O bispo Strickland pede para rejeitar "qualquer ideia que se afaste dos ensinamentos perenes da Igreja Católica"

11/10/2023

O bispo Joseph Strickland, de Tyler, continua a divulgar sua carta de agosto passado em defesa dessas verdades que não podem ser mudadas por este Sínodo.

No meio de tanto caos e confusão, este bispo americano continua a ser um raio de luz no meio de tanta escuridão. Strickland sabe bem que seu impacto não se limita apenas ao território americano, mas graças às redes sociais e aos meios de comunicação cruza fronteiras e atinge milhares de católicos em todo o mundo.

Esta é a nova carta que o prelado texano publicou:

Meus queridos filhos e filhas em Cristo,

É uma honra e uma alegria continuar a compartilhar com vocês as verdades básicas de nossa fé católica, enquanto agora nos aprofundamos na sexta verdade que delineei em minha Carta Pastoral de 22 de agosto de 2023: "A crença de que todos os homens e mulheres serão salvos independentemente de como vivem suas vidas (um conceito comumente conhecido como universalismo) é falsa e perigosa, uma vez que contradiz o que Jesus nos diz repetidamente no Evangelho.

Jesus diz que devemos 'negar-nos a nós mesmos, tomar a nossa cruz e segui-Lo'. (Mateus 16:24). Ele nos deu o caminho, por meio de Sua graça, para a vitória sobre o pecado e a morte por meio do arrependimento e da confissão sacramental. É essencial que abracemos a alegria e a esperança, bem como a liberdade, que vêm do arrependimento e da humilde confissão de nossos pecados. Por meio do arrependimento e da confissão sacramental, cada batalha contra a tentação e o pecado pode ser uma pequena vitória que nos leva a abraçar a grande vitória que Cristo conquistou para nós".

Somos todos pecadores e todos precisamos de um Salvador porque todos nascemos no pecado original e, portanto, estamos sujeitos às suas consequências. (Rm 5, 12-21). O pecado original foi o primeiro pecado cometido por nossos primeiros pais, Adão e Eva, em desobediência a Deus. Esse pecado original é agora uma mancha hereditária com a qual todos nascemos por causa de nossa descendência de Adão e Eva. Portanto, o pecado original é uma privação contínua da graça de Deus e, por causa de seu efeito em nossas vidas, nós, como seres humanos, nascemos em um estado de separação de Deus.

Se fôssemos deixados neste estado de pecado original, estaríamos eternamente separados de Deus, porque nada de impuro pode entrar no Céu. (Ap 21,27). No entanto, através do batismo, Deus abriu um caminho para que sejamos justificados Nele, somente por meio de Jesus Cristo, e para remover não apenas a mancha do pecado original de nossos primeiros pais que carregamos, mas também a mancha de todos os pecados reais que nós mesmos carregamos. cometer. E para nossos pecados depois de termos sido batizados, Deus nos deu o Sacramento da Reconciliação (também chamado de Confissão ou Penitência) para nos permitir arrepender-nos e sermos purificados da mancha de nossos pecados.

Do Catecismo da Igreja Católica lemos que "O pecado é uma ofensa contra Deus: 'Contra ti, só contra ti pequei, e fiz o mal aos teus olhos'. O pecado se opõe ao amor de Deus por nós e afasta nosso coração d'Ele. Como o primeiro pecado, é a desobediência, uma rebelião contra Deus através da vontade de se tornarem "como deuses", conhecendo e determinando o bem e o mal. O pecado, então, é "amor próprio ao desprezo de Deus". Nesta orgulhosa exaltação de si mesmo, o pecado é diametralmente oposto à obediência a Jesus, que realiza a nossa salvação". (CCC 1850).

Essa primeira frase está cheia de uma profunda visão teológica: "O pecado é uma ofensa contra Deus". Considere Deus infinitamente bom e santo, e Ele é amor infinito. Assim, segundo São Tomás de Aquino em sua Suma Teológica, quando pecamos, pecamos contra o infinito e, portanto, nossos pecados são infinitamente ofensivos a ele. "Ora, o pecado cometido contra Deus é infinito: porque a gravidade do pecado aumenta de acordo com a grandeza da pessoa contra a qual se peca (portanto, é um pecado mais grave ferir o soberano do que ferir um particular) e a grandeza de Deus é infinita. Portanto, uma punição infinita é devida por um pecado cometido contra Deus". (Suma Teológica; I-II, q.87, a. 4, obj. 2).

Em nossa sociedade de hoje, tão afligida pelos erros do relativismo moral, a tentação é muito forte para olhar para o peso do pecado de uma perspectiva humana em vez de uma perspectiva divina. Inventamos desculpas para nossos pecados, explicando que as coisas que fazemos "não são tão ruins". Além disso, há a tentação de se vangloriar da misericórdia de Deus, supondo que certamente um Deus amoroso e misericordioso ignorará nossa desobediência e falhas, mesmo que não busquemos o perdão porque Ele é infinitamente misericordioso.

Essa linha de pensamento às vezes progride para assumir que, em última análise, a salvação será oferecida a todas as pessoas simplesmente porque Deus é infinitamente misericordioso e, portanto, todos os homens serão salvos. Esse é o erro do universalismo. Esse erro pode levar alguém a perguntar: "Qual é, então, o significado da conversão do coração a Jesus Cristo? Por que se preocupar em seguir a Cristo? Isso é extremamente perigoso, pois nos impede de ver a necessidade de arrependimento verdadeiro e autêntico.

É uma indiferença mortal que põe em perigo nossas almas imortais e nos coloca em risco eterno de separação de Deus. "Porque o salário do pecado é a morte, mas o dom de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus, nosso Senhor." (Romanos 6:23). Embora Deus faça uma adaptação para nossa natureza humana fraca e decaída, essa adaptação é através dos sacramentos do Batismo e da Reconciliação (confissão sacramental) que nos movem para um relacionamento correto com Nosso Salvador Jesus Cristo, somente por meio do qual vem nossa salvação.

O pecado prejudica nosso relacionamento com Deus e nos impede de compartilhar Sua vida de graça, e não podemos restaurar essa vida de graça por nós mesmos, pois somos seres finitos com apenas capacidades finitas, e Aquele a quem ofendemos pelo pecado é infinito. Não somos capazes de fazer reparos infinitos. Assim, só podemos restabelecer uma vida de graça através Daquele que é infinito. Só ele é capaz de restaurar a vida. "Quando os discípulos ouviram isso, ficaram muito espantados e disseram: Quem então pode ser salvo? Jesus olhou para eles e disse: 'Para os homens isso é impossível, mas com Deus todas as coisas são possíveis'" (Mateus 19:25-26). A salvação só vem por meio de Jesus (Atos 4,12). A graça salvadora que Jesus Cristo ganhou para nós na cruz é um dom gratuito de Deus que o homem recebe por meio do arrependimento, da fé e do batismo.

Uma palavra-chave sobre a qual gostaria que refletissemos nesta discussão é "metanoia". Esta palavra grega significa "mudança no modo de vida resultante da penitência ou conversão espiritual". Essa mudança está no cerne do que significa ser um discípulo de Jesus Cristo e, embora envolva uma escolha inicial de dar a volta por cima e seguir a Cristo, a metanóia na verdade denota um modo de vida que busca mudanças constantes para seguir Jesus Cristo mais completa e profundamente. Muitas das histórias dos maiores santos envolvem metanóias profundas: Santo Agostinho, Santo Inácio de Loyola, São Francisco de Assis, Santa Maria Madalena e Santa Teresa Benedita, para citar apenas alguns. Suas histórias envolvem um afastamento dramático do pecado e uma escolha clara de mudar para sempre e seguir Jesus Cristo.

Agora que examinamos o grande perigo do universalismo (e de negar que o preço do pecado é a separação eterna de Deus, a menos que abracemos o chamado para nos arrependermos do pecado e vivermos no caminho de Jesus Cristo), como podemos caminhar em direção à alegria e à felicidade? A esperança, assim como a liberdade, que vem do verdadeiro arrependimento e do voltar-se para Cristo? Em termos mais simples, a resposta para como fazemos isso é viver nossa fé católica na Palavra e no Sacramento. A Palavra de Deus contida nas Sagradas Escrituras alimenta-nos neste caminho e aponta-nos sempre para a verdade; e os sacramentos – instituídos pelo próprio Cristo – nos oferecem encontros com a graça de Deus que nos fortalecem ao longo do caminho, transformando-nos de pecadores em salvos.

À medida que aprofundamos nossa compreensão dos sacramentos e, em particular, dos sacramentos do Batismo, da Confirmação e da Reconciliação (também chamados de Confissão ou Penitência), mergulhamos mais fundo na metanóia que todos somos chamados a abraçar. Esses três sacramentos particulares se complementam à medida que nosso relacionamento com Jesus Cristo cresce. Embora a Igreja reconheça que Deus é soberano e, portanto, não é obrigado a dispensar Sua graça apenas por meio dos sacramentos, reconhecemos que os sacramentos são essenciais para a vida cristã e são os meios ordinários que Deus nos deu para que possamos receber a graça santificante e a salvação que Ele ganhou para nós na cruz.

É claro que o batismo é o sacramento necessário de nosso arrependimento inicial, conversão e incorporação à vida cristã. Ele liberta-nos do pecado original e dá-nos graça santificante, permitindo-nos participar na sua vida e amor. Um elemento belo e essencial do ensinamento da Igreja é o caráter indelével (permanente) que o batismo confere à pessoa; Nunca se pode ser desbatizado. No Credo Niceno, que recitamos na Missa, confessamos "um batismo para o perdão dos pecados". O grande conforto aqui é que, uma vez configurados a Cristo, sempre podemos retornar a Ele, não importa o quão longe tenhamos nos desviado em nossa pecaminosidade, se apenas nos arrependermos e confessarmos nossos pecados. Assim, o Batismo nos configura permanentemente a Cristo e nos dá a graça de viver essa nova relação.

A confirmação é mais profundamente um fortalecimento do dom original da vida no Espírito Santo que recebemos no Batismo. O Pentecostes, como descrito nos Atos dos Apóstolos, pode ser entendido como a Confirmação dos Apóstolos no Espírito Santo, e podemos ver claramente a força espiritual que eles receberam ao formar a Igreja em seus primórdios. Somos abençoados com os mesmos dons do Espírito Santo quando somos confirmados, e este sacramento nos dá a força para nos afastarmos constantemente do pecado e nos aproximarmos do Sagrado Coração de Cristo.

Finalmente, o Sacramento da Reconciliação (ou Confissão ou Penitência) pode ser descrito como o sacramento da metanóia contínua. Todos nós tropeçamos na pecaminosidade e somos chamados a confessar humildemente nossos pecados e lutar por uma santidade mais profunda. No nosso caminho contínuo de fé, o Sacramento da Reconciliação é de importância crítica e todos devemos compreender que é um encontro amoroso com o mesmo Jesus Cristo que recebemos na Eucaristia. A beleza deste sacramento é que ele expressa a abundante misericórdia de Deus e enfatiza que Ele nunca "tem prazer na morte dos ímpios", mas constantemente lhes dá a oportunidade de "se afastarem de Seus caminhos e viverem". (Ezequiel 33:11). Como diz o Catecismo: "Aqueles que se aproximam do sacramento da Penitência obtêm da misericórdia de Deus o perdão da ofensa cometida contra Ele e, ao mesmo tempo, reconciliam-se com a Igreja que feriram pelos seus pecados e que, com caridade, exemplo e oração, trabalha pela sua conversão". (CCC 1422).

Ao enfrentarmos os desafios do mundo e da Igreja de hoje – e em particular com a confusão do Sínodo sobre a Sinodalidade enquanto escrevo isto – lembremo-nos de que só há um caminho para a vida eterna: "Jesus disse-lhe: 'Eu sou o caminho, a verdade e a vida. Ninguém vem ao Pai senão por mim» (Jo 14, 6). Nosso Senhor também nos diz claramente que nem todos serão salvos: "Nem todo aquele que me diz: 'Senhor, Senhor', entrará no reino dos céus, mas somente aquele que faz a vontade de meu Pai que está nos céus". (Mateus 7:21). Por isso, é imperativo que permaneçamos firmemente ancorados no Depósito Sagrado da Fé e rejeitemos quaisquer ideias que se desviem dos ensinamentos perenes da Igreja Católica.

Isso inclui qualquer pessoa que, em nome do ecumenismo ou do diálogo, promova o erro do universalismo ou tente oferecer um caminho de salvação que não seja por meio de Jesus Cristo e Sua Igreja. A trágica tentação de eviscerar o sentido de Sua Vida através do chamado universalismo que O torna sem sentido é uma grande manifestação do mal que enfrentamos hoje.

Rejeitemos a noção de que somos todos salvos sem a necessidade de metanóia e, em vez disso, abracemos a maravilhosa metanóia que Deus nos oferece apenas por meio de Seu Filho. Foi-nos dado o maior e mais precioso presente imaginável; Vamos reconhecer esse dom e compartilhá-lo com um mundo que precisa desesperadamente de Jesus Cristo, nosso Senhor e Salvador! Para concluir, alegremo-nos e alegremo-nos, porque Deus nos ama e nos chama a Si mesmo.

Ele construiu uma ponte em forma de cruz para que nosso pecado não nos mantivesse separados dEle, e Ele nos deu os sacramentos do Batismo, da Confirmação e da Reconciliação para que cruzássemos essa ponte e fôssemos adotados na família de Deus. . Jesus Cristo, o Filho de Deus, foi concebido no seio da Bem-Aventurada Virgem Maria, nasceu em Belém, viveu e ensinou entre nós, sofreu e morreu por nós, e ressuscitou dentre os mortos.

Ele fez tudo isso para nos libertar do pecado e da morte, e para nos oferecer a oportunidade de obter a vida eterna com Deus Pai, Filho e Espírito Santo. Essa é a Boa Nova e devemos compartilhá-la com alegria com o mundo! Ele foi concebido no ventre da Bem-Aventurada Virgem Maria, nascido em Belém, viveu e ensinou entre nós, sofreu e morreu por nós, e ressuscitou dentre os mortos. Ele fez tudo isso para nos libertar do pecado e da morte, e para nos oferecer a oportunidade de obter a vida eterna com Deus Pai, Filho e Espírito Santo. Essa é a Boa Nova e devemos compartilhá-la com alegria com o mundo! Ele foi concebido no ventre da Bem-Aventurada Virgem Maria, nascido em Belém, viveu e ensinou entre nós, sofreu e morreu por nós, e ressuscitou dentre os mortos. Ele fez tudo isso para nos libertar do pecado e da morte, e para nos oferecer a oportunidade de obter a vida eterna com Deus Pai, Filho e Espírito Santo. Essa é a Boa Nova e devemos compartilhá-la com alegria com o mundo!

Que Deus Todo-Poderoso vos abençoe, meus irmãos, e que continuemos a fortalecer-nos na fé e a voltar sempre o nosso coração para Jesus Cristo, que é a nossa salvação. que você deseja incluir estatísticas.

Permanecendo como seu humilde pai e servo,
Reverendíssimo Joseph E. Strickland
Bispo de Tyler (Fonte: Infovaticana)

Um bispo anglicano, referindo-se ao protestantismo, disse que ele consiste em acreditar em tudo o que você quer e fazer tudo o que você acredita. O protestantismo aceita essa afirmação sem surpresa, porque é a realidade de sua doutrina. Ele não sabe indicar o que é necessário para ser cristão, aliás, sustenta que é inútil saber. Não tem símbolo...