Natividade da Virgem Maria

08/09/2023
"Feliz aniversário, Maria abençoada."
- Santa Maria, Mãe do Salvador, Cheia de graça desde a sua concepção. Mãe de Deus e nossa Mãe.

O Senhor revelou o pecado original a Israel desde o princípio, desde a queda de Adão e Eva (Gn 3). E os judeus conheciam sua própria condição pecaminosa, congênita para todos os homens: "Na culpa nasci, minha mãe me concebeu pecador" (Sl 50:7). Mas o Senhor, depois da queda, amaldiçoou o diabo no Éden: "Coloco inimizade perpétua entre ti e a mulher" (3:15). E quando fundou o povo escolhido, prometeu a Abraão que «todas as famílias da terra serão abençoadas em vós» (Gn 12, 3). Israel, ao longo dos séculos, alternando fidelidades e pecados, persevera na esperança de um Salvador, de uma nova Eva, que vencerá o diabo.

Por padre José María Iraburu

Israel espera o Salvador, sim; mas também à sua origem misteriosa no mundo, porque sabe que «o próprio Senhor vos dará o sinal: Eis que a virgem grávida dá à luz um filho, e o nomeia Emanuel», Deus conosco (Is 7, 14).

O Nascimento da Bem-Aventurada Virgem Maria

No nascimento de Maria, uma luz maravilhosa é finalmente acesa nas trevas do mundo. A Aurora da Luz, predestinada por Deus, pelo poder do Espírito Santo, leva-nos ao Salvador que vem «iluminar os que estão nas trevas e nas sombras da morte, para endireitar os nossos passos no caminho da paz» (Lc 1, 29). A primeira Eva nos trouxe pecado, trevas e morte. A nova Eva nos traz graça, luz e vida.

É lógico que no Ano Litúrgico da Igreja a memória dos santos é celebrada no dia de sua morte. É então que o seu crescimento na vida da graça parou; E quando passam definitivamente da morte para a vida: é o dies natalis. Somente a Igreja celebra o nascimento de Jesus, Maria e São João Batista. Celebramos o nascimento de Maria porque desde antes de nascer ela já está cheia de graça, livre de todo pecado, preservada em santidade total para se tornar a Mãe de Jesus. E celebramos o nascimento de São João Batista porque ele foi santificado antes de nascer: "Então Isabel ouviu a saudação de Maria, o menino tremeu de alegria em seu ventre" (Lc 1,41), e foi purificado pela presença de Jesus no ventre de Maria, que foi feita Ostensório Eucarístico.

O nascimento de Maria é a glória da natureza humana

Nascida Maria segundo as leis da natureza humana, e escolhida para a Maternidade divina, Ela nos mostra que nossa natureza não é uma natureza corrupta, incapaz de receber a salvação, e muito menos a filiação divina. É por isso que ele canta a liturgia Tota pulchra es, Maria, et macula originalis non est in te... Tu, glória Jerusalém, Tua laetitia Israel, Tua honorificentia populi nostri... Nascida sem pecado, cheia de graça, nela, filha de Abraão, da linhagem de Davi, "todas as nações da terra serão abençoadas", porque ela nos traz o Salvador do mundo. Com toda a humildade e verdade, ela declara de si mesma: «Todas as gerações me chamarão bem-aventurada» (Lc 1, 48). Isso mesmo, e assim será para todo o sempre. Amém.

Enquanto o ancião Simeão toma em seus braços o menino Jesus, apresentado no templo, hoje na Igreja tomamos nos braços de nossa fé e caridade a recém-nascida Maria. E abençoando a Deus dizemos: "Agora, Senhor, podes deixar o teu servo ir em paz, porque os meus olhos viram a origem da nossa salvação" (cf. Lc 2,29).

Sabemos que esta menina será Mãe do Salvador do mundo, a Mãe de Deus, a "mulher envolta no sol, com a lua debaixo dos pés, e sobre a cabeça uma coroa de doze estrelas" (Ap 12,1). Texto misteriosamente relacionado ao do Gênesis: "Esmagará-lhe a cabeça quando a ferir no calcanhar" (Gn 3,15).

Infinito em humildade e majestade

No maravilhoso plano do Deus providente, Maria nasce como uma humilde filha de Davi, de uma raça davídica sem glória mundana. Ele vive na desprezada Galileia, ao norte de Israel: "Investigai e vereis que nenhum profeta saiu da Galileia" (Jo 7,52). Maria é casada com um carpinteiro e vive numa aldeia pouco conhecida: «De Nazaré pode sair alguma coisa boa» (Jo 1, 46).

Pouco falam os evangelistas sobre isso, embora muito importante. Acomodaram-se aos modos usuais de seu ambiente, que tanto mantinham a esposa para o marido. São Mateus não registra a genealogia materna de Jesus, mas apenas a de São José, seu pai legal. São Paulo, nas suas numerosas cartas, não menciona as aparições do Ressuscitado às santas mulheres e não menciona Maria, embora aluda ao seu mistério, dizendo de Jesus, «nascido de mulher» (Gl 4, 4). Para além dos constrangimentos culturais, parece claro que esta sobriedade silenciosa deve ser vista como um desígnio muito elevado do Deus providente: é providência do Senhor que a vida de Maria seja «escondida com Cristo em Deus» (Cl 3, 3).

Santo Inácio de Antioquia (+107) já advertia que Deus havia guardado em silêncio o mistério de Maria: assim, "a virgindade de Maria e seu nascimento foram escondidos do príncipe deste mundo, da mesma forma que a morte do Senhor: três mistérios sólidos que se cumpriram no silêncio de Deus" (Efésios XIX, 1).
E São Bernardo (+ 1153): "Virtude louvável é a virgindade, mas ainda mais necessária é a humildade. Você pode se salvar sem virgindade, mas não sem humildade". A própria Maria diz: "'O Senhor olhou para a humildade do seu servo' muito mais do que para a virgindade. E embora pela virgindade ela agradasse a Deus, ainda assim ela concebeu pela humildade. É claro que a humildade era o que também tornava agradável a sua virgindade" (Hom. sobre a Virgem Mãe I, 5).

Mas Maria é "a Gloriosa", como lhe chama Gonzalo de Berceo (+1264), e também o é por desígnio do Deus providente: "Todas as gerações me chamarão bem-aventurada". Ela é a Filha do Pai, a Esposa do Espírito Santo, a Mãe de Cristo. Ela é a Aurora materna d'Aquele que é a Luz do mundo, a única Salvador da humanidade. Ela é o ponto de passagem entre o Antigo e o Novo Testamento. Depois de seu Filho, ela é a mais santa e santificante das Antigas e Novas Alianças. Ela é aNova Eva, a verdadeira «mãe de todos os viventes» (Gn 3, 20).

Dignare me laudare te, Virgem sacrata.

Pouco se sabe das circunstâncias e dos dados concretos sobre o nascimento de Maria, a Virgem. O Protoevangelium de Tiago, apócrifo do final do século II, dá alguns detalhes. Mas, como é lógico, a Igreja antiga manteve de um fato tão extraordinário uma tradição constante, que logo após os Concílios de Éfeso (431) e Calcedônia (451), passou a ser celebrada no curso anual da liturgia. A pregação dos Santos Padres sobre o nascimento de Maria é numerosa, especialmente entre os orientais.

Destaca-se o formidável sermão do arcebispo Santo André de Creta, que a Liturgia das Horas recolhe no Ofício de Leitura (8 de setembro). Nascido em Damasco por volta de 660, professou vida monástica, foi notável por seus sermões e hinos litúrgicos. Nomeado arcebispo de Gortyn, em Creta, dedicou ali um Santuário à Virgem, com o título de "Fonte Viva". Morreu em 740.

Em meados do século VII, a Natividade da Virgem começou a ser celebrada em Roma, com a Purificação, Anunciação e Assunção de Maria, numa época em que a violência do Islã causava emigrações nas regiões sujeitas ao seu jugo. No tempo do Papa Inocêncio IV (1243-1254) tinha sua própria Oitava. Atualmente é uma festa não obrigatória. (Fonte InfoCatolica)

"Ave Maria, puríssima.
– Sem pecado concebido.

Um bispo anglicano, referindo-se ao protestantismo, disse que ele consiste em acreditar em tudo o que você quer e fazer tudo o que você acredita. O protestantismo aceita essa afirmação sem surpresa, porque é a realidade de sua doutrina. Ele não sabe indicar o que é necessário para ser cristão, aliás, sustenta que é inútil saber. Não tem símbolo...