Filósofo católico denuncia o "silêncio aterrador" dos cardeais diante do 'colapso' eclesial

06/06/2023
Joseph Seifert
Joseph Seifert

O professor Josef Seifert, colaborador de São João Paulo II, exorta os cardeais de todo o mundo "a não continuar observando passivamente um colapso da Igreja que somente a intervenção divina pode impedir".

Seifert conversou recentemente com o estudioso do Vaticano, Edward Pentin, do National Catholic Register, sobre a crise dentro da Igreja Católica, que, na opinião deste confidente de João Paulo II, atinge os níveis mais altos da hierarquia.

"Vejo um perigo terrível de colapso total da Igreja Católica em muitos países e, de fato, de sua destruição total em algumas áreas do mundo", disse Seifert, "embora a própria Verdade tenha nos dito que as portas do inferno nunca prevalecerão. contra a igreja". 

O professor de Filosofia destaca que, após a promulgação da Amoris Laetitia, Francisco "começou a questionar, ou mesmo negar, o conteúdo essencial das Sagradas Escrituras e do ensinamento da Igreja".

Paulo VI resistiu a "uma pressão tremenda" para seguir o exemplo dos anglicanos ao permitir a contracepção, e "o Espírito Santo o impediu", disse Seifert, levando à Humanae Vitae. Mas com a Amoris Laetitia de Francisco, os frutos dessa encíclica crucial estão, para Seifert, em questão. "Parece-me incompreensível que nenhum dos cardeais, além dos quatro que apresentaram as dubia, falasse claramente contra tais erros e contra o eclipse do ensinamento católico." Somos como durante a crise ariana, quando um bispo, Santo Atanásio, e muitos leigos se lançaram em defesa da verdade e foi necessário até miseri laici [nós, os miseráveis ​​leigos] defender a verdade.

Seus comentários vieram como um adendo a uma carta publicada recentemente, escrita e enviada em particular a um cardeal há mais de dois anos, mas divulgada publicamente apenas em 30 de abril. Na carta, Seifert criticou o cardeal ainda não identificado por descrever as críticas ao Papa Francisco como "um grande mal que deve ser erradicado". (Fonte INFOVATICANA)

1-Já pratiquei superstição ou ocultismo? Acredito sem hesitação nos ensinamentos da Igreja sem criticar seus pastores? Recebi a Comunhão em pecado mortal? Recebi a Confirmação ou o Casamento em pecado mortal? Jurei desnecessariamente ou falsamente? Eu menti ou omiti algum pecado mortal do sacerdote na Confissão? Profanei o Templo, os objetos ou as...

Desde o Concílio Vaticano II, a religiosidade popular tem sido promovida e até exaltada como expressão legítima da fé nos leigos. E é claro que não se pode, nem se deve, negar ou fazer uma alteração total de tal realidade e efeitos espirituais positivos para as almas; almas que, talvez por esse meio, tenham sido integradas à vida sacramental...