a, dizem também. Hoje vemos o verdadeiro colapso da liturgia romana. É totalmente irreconhecível. Quem hoje é capaz de perceber a essência do rito romano, suas características, o que o tornou um rito romano genuíno e não um rito moçárabe, nem bracarense, nem Lyon?

O que ainda se chama Rito Romano é, na verdade, uma liturgia criativa, que esqueceu a tradição que lhe deu ser, tornou-se independente da autoridade litúrgica e, portanto, ignora as normas litúrgicas. Encontramo-nos com a liturgia própria deste padre, ou daquela paróquia, ou daquela congregação religiosa; ou a liturgia própria desses fiéis ou movimentos eclesiais.

Mas todos eles, em uníssono, apelam para justificar as suas acções ao espírito do Concílio, que, sem saber o que é, sabemos que serviu para desmembrar o património litúrgico, para desfigurar completamente o rito romano herdado e, com ele, para quebrar a unidade e a universalidade de que a Igreja sempre gozou na sua liturgia.

Na realidade, o que ainda se chama de espírito do concílio nada mais é, à luz dos resultados, do que o livre exame protestante dentro da Igreja Católica. Portanto, o espírito do Concílio foi o verdadeiro cavalo de Tróia que permitiu a essa concepção protestante decidir pessoalmente como deveria ser a liturgia, sem estar sujeita à tradição, às normas ou à autoridade. Podemos dizer que a autoridade litúrgica reside naquele que a oficia, ou nos fiéis que participam. Não há necessidade de dar exemplos sombrios e vergonhosos que se sucedem diariamente e constantemente.

Mas o que está por trás dessa liturgia é um desmembramento da fé católica. É assim que se celebra, é assim que se acredita. A tentação de se autoexaminar no campo da fé é constante e é uma realidade em grandes esferas eclesiais. Para muitos, a fé já é criativa.

Amoris Laetitia. Relativização da Lei Divina. Via caritatis

A via caritatis não é uma forma criativa, original e pessoal que quer fazer o seu caminho na Igreja? Não é uma originalidade, uma criatividade, que reivindica o seu lugar na Igreja, que pede o seu momento de novidade e glória? Mas, para que a via caritatis original aparecesse, era necessário uma coisa importante e ao mesmo tempo terrível: relativizar a Lei divina. A lei divina exige muito, diz ele, e àqueles que têm muita dificuldade em aceitá-la é permitida a novidade original e criativa da via caritatis como opção. Por que? Porque foi isso que foi decidido. Por que foi decidido? Porque foi uma decisão pessoal. Mas respaldado pela tradição, o Magistério? Simplesmente porque foi decidido que a Lei divina não é para todos, é muito exigente. Inaudito.

O testemunho do casal adúltero mexicano perante o Papa não deixa margem para dúvidas. Não lhe pediram uma via caritatis para a sua situação, não pediram um acompanhamento para discernir a sua situação, limitaram-se a afirmar que eram uma realidade na Igreja, que se sentiam muito bem nela e que como tal realidade deviam ser consideradas. Eles não se arrependeram de forma alguma, pois se sentiram abençoados por Deus. O abraço do Papa, escandaloso e vergonhoso, endossou o testemunho do casamento adúltero para considerá-lo como mais uma realidade dentro da Igreja.

O livre exame protestante foi introduzido na fé da Igreja. A Igreja já não tem nada a dizer aos fiéis, mas acolhê-los nas suas realidades; isto é, os fiéis decidem o seu modo de viver a fé e de estar dentro da Igreja.

Enquanto uns dizem, incrivelmente, que a Exortação Apostólica é fiel à tradição da Igreja, outros já dão normas para a Santa Comunhão dos adúlteros. Uma coisa e o contrário. Exame livre. Cada um diz o que quer dizer, o que lhe convém, ou o que as circunstâncias exigem que diga.

Qui vos auidit, me audit

Queridos irmãos e irmãs, pode Nosso Senhor Jesus Cristo dizer aos nossos Pastores: Qui vos auidit, me audit. Quem vos escuta escuta-Me. Pessoalmente, acho que não, de fato, é uma certeza que está firmemente enraizada em minha alma sacerdotal.

A Exortação Apostólica Amoris Laetitia faz parte do ensinamento da Igreja que nos transmitiu as grandes verdades da fé, que nos ensinou o verdadeiro caminho da salvação da alma desprezando o pecado? Qual é o seu real propósito? Talvez o testemunho do casal adúltero mexicano seja o testemunho que os fiéis terão de ouvir nas paróquias num futuro próximo? Com a Exortação, o subjetivismo moral entrou na Igreja como uma realidade a ser admitida, não para purificar e santificar, mas para conviver com ela.

Em suma, não há mais uma lei moral eclesiástica, uma lei divina, à qual os fiéis devem se conformar, mas a própria lei de Cristo se adapta às necessidades e instintos dos fiéis, é mais confortável. É a via caritatis.

Mas, a palavra de Deus é clara e afiada como uma espada de dois gumes. Não há meio termo. Não pequeis mais.

Una fides

Do Romano Pontífice ao último dos simples sacerdotes, ninguém exerce outra autoridade senão a de Jesus Cristo. Todos nós participamos do mesmo sacerdócio do Sumo Sacerdote. Não agimos livremente, com autoridade autônoma. Agimos em nome de Jesus Cristo, com Sua autoridade. E assim faremos quando nos submetermos aos ensinamentos do Magistério e da Tradição da Igreja.

Ao mesmo tempo em que o Senhor instituiu Seu Santo Sacrifício, Ele instituiu o sacerdócio. O sacerdócio católico surgiu do Santo Sacrifício de Jesus Cristo, está inserido, enxertado com a Paixão e Morte de Nosso Senhor. Exercemos nosso ministério a partir do Calvário, aos pés da Santa Cruz. Da Cruz pregamos a Ressurreição. A Santa Cruz é o caminho da Ressurreição.

Queridos irmãos e irmãs, o que aconteceu quando o sacerdote se afastou da Cruz? Quando você não a reconhece mais no Santo Sacrifício da Missa? A fé católica está desmoronando como um castelo de cartas. A confusão e o obscurecimento na fé em que nos encontramos jamais teriam ocorrido com a tradicional Santa Missa. Nela somos submetidos, pregados, amarrados, à Cruz, e o próprio Jesus Cristo, crucificado, em meio a dores indizíveis, nos confirma na verdadeira e inabalável fé católica, no verdadeiro caminho da salvação, no caminho estreito, no verdadeiro caminho da salvação da alma. Ave Maria Puríssima. (Fonte: El Español Digital)

Certo dia Nosso Senhor Jesus Cristo estava pregando, quando Lhe trouxeram alguns meninos para que Lhes abençoassem. Os Apóstolos tentaram afastá-los, mas o Divino Mestre lhes disse: "Deixai vir a mim estas criancinhas e não as impeçais, porque o Reino dos céus é para aqueles que se lhes assemelham" (Mt 19, 14). E acrescentou: "Se não vos...

O oficialismo progressista instalado em Roma há mais de uma década continua sua política de "cancelar" aqueles que, com liberdade de espírito, fingem servir a Jesus Cristo a partir da Ortodoxia e da Tradição. O que se entende por "cancelar" são todas as formas de ignorar, conspirar para silenciar, marginalizar, proibir a publicação nos meios de...