Mudar a doutrina?

26/10/2023

O Papa diz: "A Igreja tem que mudar, pensamos em como ela mudou desde o Concílio até agora e como ela tem que continuar mudando na modalidade, na forma de propor uma verdade que não muda". "A revelação de Jesus Cristo não muda, o dogma da Igreja não muda, mas cresce, se desenvolve e sublima como a seiva de uma árvore."

Por Pedro L. Llera

InfoCatólica: Schönborn garante que é responsabilidade exclusiva do Papa mudar a doutrina sobre relações homossexuais

Nesse artigo lemos: "O teólogo Karl Rahner (1904-1984) havia dito então que todo o Concílio seria em vão se não se traduzisse em mais fé, esperança e misericórdia". Eu diria o mesmo sobre este Sínodo", disse Schönborn.

Em meu último artigo, expliquei os conceitos de dignidade e liberdade e diferenciei seu significado liberal de seu significado católico.

Um homem é mais digno quanto mais se submete a Deus, e é mais indigno quanto mais se afasta Dele. Nada é mais indigno e detestável do que a rebelião e a desobediência a Deus. É por isso que Maria é um paradigma de dignidade: "Eis que sou serva do Senhor, faça-se em mim segundo a tua palavra".

A liberdade deve ser submetida à caridade, ao bem; enfim, a Deus. Quanto mais submisso a Deus, mais livre. Mas quando usamos a liberdade para pecar, cometemos um abuso inadmissível da liberdade, que não é mais liberdade, mas licença ou licenciosidade.

O mundo de hoje é liberal até um defeito. Um homem independente, autônomo e, consequentemente, rebelde contra Deus e desobediente à Sua Santa Vontade é considerado digno. E assim somos... É por isso que este mundo é uma fossa de corrupção e pecado.

Bem, essa infestação liberal poluiu a Igreja Católica. Patógenos liberais luciferianos invadiram a Igreja e se multiplicaram dentro dela até o topo da hierarquia.

Vejamos:

O Papa diz que a Igreja tem de mudar, como mudou desde o Vaticano II até agora e tem de continuar a mudar. Mas devemos nos perguntar: essas mudanças que ocorreram na Igreja nos últimos cinquenta anos foram para melhor ou para pior? Alguém pode realmente pensar que a Igreja está melhor agora do que estava antes do Concílio Vaticano II? Há mais vocações, há mais vida sacramental (batismos, casamentos, confissões, participação dos fiéis na Santa Missa)?

Seguindo a frase de Rahner, há mais fé, mais esperança e mais caridade na Igreja hoje do que em 1965? Vivemos uma primavera eclesial desde o Concílio Vaticano II ou estivemos setenta anos no inverno mais rigoroso da Igreja? Alguém ainda duvida que estamos vivendo a mais profunda crise da Igreja desde a sua fundação? Você tem que ser muito cego para não vê-lo.

A revelação não muda, o dogma não muda, mas é sublimado e desenvolvido. É sublimado a tal ponto que querem abençoar as uniões homossexuais por meios pastorais. Ora, a pastoral não pode ir contra a revelação e os dogmas, porque, se o fizesse, não seria a pastoral do Bom Pastor, mas a do Diabo que conduz o rebanho ao aprisco do inferno. E a Igreja está lá para salvar almas, não para contribuir para a sua queda. A bênção dos casais homossexuais não seria um desenvolvimento sublime da revelação e do dogma, mas um pecado manifesto contra a fé, a esperança e a caridade; um pecado manifesto contra Deus, uma negação da verdade revelada.

Levítico:

Lv 18:22: "Não te deitarás com um homem como com uma mulher; é uma abominação."

Lv 20:13: "Se alguém deitar com um homem como se deita com uma mulher, ambos cometeram uma abominação: certamente morrerão; seu sangue estará sobre eles".

São Paulo:

1 Cor 6,9-10: "... Nem os impuros, nem os idólatras, nem os adúlteros, nem os afeminados (malakoi), nem os homossexuais (arsenokoítai)... herdarão o reino de Deus".

1 Tm 1,9-11: "Tendo em mente que a lei não foi instituída para os justos, mas para os transgressores e rebeldes, para os ímpios e pecadores,..., adúlteros, homossexuais (arsenokoita), traficantes de seres humanos,...".

Rm 1,26-27: "Por isso, Deus os entregou a paixões infames; pois suas mulheres invertiam relações naturais para outras contrárias à natureza; Da mesma forma, os homens, abandonando o uso natural da mulher, inflamaram-se de desejos uns pelos outros, cometendo a infâmia do homem com o homem, recebendo em si o merecido pagamento por seu erro."

Efésios 5:1-7: "Sede imitadores de Deus, como filhos amados, e vivei no amor, assim como Cristo nos amou e se entregou por nós em oblação e sacrifício a Deus em doce odor.

Quanto à e a toda espécie de impureza ou cobiça, que não sejam nomeadas entre vós, como convém aos santos: nem palavras tolas, nem grosseria, nem malandragem, que vos desencorajam, mas sim ações de graças. Pois deveis saber que nenhum fornicador, ou impuro, ou avarento, que é como um adorador de ídolos, terá qualquer participação na herança do reino de Cristo e de Deus."

Gl 5:19-23: "Ora, as obras da carne são manifestas, a saber, a, a impureza, a lascívia, a idolatria, a feitiçaria, o ódio, a discórdia, o ciúme, a ira, a ambição, as dissensões, as facções, a inveja, a embriaguez e coisas semelhantes, contra as quais vos advirto, como fiz antes, que aqueles que fazem tais coisas não herdarão o reino de Deus.

Os frutos do Espírito são: caridade, alegria, paz, longanimidade, mansidão, bondade, fé, mansidão, temperança".

E São João no Apocalipse:

"Aquele que vencer herdará todas as coisas, e eu serei seu Deus, e ele será meu filho. Mas os covardes e incrédulos, os abomináveis e assassinos, os fornicadores e feiticeiros, os idólatras e todos os mentirosos terão sua parte no lago que arde com fogo e enxofre, que é a segunda morte."

A igreja confessa um e idêntico Deus como autor do Antigo e do Novo Testamento, isto é, da lei e dos profetas, bem como do Evangelho, porque os santos de ambos os Testamentos falaram sob a inspiração do mesmo Espírito Santo. Consequentemente, os textos citados acima não são de Levítico, Paulo ou João, mas do próprio Deus: são a Palavra de Deus. (Fonte: InfoCatolica)

Queridos irmãos e irmãs, o que havia no tempo dos apóstolos? Pastores, dispersos ou reunidos em concílios, que ensinavam os fiéis, resolviam questões que surgiam, repreendiam os que erravam e separavam os que persistiam no erro. Havia fiéis que eram guiados e ensinados por seus pastores, que neles ouviam Jesus – qui vos auidit, me audit – que...