Não tomarás a "palavra" de Deus em vão, pois darás conta de toda palavra ociosa

17/12/2023

"Não tomarás o nome do Senhor teu Deus em vão, porque o Senhor não impunará todo aquele que tomar o seu nome em vão." (Êx 20:7)

Por Jesús Sánchez

"Digo-vos: toda palavra vã que os homens falarem dará conta no Dia do Juízo. Por suas palavras, portanto, você será justificado, e por suas palavras você será condenado." (Mt 12,36-37)

Hoje acredita-se que se pode dizer o que se quiser com ambiguidade e ambiguidade fora do Magistério da Igreja, confundindo-se a si mesmo e a quem quiser ouvi-lo.

A verdade é que Jesus Cristo é a Palavra de Deus, a Palavra, o nome, acima de todo nome, diante do qual cada joelho se curvará, no Céu e no Inferno. Este nome foi-nos comunicado, foi invocado sobre nós. Portanto, não finjamos, diz o apóstolo Tiago, sermos todos mestres, pois se confundirmos o discípulo teremos um julgamento mais severo, quanto mais aquele que confunde amor com heresia, mansidão com hipocrisia. Assim também a língua é um fogo, um mundo de iniquidade; É ela, entre nossos membros, que contamina todo o corpo e, inflamada pelo inferno, inflama o curso de nossa vida desde o nascimento. Tal sabedoria não desce de cima, mas é terrena, meramente natural, diabólica. Tg 3:1-15)

Não podemos, não devemos, e nunca permitimos na Igreja, deturpar a Palavra de Deus, intrinsecamente ligada ao Seu Santo Nome, ao Seu Ser, à Sua essência, como nos apresenta São João:

"No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. Ele estava no princípio com Deus. Tudo foi feito por ele, e sem ele nada foi feito. Nele estava a vida, e a vida era a luz dos homens. E a luz brilha nas trevas, e as trevas não a receberam. Havia um homem enviado por Deus, seu nome era João. Ele veio como testemunha, para dar testemunho da luz, para que através dele todos pudessem crer. Não era ele que era a luz, mas aquele que tinha que dar testemunho da luz. O Verbo era a verdadeira luz, que ilumina todo homem que vem a este mundo. Ele estava no mundo, e o mundo foi feito para ele, e o mundo não o conhecia. Veio para os seus, e os seus não o receberam. Mas aos que o receberam deu o poder de serem filhos de Deus, aos que crêem no seu nome, que não são nascidos do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas de Deus. E o Verbo se fez carne e habitou entre nós, e vimos a sua glória, a glória como a do Filho Unigênito do Pai, cheio de graça e verdade." (Jo 1,1-14)

Portanto, parece-me que tomar o nome de Deus em vão vai além de usá-lo para blasfemar; é tomar seu nome para creditar a vaidade dos hereges, joios vazios que tomam o nome de Deus em vão. Porque não dizem que esvaziam o ensinamento de Jesus e da sua Igreja, do seu magistério, sob a sua própria interpretação, de conteúdo, ou dizem que isso me parece, ou pode ser, embora nunca tenha sido... não, eles se investem de autoridade como escolhidos pelo Espírito Santo, para banalizar o evangelho e a lei de Deus. Pode-se dizer que não basta que eles, sendo lobos vorazes, se vistam de cordeiros, mas pretendem vestir os cordeiros de lobos.

Assim, a Igreja é aquela "mulher" que amassa três medidas de farinha até que tudo esteja fermentado (Lc 13,20), e que não usa o fermento dos fariseus (Mc 8,14), do qual deve ter cuidado; porque o fermento da mentira dividiu as pessoas em católicos e luteranos, etc. O objetivo do ecumenismo é que todos sejam católicos, e é por isso que a "mulher" que toma as três medidas de "farinha" é a Igreja Apostólica original, aquela que aceita as palavras de Jesus: "Ele respondeu: 'Está escrito: 'O homem não viverá só de pão, mas de toda palavra que procede da boca de Deus'". (Mt 4,4). E acolhe-a na sua verdade como nova e velha, apresentada nas suas três medidas em cada Eucaristia: AT, Salmo e NT; estas são as três medidas da "farinha" (a palavra de Deus).

Este fermento cresce e reconhece, por essa palavra viva e eficaz, Jesus Cristo no pão eucarístico, pois já não é pão e vinho, mas o seu corpo, sangue, alma e divindade. Assim, o fermento da fé amassa tudo o que Jesus disse (o próprio Jesus – a Eucaristia) e nos une em comunhão com Ele, "no mesmo modo de pensar e sentir... (1 Cor 1:10-13)

Portanto, não coloquemos o traje do lobo na ovelha (fidelidade) (heresia), porque hoje muitos ternos são cortados, parece-me, indignos de qualquer alfaiataria; Trajes feitos sob medida para seus donos, sejam bordados ou simples, porque o monge não faz um hábito, nem tudo o que reluz é humilde. Cuidado com o corte do trigo com o joio (Mt 13,29-30), pois nem o joio é caracterizado por pedras, nem todo saco carrega trigo.(Fonte: INFOCATOLICA)

Um bispo anglicano, referindo-se ao protestantismo, disse que ele consiste em acreditar em tudo o que você quer e fazer tudo o que você acredita. O protestantismo aceita essa afirmação sem surpresa, porque é a realidade de sua doutrina. Ele não sabe indicar o que é necessário para ser cristão, aliás, sustenta que é inútil saber. Não tem símbolo...