Leigos alemães querem tirar poder de veto dos bispos no sínodo

09/05/2023

O Comitê Central dos Católicos Alemães (ZdK) anunciou que não aceitará a capacidade dos bispos alemães de vetar resoluções no próximo "Comitê Sinodal" com mais de um terço da oposição.

Por Carlos Esteban

O desejo de remover o veto episcopal foi anunciado pela presidente do ZdK, Irme Stetter-Karp, durante a assembléia plenária do grupo leigo em Munique, informou Katolisch.de, o site oficial da Igreja Católica na Alemanha.

Remover o poder de veto dos bispos seria uma mudança significativa nos procedimentos de governo das assembléias do Caminho Sinodal que ocorreram nos últimos três anos, resultando na aprovação de várias resoluções controversas que se desviam dos ensinamentos estabelecidos da Igreja.

Uma dessas medidas controversas foi a criação do Comitê Sinodal, órgão de transição encarregado de lançar as bases de um conselho sinodal permanente, responsável por governar a Igreja Católica na Alemanha, composto igualmente por bispos e leigos e capaz de anular as decisões de um Ordinário. em sua própria diocese. O Vaticano proibiu explicitamente o estabelecimento de um concílio sinodal por ser fundamentalmente incompatível com a eclesiologia católica.

O Comitê Sinodal, cujos membros são 27 ordinários episcopais da Alemanha, 27 delegados leigos do ZdK e 20 delegados "at-large" eleitos na assembleia de março de 2023, iniciará seus trabalhos em novembro.

Stetter-Karp disse que a posição do ZdK de que a afirmação das decisões não está mais vinculada à aprovação de dois terços dos bispos alemães é produto de uma "dolorosa experiência de aprendizado" das assembléias do Caminho Sinodal. O presidente do ZdK provavelmente se referia à derrota de um "texto básico" sobre a sexualidade humana na assembleia de setembro de 2022, depois que 21 dos 57 bispos votantes se opuseram a ele. (Fonte INFOVATICANA)

Sua extraordinária vida comprova que a heroicidade na prática da virtude pode chegar a suprir a ciência humana. Isso explica o aparente paradoxo de sua biografia, mostrando como a alta sabedoria de um taumaturgo analfabeto o tornou conselheiro de Papas e Reis. Sua festa litúrgica é celebrada no dia 2 de abril.