O Papa agora permite a bênção de casais homossexuais e casais "irregulares"

18/12/2023

Com a declaração "Fiducia supplicans" do Dicastério para a Doutrina da Fé, aprovada pelo Papa, será possível abençoar casais do mesmo sexo, mas sem qualquer ritualização e imitação do casamento. Segundo o Vaticano, a doutrina sobre o casamento não muda, bênção não significa aprovar a união.

(InfoCatólica) O Dicastério para a Doutrina da Fé, aprovado pelo Papa, publicou hoje em um comunicado 'Fiducia supplicans'. Ele afirma que será possível abençoar casais homoafetivos em situações "irregulares".

Apesar do fato de que há dois anos, também aprovado pelo Papa, a então Congregação e agora Dicastério disse sobre as bênçãos homossexuais:

Por conseguinte, para ser coerente com a natureza dos sacramentais, quando uma bênção é invocada sobre certas relações humanas, é necessário — para além da justa intenção daqueles que participam — que o que é abençoado seja objetiva e positivamente ordenado para receber e expressar a graça, de acordo com os desígnios de Deus inscritos na Criação e plenamente revelados por Cristo Senhor. Portanto, somente as realidades que são em si mesmas ordenadas para servir a esses desígnios são compatíveis com a essência da bênção concedida pela Igreja.
Por essa razão, não é lícito conceder uma bênção às relações, ou mesmo aos casais estáveis, que envolvam uma prática sexual fora do casamento (ou seja, fora da união indissolúvel de um homem e uma mulher aberta, por si só, à transmissão da vida), como é o caso das uniões entre pessoas do mesmo sexo. A presença em tais relações de elementos positivos, que em si devem ser apreciados e valorizados, não é, no entanto, capaz de justificá-los e torná-los objeto lícito de uma bênção eclesial, porque tais elementos estão a serviço de uma união não ordenada ao plano de Deus.
(Responsum da Congregação para a Doutrina da Fé a um dúbio sobre as bênçãos das uniões entre pessoas do mesmo sexo)

Isso foi antes. Hoje, o novo documento gira em torno da justificativa e qualificação do ponto 31:

31. No horizonte aqui delineado está a possibilidade de bênçãos de casais em situação irregular e de casais do mesmo sexo, cuja forma não deve ser fixada ritualmente pelas autoridades eclesiásticas, para não causar confusão com a bênção própria do sacramento do matrimônio. Nesses casos, é concedida uma bênção que não só tem um valor ascendente, mas também é a invocação de uma bênção descendente do próprio Deus sobre aqueles que, reconhecendo-se como desamparados e necessitados de sua ajuda, não reivindicam a legitimidade de seu próprio status, mas rezam para que tudo o que é verdadeiro, bom e humanamente válido em suas vidas e relacionamentos seja restaurado. ser dotado, santificado e elevado pela presença do Espírito Santo. Estas formas de bênção exprimem uma súplica a Deus para que conceda as ajudas que provêm dos impulsos do seu Espírito – que a teologia clássica chama de "graças reais" – para que as relações humanas amadureçam e cresçam na fidelidade à mensagem do Evangelho, se libertem das suas imperfeições e fragilidades e se expressem na dimensão cada vez maior do amor divino.

Não se sabe o que significa a ressalva de que "não reivindicam a legitimidade de seu próprio status", já que esse tipo de objetificação deixa de fazer sentido ao aplicar a Amoris Laetitia, do papa Francisco. Da mesma forma, o parágrafo 25 afirma que "portanto, quando as pessoas invocam uma bênção, ela não deve ser submetida a uma análise moral exaustiva como pré-condição para poder conferi-la". O escrutínio da "legitimidade" pertence ou não à "análise moral"? Também é estranho porque na Bênção não são necessárias condições, alguns interpretam-na como o argumento da palha cortada.

Logicamente, e como acontece frequentemente nestes casos, 68% das citações são ao próprio Papa Francisco e o restante a documentos como a Bênção ou a liturgia.

O chamado argumento "pastoral" pretende dar a entender que o que está sendo aprovado não está sendo aprovado.

Em outubro, foram publicadas as perguntas à dúbia, que o Papa não quis responder e das quais os cardeais, nas suas próprias palavras, disseram que "não resolveram as dúvidas que levantamos, mas, quando muito, as aprofundaram".

Sua Santidade insistiu que não pode haver confusão entre o casamento e outros tipos de uniões de natureza sexual e que, portanto, qualquer rito sacramental ou bênção de casais do mesmo sexo que possa dar origem a tal confusão deve ser evitado. Nossa preocupação, no entanto, é outra: estamos preocupados que a bênção de casais do mesmo sexo possa criar confusão em qualquer caso, não apenas no sentido de que possa fazê-los parecer análogos ao casamento, mas também no sentido de que os atos homossexuais seriam apresentados praticamente como um bem, ou pelo menos como o bem possível que Deus pede às pessoas a caminho dEle. Vamos reformular, então, nosso dúbio: é possível que, em algumas circunstâncias, um pastor possa abençoar uniões entre pessoas homossexuais, sugerindo assim que o comportamento homossexual como tal não seria contrário à lei de Deus e à jornada da pessoa em direção a Deus? Ligado a essa "dubia", é necessário perguntar a outro: ainda é válido o ensinamento sustentado pelo magistério ordinário universal, segundo o qual todo ato sexual fora do casamento, e em particular os atos homossexuais, constituem um pecado objetivamente grave contra a lei de Deus, independentemente das circunstâncias em que ocorre e da intenção com que é realizado?

A dúvida permanece.

Em outubro, Dom Munilla, em seu canal no YouTube "Eu confio em você", explicou por que a Igreja não pode abençoar as uniões homossexuais hoje ou nunca, em consonância com a Revelação, a Tradição e o Magistério antigo ou recente, como

  • Carta sobre a Pastoral da Pessoa Homossexual – Homosexualitatis Problema, 1986
  • Algumas Considerações Sobre a Resposta às Propostas de Lei de Não Discriminação de Pessoas Homossexuais, 1995
  • Considerações sobre Projetos de Reconhecimento Legal de Uniões entre Pessoas Homossexuais, 2003

Ou, mais especificamente, o que o próprio Papa Francisco havia aprovado, Responsum da Congregação para a Doutrina da Fé a um dúbio sobre as bênçãos das uniões homoafetivas, 2021

Tudo girava em torno do mesmo princípio, você sempre pode abençoar o pecador, não o pecado. (Fonte: INFOCATOLICA) DEIXE SEU COMENTÁRIO

1-Já pratiquei superstição ou ocultismo? Acredito sem hesitação nos ensinamentos da Igreja sem criticar seus pastores? Recebi a Comunhão em pecado mortal? Recebi a Confirmação ou o Casamento em pecado mortal? Jurei desnecessariamente ou falsamente? Eu menti ou omiti algum pecado mortal do sacerdote na Confissão? Profanei o Templo, os objetos ou as...

Desde o Concílio Vaticano II, a religiosidade popular tem sido promovida e até exaltada como expressão legítima da fé nos leigos. E é claro que não se pode, nem se deve, negar ou fazer uma alteração total de tal realidade e efeitos espirituais positivos para as almas; almas que, talvez por esse meio, tenham sido integradas à vida sacramental...