É publicado o "Instrumentum laboris" do Sínodo sobre a Sinodalidade

20/06/2023

Hoje foi divulgado o "Instrumentum laboris", o documento orientador para os trabalhos da Assembleia Geral do Sínodo sobre a sinodalidade que acontecerá em outubro de 2023 e no mesmo mês de 2024.

 ( InfoCatólica ) O texto , após o prólogo, tem a seguinte estrutura:

A. Por uma Igreja sinodal. Uma experiência abrangente

B. Comunhão, missão, participação. Três temas prioritários para a Igreja sinodal

Abaixo algumas planilhas. As seguintes:

Fichas para B 1. Uma comunhão que irradia

Ficheiros para B 2. Co-responsáveis ​​na missão.

Fichas para B 3. Participação, responsabilidade e autoridade.

O prólogo contém as seguintes afirmações introdutórias aos parágrafos do texto:

a jornada até agora

Uma ferramenta de trabalho para a segunda fase do processo sinodal

A estrutura do texto.

Seguem as seguintes seções:

A. Por uma Igreja sinodal. Uma experiência abrangente:

  • A 1. Sinais característicos de uma Igreja sinodal
  • A 2. Um caminho para a Igreja sinodal: conversar no Espírito

B. Comunhão, missão, participação:

  • B 1. Uma comunhão que irradia. Como podemos ser mais plenamente sinal e instrumento da união com Deus e da unidade do gênero humano?
  • B 2. Co-responsáveis ​​na missão. Como compartilhar dons e tarefas a serviço do Evangelho?
  • B 3. Participação, responsabilidade e autoridade. Que processos, estruturas e instituições são necessários em uma Igreja sinodal missionária?

O texto continua com várias seções, destacando-se as seguintes perguntas para o discernimento:

Que passos pode dar uma Igreja sinodal para imitar cada vez mais o seu Mestre e Senhor, que caminha com todos com amor incondicional e anuncia a plenitude da verdade do Evangelho?

Como pode cada Igreja local, sujeita à missão no contexto em que vive, potenciar, promover e integrar a troca de dons com as outras Igrejas locais, no horizonte da única Igreja Católica? Como podem as Igrejas locais ajudar a promover a catolicidade da Igreja numa relação harmoniosa entre unidade e diversidade, preservando a especificidade de cada uma?

Como a experiência e os frutos do caminho ecumênico podem favorecer a construção de uma Igreja católica mais sinodal? Como a sinodalidade pode ajudar a Igreja Católica a responder melhor à oração de Jesus: "que todos sejam um... para que o mundo creia" (Jo 17,21)?

De que modo podemos tornar o anúncio do Evangelho comunicável e perceptível nos diversos contextos e culturas, para favorecer o encontro com Cristo dos homens e mulheres do nosso tempo? Que vínculos podemos estabelecer com os crentes de outras religiões, desenvolvendo uma cultura do encontro e do diálogo?

Até que ponto a Igreja está hoje preparada e equipada para a missão de anunciar o Evangelho com convicção, liberdade de espírito e eficácia? De que maneira a perspectiva de uma Igreja sinodal transforma a compreensão da missão e permite articular suas diferentes dimensões? Como a compreensão da sinodalidade enriquece a experiência de realizar a missão juntos?

Como avançar na Igreja para uma real e efetiva corresponsabilidade em chave missionária para uma realização mais plena das vocações, carismas e ministérios de todos os batizados? Como conseguir que uma Igreja mais sinodal seja também uma "Igreja de todos os ministérios"?

Que passos concretos pode a Igreja dar para renovar e reformar os seus procedimentos, disposições e estruturas institucionais, de modo a permitir um maior reconhecimento e participação das mulheres, inclusive nos processos de governação e de tomada de decisões, num espírito de comunhão e com vista à a missão?

Como promover na Igreja uma mentalidade e formas concretas de co-responsabilidade em que seja fecunda a relação entre o ministério baptismal e o ministério ordenado? Se a Igreja é toda ministerial, como compreender os dons específicos dos ministros ordenados no seio do único Povo de Deus numa perspectiva missionária?

Como entender a vocação e a missão do bispo em uma perspectiva sinodal missionária? Que renovação da visão e das formas de exercício concreto do ministério episcopal se requer numa Igreja sinodal caracterizada pela co-responsabilidade?

Como compreender e exercer a autoridade e a responsabilidade a serviço da participação de todo o Povo de Deus? O que precisamos renovar na compreensão e nas formas de exercer a autoridade, a responsabilidade e o governo para crescer como Igreja sinodal missionária?

Como pensar em processos decisórios mais participativos, que dêem espaço à escuta e ao discernimento comunitários, apoiados na autoridade como serviço à unidade?

Uma Igreja sinodal precisa viver a co-responsabilidade e a transparência: como esta consciência pode servir de base para reformar instituições, estruturas e procedimentos, a fim de consolidar a mudança ao longo do tempo?

À luz da experiência sinodal até hoje, como pode a sinodalidade encontrar melhor expressão em e através de instituições que envolvem grupos de Igrejas locais, como os Sínodos dos Bispos e os Conselhos dos Hierarcas das Igrejas Orientais Católicas, as Conferências Episcopais e as Assembleias Continentais, para que "os conceba como sujeitos de atribuições específicas, incluindo também alguma autêntica autoridade doutrinária" (Evangelium gaudium 32), numa perspectiva missionária?

À luz da relação dinâmica e circular entre a sinodalidade da Igreja, a colegialidade episcopal e o primado petrino, como aperfeiçoar a instituição do Sínodo para que se torne um espaço certo e garantido para o exercício da sinodalidade, garantindo a plena participação de todos - o Povo de Deus, o Colégio Episcopal e o Bispo de Roma - respeitando as suas funções específicas? Como avaliar a experiência de aproximação participativa a um grupo de "não bispos" na primeira sessão da XVI Assembleia Geral Ordinária do Sínodo dos Bispos (outubro de 2023)? (Fonte InfoCatolica)

Texto completo em português do Instrumentum laboris .

Sodomia significa a prática de relações sexuais de qualquer tipo entre pessoas do mesmo sexo, sejam homens ou mulheres.