Morte sim, inferno não

21/08/2023

"Morte sim, pecado não." Esta inscrição foi propositalmente esculpida na lápide da Beata Anka Kolesárová, uma jovem leiga eslovaca assassinada por um soldado soviético durante a ocupação do Exército Vermelho; hostiae sanctae castitatis, vítima da castidade. 

Por Roberto de Mattei

Anka nasceu em 14 de junho de 1928 em uma cidade no leste da Eslováquia não muito longe da fronteira com a Ucrânia, em uma família de profundas convicções religiosas. Quando eu tinha dezesseis anos, a ocupação russa sucedeu a alemã. durante a segunda guerra mundial. Em 22 de novembro de 1944, Anka e sua família se esconderam em um porão, mas foram descobertos por um soldado do Exército Vermelho. Com a ideia de tranqüilizá-lo, o pai pediu à jovem que cozinhasse algo para o soldado, mas ele violou sua pureza, apesar de ela estar vestida com roupas pretas sóbrias, como todas as mulheres da cidade concordaram em fazer. .para não captar inconvenientemente o interesse das tropas. A reação do soldado à resistência de Anka foi terrível: ele a matou a tiros diante dos olhos atordoados de seus parentes. Antes de morrer, a menina murmurou: "Jesus, Maria e José, eu vos dou minha alma". Após a queda do regime comunista, as pessoas voltaram a falar sobre Anka e sua morte heróica. Foi lançado um processo diocesano e Anka Kolesárová foi beatificada em 1º de setembro de 2018. Atualmente é venerada como virgem e mártir. Ela é a primeira devota leiga de seu país e já foi chamada de eslovaca Maria Goretti. Seu nome se soma a uma legião de mártires da pureza elevada à glória dos altares durante o século XX, como a Beata Carolina Kozka (1898-1914), Antonia Messina (1919-1935), Albertina Berkenbrock (1919-1931), Teresa Bracco (1924-1934), Pierina Morosini (1931-1957) e Alfonsina Anaurite Nengapela (1941-1964).

Todas essas almas escolhidas endossaram a frase de São Domingos Sávio (1842-1857), "antes morrer do que pecar". Frase que, há muitos séculos, Santa Blanca de Castilla (1188-1252) já repetia ao seu filho, o futuro rei São Luís IX de França (1214-1270): «Prefiro ver-te morto a manchado por um só pecado mortal ».

 Esta frase expressa um conceito de vida diametralmente oposto ao que prevalece hoje, segundo o qual o pecado não existe e o prazer é idolatrado e erigido como norma de vida. No entanto, todos morrem e o julgamento divino espera por todos nós, que a cada momento da vida somos forçados a escolher entre o Céu e o Inferno: entre entrar na Glória para a eternidade ou separar-nos de Deus para sempre.

Evocar o Inferno hoje causa aborrecimento, nojo e repulsa. Os mesmos sacerdotes preferem falar do amor e da infinita misericórdia do Senhor, mas não de sua justiça suprema. Alguns, incapazes de negar a existência do Inferno, afirmam que ele é vazio e que dores como a do fogo são algo simbólico, linguagem figurada. A ideia de Inferno foi abandonada, erradicada de nossa cultura. O resultado é que o Inferno, afastado de nossos pensamentos, irrompe diariamente em nossa vida e muitas vezes a torna um tormento.

No entanto, o Inferno existe, e em 1917 recordou-o em Fátima, mostrando aos pastorinhos um mar de fogo em que mergulhavam as almas dos demónios e dos malditos, transbordando de gritos e gemidos de dor e desespero que os horrorizavam e enchia com terror.

A visão do Inferno aterrorizou tanto Santa Jacinta de Fátima que a menina não parava de pensar nela, e se perguntava como era possível viver como se ela não existisse. A Virgem disse a Jacinta que o pecado que leva mais almas para o Inferno é o da impureza, que infelizmente é o mais difundido hoje, favorecido pela publicidade, pelos meios de comunicação e pelas modas indecentes. A impureza é uma transgressão da lei natural impressa por Deus no coração de cada homem. Dois mandamentos da Lei de Deus têm a ver com isso: o sexto e o nono, e Jesus diz no Evangelho: "Bem-aventurados os puros de coração, porque eles verão a Deus" (Mt.5,8).

A impureza conduz ao Inferno, e para que a nossa vida não tenha um desfecho tão trágico, e se não tivermos a coragem de repetir as palavras da Beata Anka Kolesárová, "morte sim, pecado não", pelo menos continuemos, dirigindo-nos nós mesmos a Deus: "Morte sim, inferno não." Porque a morte, que entrou no mundo com o pecado original, é uma pena terrena, enquanto o Inferno é um sofrimento eterno que todo homem pode evitar com a ajuda de Deus e de boa vontade, renunciando ao pecado. O inferno é um lugar de tormento onde se entra e não se sai. E a Virgem, ao mostrar o Inferno aos pastorinhos, ensinou-lhes a repetir aquela jaculatória para que a inserissem entre as estações do Rosário: «Meu Jesus, perdoai-nos os nossos pecados, livrai-nos do fogo do Inferno e conduzi-nos todas as almas para o Céu, especialmente as mais necessitadas da vossa misericórdia." ( Fonte Adelante La Fe)

Queridos irmãos e irmãs, o que havia no tempo dos apóstolos? Pastores, dispersos ou reunidos em concílios, que ensinavam os fiéis, resolviam questões que surgiam, repreendiam os que erravam e separavam os que persistiam no erro. Havia fiéis que eram guiados e ensinados por seus pastores, que neles ouviam Jesus – qui vos auidit, me audit – que...