O ímpio

09/01/2024

O ímpio, diz São Boaventura, é um junco. O junco cresce na lama, cede aos ventos, não produz nada e é volúvel; Faz barulho, é leve, vil, fraco, quebra e só serve para o fogo. Tais são os ímpios. Este é o impenitente, aquele que se alegra com seu pecado e com a ofensa contra Deus, para quem não há temor de Deus, nem remorso de consciência; aquele que não faz nada além de justificar-se, aquele que não reconhece outra autoridade moral senão a si mesmo e seus desejos. Este é o impenitente, o profano, o falso entre os falsos, o miserável entre os miseráveis, o vil entre os vis, corrompidos além da crença.

Por P. Juan Manuel Rodríguez de la Rosa

O homem que vive como ímpio não é mais um homem, porque aquele que vive sem razão, sem princípios, sem regra, sem crença, sem costumes, que Ele abusa de sua própria alma, de suas faculdades, de seu corpo e dos dons de Deus, não é um homem, é um humano, é um ser moral e espiritualmente desfigurado, é um ser temível e destrutivo. Os ímpios são "como esterco à terra" (Sl. 82:11).

Aqueles que se afastam de Deus, diz o profeta Jeremias, serão escritos no pó, porque abandonaram a fonte das águas vivas que é o Senhor (17:13). Seus nomes estão escritos na terra, na areia, ou seja, são aqueles que vivem apenas para a terra, e são conhecidos apenas da terra. Os justos, por outro lado, estão inscritos no céu. Além disso, aqueles que estão inscritos na terra são esquecidos, sua memória, seu nome, sua reputação foram perdidos, porque o que está escrito na poeira é facilmente destruído pelo vento ou pelo pé que pisoteia a terra. Os ímpios serão escritos na terra, isto é, no inferno, onde são esperados. Pois o impenitente, obstinadamente fechado à ação da graça, à infinita misericórdia de Deus, aos meios de salvação que a Igreja lhe propõe, que guarda no coração suas próprias iniquidades gravadas no fogo, merece ser apagado do livro da vida e ser inscrito no livro da eterna reprovação.

O Senhor apaga o nome dos ímpios para sempre e para a eternidade (Sl. 9:5). O olhar de Deus cai sobre os ímpios, e ele apaga a memória dele da terra (Sl 33:17). A descendência dos ímpios será apagada (Sl. 36:28). Vi o mais poderoso perverso, e se espalhando como um cedro frondoso. Mas novamente passei, e eis que não era mais (Sl. 36:35).

Na verdade, a vida do ímpio é um "inferno", sua luxúria e impenitência o mantêm em constante estado de desejo, porque os desejos o dominam, o governam, o dirigem, ele não tem descanso, não tem paz. Ele está sempre perturbado, pois não conhece a paz da alma e a alegria no Espírito Santo. Sim, o fruto da impiedade é a turbulência, a agitação da alma, a angústia de um desejo nunca satisfeito e cada vez mais crescido. É agitado interiormente como um mar revolto cujas ondas não param de lançar lama e espuma.

Sua esperança é vã porque lhe falta a graça santificante, que ele rejeita. Sente falta da sua vida, desperdiça-a, desperdiça-a, desperdiça-a, porque não conhece a luz resplandecente da justiça divina na sua inteligência. Talvez o ímpio brilhe em seu entorno, e seja louvado por suas qualidades falsas e frágeis, mas no dia do julgamento, que ele zombou, seu "brilho" se apagará e, como o que ele é, "junco", ele será lançado no fogo eterno para queimar sem descanso.

Ave Maria Puríssima. (Fonte: El Español Digital)

Queridos irmãos e irmãs, o que havia no tempo dos apóstolos? Pastores, dispersos ou reunidos em concílios, que ensinavam os fiéis, resolviam questões que surgiam, repreendiam os que erravam e separavam os que persistiam no erro. Havia fiéis que eram guiados e ensinados por seus pastores, que neles ouviam Jesus – qui vos auidit, me audit – que...