O pecado destrói a alma, mas também a saúde do corpo, por Padre Augusto Marín

01/03/2024

O padre Augusto Marín, sacerdote nicaraguense, é uma vocação tardia. Psicólogo de profissão, deixou a prática para abraçar a vida sacerdotal. Seu conhecimento de psicologia o ajuda na direção das almas. Nesta entrevista, ele discute a relação entre pecado, doença e morte.

Por Javier Navascués

Você é padre e psicólogo. Por que você está tão interessado na relação entre pecado, doença e morte?

Pois é evidente que a raiz da doença e da morte está no pecado. Nosso Bom Deus nos criou para a vida. No entanto, o pecado introduziu a doença e a morte. Quando perdemos a perspectiva espiritual do homem, sua criação e seu fim, perdemos também a possibilidade de um diagnóstico preciso da condição humana e, ao mesmo tempo, impossibilitamos a terapia integral adequada para tratar os problemas derivados dessa condição humana ferida pelo pecado.

Como o Catecismo desenvolve a ideia de que o pecado entrou no mundo através da morte?

O Catecismo, seguindo a Sagrada Escritura e a Tradição Oral, que constituem o depósito da fé católica, ensina que o salário do pecado é a morte, e que é através de um homem que o pecado entrou no mundo. Este pecado original nos priva da graça santificante e das feridas no intelecto (ignorância), na afetividade (paixões desordenadas) e na vontade (fraqueza para fazer o bem). O pecado original é apagado pelo sacramento do Batismo, que nos confere graça santificante, tornando-nos participantes da vida divina.

O pecado produz doença e morte. A doença, o sofrimento e a morte não podem ser plenamente compreendidos se Deus for expulso das ciências da saúde. A raiz de todos os nossos males está no fato de que, desde Adão e Eva, até agora, viramos as costas para o plano de Deus para o homem. Isso só pode produzir mais consequências do pecado. Entre essas consequências podemos distinguir a doença e a morte. De modo especial, esse mistério do mal se confirma quem sofre é uma criança.

Por que, então, a cura interior profunda é importante para uma vida equilibrada?

Porque a paz que vem de Deus afeta todo o nosso ser. Se o pecado produziu tantos efeitos negativos em nossas vidas, também podemos nos libertar desses efeitos atendendo à sua causa primária: o pecado. A reconciliação com Deus produz harmonia espiritual, psíquica e biológica. Curar interiormente é ser cheio da paz que só Deus pode dar. Alguns buscam essa paz em práticas de Meditação com origens nas religiões orientais. Nós, cristãos, temos uma Igreja Católica milenar, que, tendo percorrido os caminhos espirituais, é uma autoridade para nos ensinar a encontrar Deus e com aquela tão almejada paz interior. A cura interior é possível se estivermos dispostos a fazer um esforço naquilo que nos corresponde: ordenar nossas vidas de acordo com o Amor Divino. Uma vida ordeira é capaz de enfrentar qualquer obstáculo.

Por que é importante ir à raiz de nossas feridas?

Porque todo diagnóstico busca as causas do problema. Atendendo às causas, podemos estabelecer a terapia adequada. Se nos contentarmos em focar apenas nas consequências, teremos uma visão parcial e, portanto, distorcida da realidade.

Como a fé e a razão nos ajudam a ter equilíbrio interior, evitando uma vida desordenada e mais propensa a doenças?

Fé e razão são as duas asas com as quais alcançamos a Deus. Pela razão, orientamos nossas vidas para a correta compreensão da realidade segundo o critério da verdade. A razão, iluminada pela fé, eleva-nos das realidades imediatas às realidades sobrenaturais. Pela fé e pela razão o homem pode viver de acordo com o fim para o qual foi criado. Ao contemplar a verdade, o homem é capaz de descobrir dentro de si mesmo a grandeza a que é chamado. Por isso, organiza sua vida e equilibra todo o seu ser. Ordenou que as coisas descansassem, ensina Santo Agostinho.

Os filósofos clássicos viam que grande parte da sabedoria estava no autoconhecimento...

A interioridade resulta no encontro adequado com nós mesmos, que nos permitirá relacionarmo-nos uns com os outros com base na verdade. Só a verdade liberta. Esse autoconhecimento é dificultado por tanta dispersão e estímulo consumista do mundo atual, que transformou o próprio homem em produto de consumo, com o vazio existencial e todas as desordens que dele são geradas. Temos que nos voltar para dentro para encontrar Deus, para nos encontrarmos e, assim, encontrarmos os outros.

Os Padres da Igreja e os monges do deserto são mestres da cura da alma e trabalharam arduamente para combater ascética a inclinação para o pecado e para derrotar os vícios e as paixões desordenadas.

Tanto os Padres do Deserto como os Padres da Igreja encontraram a raiz dos males que afligem o mundo e se puseram na enorme tarefa de pôr a vida em ordem. A saúde espiritual, mental e física resultante pode ser vista na vida desses grandes heróis da fé. Neles podemos encontrar um caminho de cura tornado vivo. Seu seguimento do Evangelho nos legou, além de uma Escola de Espiritualidade, uma Escola de Terapia para nossa saúde integral. Hoje ninguém pode negar que a oração, o jejum, o retiro na solidão têm impactos positivos na nossa saúde. São Tomás de Aquino retoma todo esse ensinamento e o sintetiza, enfatizando a harmonia entre fé e razão para compreender e viver a verdade.

Por que o homem de hoje, tão interior à vida interior e tão disperso e caprichoso, está mais propenso a sofrer de todos os tipos de doenças por causa da desordem de sua vida?

O pecado traz em si o seu castigo, porque é uma rebelião contra a ordem de Deus. A ordem divina não pode ser perturbada sem sofrer consequências. Você não pode alterar as leis da natureza sem causar danos. Embora a ciência tenha progredido, o homem continua a contrair doenças espirituais, mentais e físicas. E diante disso, muitos vivem em um mundo de evasões, tentando ser felizes sem Deus e, ao mesmo tempo, sofrendo o fracasso de tamanha audácia. O Evangelho liberta-nos de toda a escravidão e é capaz de melhorar significativamente a nossa qualidade de vida. Não se trata de eliminar completamente a doença, o sofrimento e a morte neste mundo, mas de levar a vida de modo a reduzir ao máximo os riscos desnecessários de muitas doenças e sofrimentos. E aqueles que vêm por razões naturais, suportam-nos com uma atitude cristã.

Como você ajuda seus mentorados a curar suas feridas e combater maus hábitos?

Todo processo de cura começa com um olhar para a própria interioridade, a fim de contemplar como estamos vivendo e quais fatores de risco precisam ser alterados. A partir dessa etapa do processo, a atenção é direcionada para cada área da vida: espiritual, psíquica e física. Ensinar sobre crescimento espiritual e leis divinas faz parte da cura e da aquisição de virtudes. (Fonte: El Español Digital)

Comentários do Editor

Entre um de nossos canais e receba artigos todos os dias

Queridos irmãos e irmãs, o que havia no tempo dos apóstolos? Pastores, dispersos ou reunidos em concílios, que ensinavam os fiéis, resolviam questões que surgiam, repreendiam os que erravam e separavam os que persistiam no erro. Havia fiéis que eram guiados e ensinados por seus pastores, que neles ouviam Jesus – qui vos auidit, me audit – que...