Pôr nomes de santos nas crianças

02/01/2024

"Vamos dar aos nossos filhos, desde o primeiro momento, um incentivo para o bem, através do nome que damos a eles. Que nenhum de nós tenha pressa em nomear seus filhos com o nome de seus antepassados, seu pai, sua mãe, seu avô ou bisavô, mas o nome dos justos, dos mártires, dos bispos e dos apóstolos. Que isso seja um incentivo para as crianças. Que um se chame Pedro, outro João e um terceiro seja nomeado em homenagem a algum outro santo. [...] Que os nomes dos santos entrem em nossas casas ao nomear filhos, e assim não só a criança, mas também o pai aprenderá sempre que pensar que é pai de um João, de um Elias ou de um Tiago. Pois, se o nome for conscientemente dado para honrar aqueles que já morreram, e nos lembrarmos de nosso parentesco com os justos, em vez de nosso parentesco com nossos antepassados, isso será uma grande ajuda para nós e para nossos filhos. Mesmo que seja uma coisa pequena, não a considerem uma ninharia, porque seu propósito é nos ajudar."

São João Crisóstomo (século 4), Tratado sobre a vanglória ou como os pais devem educar.

Por Bruno M.

O costume de nomear as crianças com nomes de santos, como pode ser visto no texto de São João Crisóstomo, vem das origens do cristianismo. Um tempo, aliás, em que a Igreja teve que criar esse costume do nada, lutando contra a tendência natural dos convertidos do paganismo de batizar seus filhos com o nome de seus avós ou parentes pagãos. Ou seja, uma tendência pagã que também sofremos agora, mas ao contrário, com a crescente predileção por nomes inventados, especialmente na América Latina.

Como todos os pequenos costumes cristãos, nomear crianças com nomes de santos tem uma força que excede em muito sua aparente ninharia. De uma forma muito simples, conecta a criança com a família da fé, tanto emocional quanto espiritualmente. A criança traz em seu próprio nome um sinal indelével de pertença à Igreja e de ser enxertada na fé católica, para que veja em si mesmo o cumprimento das palavras do Apóstolo: já não sois estranhos nem estranhos, mas concidadãos com os santos e membros da família de Deus.

Soma-se a isso a importância da celebração do dia do santo, outro costume cristão que caiu em desuso (embora espero que não entre os leitores). Ao celebrar o dia do santo, com parabéns, um pequeno presente, uma oração especial ou assistindo à missa, o cristão encontra seu lugar no calendário e nos momentos da Igreja, como a Quaresma, o Natal ou a Páscoa. Ou seja, ele sabe com certeza que tem um lugar no plano de Deus. Ele não é um cisco de pó movido pelo acaso e pelo acaso, mas sua existência cumpre o plano de Deus: é um filho amado do Altíssimo previsto e esperado desde toda a eternidade.

A vantagem mais importante desse costume, é claro, é que, desde o início de sua vida, ele dá à criança um intercessor especial no céu, a quem ele sabe que pode se voltar familiarmente, porque é seu santo. A criança rezará ao seu santo e seu santo rezará por ele, colocando em prática desta forma simples a comunhão dos santos para transformar a vida da criança (e do adulto que ela será mais tarde) com a onipotência da oração. Se, além disso, os pais contarem ao filho, primeiro como uma história e gradualmente com mais detalhes, como foi a vida do santo, seu amor a Deus, sua fé e suas obras de caridade ou seus milagres, o santo será um modelo de vida e uma demonstração de que a santidade pode ser alcançada com a graça de Deus. Se seu santo orava o tempo todo, por que ele não deveria? Se ele foi capaz de dar sua vida por Cristo e pelo amor dos homens, por que não deveria ser capaz de fazer o mesmo com a ajuda do céu? Se seu santo era santo, por que não deveria?

Em suma, não devemos perder o bom hábito, de quase dois milênios agora, de nomear nossos filhos com nomes de santos. Se esquecermos esse costume, estaremos desperdiçando a herança que lhes pertence e que foi confiada aos nossos cuidados. Vivemos um tempo difícil para os cristãos, e é bem possível que os problemas só aumentem: toda a ajuda que pudermos dar aos nossos filhos será pequena. Meus filhos têm os nomes dos mártires que aparecem no cânone romano e não é por acaso. Em tempos que infelizmente parecem estar chegando e provavelmente serão martírios, eles precisarão especialmente da intercessão de seus santos. (Fonte: INFOCATOLICA)

Queridos irmãos e irmãs, o que havia no tempo dos apóstolos? Pastores, dispersos ou reunidos em concílios, que ensinavam os fiéis, resolviam questões que surgiam, repreendiam os que erravam e separavam os que persistiam no erro. Havia fiéis que eram guiados e ensinados por seus pastores, que neles ouviam Jesus – qui vos auidit, me audit – que...