Fiducia supplicans e o próximo conclave

12/01/2024

A promulgação pela Congregação para a Doutrina da Fé da declaração Fiducia supplicans em 18 de dezembro e as reações que ela desencadeou nos fornecem uma possível chave de leitura para o próximo conclave.

Por Roberto De Mattei

O autor da referida declaração é o colaborador próximo e autor sombra dos textos do Papa Francisco, Victor Manuel Fernández, que em 1º de julho deste ano foi nomeado prefeito do novo Dicastério para a Doutrina da Fé, e criado cardeal em 30 de setembro. O documento foi endossado ex audiencia pelo papa Francisco com o objetivo de torná-lo irrecorrível. Em circunstâncias normais, o documento deveria expressar o magistério ordinário da Igreja, mas na realidade não o faz, precisamente porque, afastando-se dos ensinamentos da Igreja, perde todo o caráter magisterial.

Fiducia supplicans é um manifesto bergogliano por causa de uma característica específica, que também é verdade para o modernismo: embora se diga fiel ao Magistério da Igreja, através de uma acrobacias intelectuais despreocupadas inverte esse Magistério. Especificamente, a Fiducia supplicans nega que uma relação homossexual seja comparável ao casamento, mas ao autorizar a possibilidade de abençoar tal relação, ela a aprova, contradizendo assim o que o Magistério diz a esse respeito, que sempre condenou o pecado contra a natureza. Para tranquilizar, ele nos assegura que a bênção é extralitúrgica, mas como só se pode abençoar (bene dicere) o que é bom em si mesmo, ele admite assim a bondade intrínseca das relações homossexuais. Nega que as relações homossexuais como tal sejam abençoadas, mas como não é uma pessoa isolada que é abençoada, mas o chamado casamento, que não é necessário para pôr fim à relação ilícita, abençoa na prática o vínculo que une pecaminosamente os dois membros do casal.

Não surpreende que o cardeal Gerhard L. Müller, prefeito emérito da Congregação para a Doutrina da Fé, tenha chamado essas bênçãos de atos sacrílegos e blasfemos.

O cardeal Müller fez uma declaração forte e coerente, mas não é o único que se manifestou nas últimas semanas a este respeito. A novidade, que nos fornece uma chave de leitura para o próximo conclave, é a intervenção de bispos e cardeais que até agora não tinham manifestado publicamente perplexidade ou crítica ao Papa Francisco. De fato, até hoje as reações mais significativas à deriva do pontificado bergogliano foram a Súplica Filial assinada em 2015 por centenas de signatários em todo o mundo, a Correção Filial apresentada em 2017 por um grupo de teólogos e intelectuais católicos e a dubia dirigida a ela por alguns cardeais eminentes como os cardeais Raymond Leo Burke e Walter Brandmüller em 2018 (aqui) e em 2023 ( aqui).

Desta vez é diferente. As vozes discordantes dos prelados do Gana, Zâmbia, Malawi, Togo, Benim, Camarões, Quénia, Nigéria, Congo, Ruanda, Angola e São Tomé continuam a seguir-se com várias nuances (cf. https://caminante-wanderer.blogspot.com/2023/12/las-reacciones-fiducia-supplicans.html). Praticamente todos os bispos africanos e a Conferência Episcopal Pan-Africana promulgaram um chamado concertado à ação, assinado pelo cardeal Fridolin Ambongo, arcebispo metropolitano de Kinshasa, que recebeu o roxo do papa Francisco em 5 de outubro de 2019.

A estas vozes críticas devem juntar-se as dos bispos polacos, dos prelados de ambos os ritos, latinos e greco-católicos, da Ucrânia, da arquidiocese de Astana (Cazaquistão) e de muitas outras dioceses em todo o mundo, como a de Montevidéu. O cardeal Daniel Fernando Sturla, arcebispo de Montevidéu, também foi criado cardeal pelo papa Francisco em 14 de fevereiro de 2015 e, assim como o cardeal Ambongo, será um dos eleitores do próximo conclave.

Pode-se argumentar que é uma minoria, e de fato é. Por outro lado, os bispos que aderiram abertamente à declaração do Dicastério para a Doutrina da Fé constituem uma minoria ainda menor. Também é interessante notar que as críticas mais enérgicas aos suplicantes da Fiducia vêm daquelas periferias às quais o Papa Francisco tanto se referiu como portadoras de autênticos valores religiosos e humanos, enquanto a filosofia do documento foi adotada por algumas conferências episcopais, como as da Bélgica, Alemanha e Suíça, que representam os episcopados mais mundanos e distantes dos problemas existenciais das periferias. A grande maioria dos bispos e cardeais ou não se manifestou, ou, se o fizeram, propuseram interpretar as súplicas da Fiducia numa linha de coerência e não descontinuidade com o Catecismo da Igreja Católica e com o Responsum emitido pela Congregação para a Doutrina da Fé em 15 de março de 2021 sobre a possibilidade de abençoar as uniões entre pessoas do mesmo sexo. Tanto do ponto de vista doutrinário quanto pastoral, a posição desses bispos é inviável. As razões de sua ambiguidade provavelmente serão buscadas no medo de entrar em conflito aberto com o papa Francisco e os poderes midiáticos que o apoiam. No entanto, esse núcleo magmático e confuso não é bergogliano e, na expressão cardinal, forma um terceiro partido entre as duas minorias que se enfrentarão no próximo conclave: de um lado, o polo fiel aos ensinamentos da Igreja e, de outro, o polo fiel ao novo paradigma. O confronto se dará em uma situação de sede vacante, uma vez que o Papa Francisco não estiver mais presente, a mídia ficará em silêncio e todos os eleitores se encontrarão sozinhos diante de Deus e de sua própria consciência. Tudo isso sugere que o próximo conclave será duramente combatido, longo e cheio de golpes. (Fonte: Adelante La Fe)

Sua extraordinária vida comprova que a heroicidade na prática da virtude pode chegar a suprir a ciência humana. Isso explica o aparente paradoxo de sua biografia, mostrando como a alta sabedoria de um taumaturgo analfabeto o tornou conselheiro de Papas e Reis. Sua festa litúrgica é celebrada no dia 2 de abril.