O Desenvolvimento e a Fundação do Dogma da Imaculada Conceição

08/12/2023

(Mercaba) - Ou concepção sem mancha de pecado (original). Esta expressão indica de forma negativa a presença de Maria pela graça singular no contexto da santidade de Deus desde o primeiro momento da sua existência. É uma verdade do mistério da Mãe de Jesus, que amadureceu na consciência da Igreja através de um lento caminho de meditação da fé e reflexão teológica, solenemente definida como verdade de fé por Pio IX na Bula Ineffabilis Deus de 8 de dezembro de 1854.

Na comunidade cristã, os protestantes não reconhecem essa verdade, porque ela não é explicitamente atestada na Sagrada Escritura; Os cristãos ortodoxos, embora confessem em várias expressões a santidade plena e radical de Maria, não aceitam a verdade dogmática da "Imaculada Conceição" porque recorrem a uma concepção teológica diferente para expressar a singularidade da situação da Virgem e porque não reconhecem o magistério papal infalível.

É importante ter em conta o caminho secular que levou a Igreja à formulação deste dogma mariano e tentar apreender e ilustrar o seu verdadeiro significado no contexto da verdade cristã mais ampla e complexa, centrada em Jesus Cristo, Filho de Maria.

Desenvolvimento do dogma na consciência de fé do povo cristão e no pensamento teológico, intervenções do Magistério.

O dogma da Imaculada Conceição de Maria representa talvez o caso mais palpável da importância fundamental do sentido de fé da Igreja como sujeito crente e, mais particularmente, como povo que vive a sua fé intuitiva e espontaneamente, mesmo "contra" as dificuldades apresentadas pela teologia. "Um fato claro pode ser deduzido da história do dogma da Imaculada Conceição: a precedência do senso cristão popular, intuitivamente a favor do privilégio mariano, sobre a teologia, por muito tempo hesitante a favor ou contra, e sobre o Magistério, que só se pronunciou definitivamente em 1854" (St. de Fiores, Inmaculada, in Nuevo diccionario de mariología, San Pablo, Madrid 1988, 912).

O que as fontes bíblicas nos dizem sobre essa verdade? No Antigo Testamento há uma alusão à mulher que esmagará a cabeça da serpente tentadora (cf. Gn 3, 15): nos Evangelhos falamos de Maria, «cheia de graça» (Lc 1, 28): no livro do Apocalipse encontramos a mulher que escapa ao domínio do dragão (cf. Ap 12). Nessas três passagens não há nenhuma indicação formal do fato da Imaculada Conceição de Maria, mas apenas alguns indícios obscuros dela. No entanto, o povo cristão, com seu senso de fé, baseando-se precisamente nessas passagens bíblicas e em outras menos relevantes, considerou e invocou Maria, a totalmente santa e sem pecado, desde os primeiros séculos.

No Oriente, a partir do século VII, especialmente com Santo André de Creta, São Germano de Constantinopla e São João Damasceno, as pessoas começaram a falar da santidade original de Maria e a celebrar a festa de sua Conceição. Esta festa passou para o Ocidente no século IX e se espalhou a partir do século XI em todos os lugares, apesar da oposição de grandes santos e teólogos. Essa oposição foi motivada pelo fato de que a teologia ocidental, a partir de Santo Agostinho, considerava Maria, por um lado, cheia de graça, mas para reagir contra o pensamento pelagiano que negava o pecado original e a necessidade universal de redenção em Cristo: afirmava, por outro lado, que Maria, como membro da humanidade pecadora, Ela havia contraído pecado original antes, como todos os seres humanos que eram filhos de Adão, e mais tarde foi redimida por seu filho Jesus Cristo. Os maiores médicos medievais também seguiram essa linha: São Bernardo, Santo Anselmo, São Tomás e São Boaventura.

De qualquer forma, também no campo teológico, já no século XI (especialmente Eadmerus) iniciaram-se algumas reflexões que tentavam fundamentar a legitimidade teológica da piedade popular. Uma contribuição decisiva a esse respeito foi a do teólogo franciscano J D. Scotus (+ 1308), que propôs primeiro como "provável" e depois como "possível" a tese de que a ação redentora de Cristo com sua mãe deveria ser considerada não como libertadora, mas como preservação do pecado original. Com esta proposta, o grande teólogo manteve a universalidade do pecado e da função redentora universal de Cristo, mas apontou para uma influência redentora de Cristo sobre a sua mãe que era mais radical, mais perfeita do que aquela que ele exercia sobre os outros seres humanos (cf. 0. 3, d. 3, q. 1). A proposta de Scotus, retomada e defendida no campo teológico pelos franciscanos, foi conquistando gradualmente, ainda que com algum esforço, o consenso da maioria do mundo teológico e dando um sólido fundamento doutrinário à intuição de fé do povo e à práxis litúrgica há muito afirmada.

O Magistério da Igreja começou a intervir nesta questão. O Concílio de Constança em 1438 (que então ainda era cismático) declarou que esta doutrina estava "em conformidade com a fé".

Sisto IV aprovou oficialmente a festa e uma missa contendo a afirmação da verdade mariana (privilégio): o Concílio de Trento, ao tratar do pecado original, afirmou que não pretendia compreender em seu decreto a bem-aventurada e imaculada Virgem Maria (DS 1516): Clemente XI em 1708 estendeu a festa à Igreja universal: Pio IX proclamou como verdade de fé "a doutrina que sustenta que a Bem-Aventurada Virgem Maria foi preservada imune de toda mancha de culpa original no primeiro instante de sua concepção pela graça e privilégio singulares de Deus Todo-Poderoso, em vista dos méritos de Cristo Jesus, o Salvador do gênero humano" (DS 2803). Desde então, os Sumos Pontífices, especialmente Pio XII com a Encíclica Fulgens Corona de 1953, intervieram várias vezes para confirmar, esclarecer e aprofundar o significado desta verdade mariana, proclamada também pelo Vaticano II (cf. LG 56; 59).

Fundamentos e Significado Teológico do Dogma da Imaculada Conceição

O fundamento desta verdade/privilégio mariano é a maternidade divina de Maria. A plenitude da graça com que Deus a adornou desde o primeiro momento da sua existência encontra a sua razão fundamental no facto de ela estar destinada a tornar-se a mãe do Filho de Deus, a redentora do pecado da humanidade.

A esta razão deve acrescentar-se também a da cooperação activa da Mãe de Jesus na derrota do pecado e do mal no mundo: Aquela que tinha sido chamada a dar a sua generosa e singular colaboração na obra redentora do Filho, tanto na realização do acontecimento redentor como na sua fecunda "assimilação" pelos homens ao longo dos séculos ("maternidade espiritual"). foi feita por Deus radicalmente imune, desde o início, às picadas do mal/cobra.

Ao indicar o significado teológico e espiritual desta verdade mariana, a teologia recente caminha nestas direções: Maria é a "toda santa" por iniciativa soberana de Deus e nisso e nisso constitui um reflexo luminoso da santidade de Deus na história humana, marcada pelo pecado, bem como por uma realização exemplar da santidade a que a Igreja é chamada.

Maria Imaculada é o início luminoso daquele mundo renovado que Deus veio implantar na história através de Cristo na força do Espírito, bem como o ponto de referência e orientação para os seus irmãos e irmãs que lutam incansavelmente contra as forças do mundo corrupto. Sua sublime santidade não a afasta de seus irmãos, mas indica brilhantemente a meta para a qual Deus, por pura graça, chama todos os homens em um mundo de pecado. (Fonte: InfoVaticana)

Queridos irmãos e irmãs, o que havia no tempo dos apóstolos? Pastores, dispersos ou reunidos em concílios, que ensinavam os fiéis, resolviam questões que surgiam, repreendiam os que erravam e separavam os que persistiam no erro. Havia fiéis que eram guiados e ensinados por seus pastores, que neles ouviam Jesus – qui vos auidit, me audit – que...